Invista agora
a evolução na edução financeira, conheça a Magnetis.

Você pode investir de um jeito melhor, e nós podemos provar.

Baixe o app!

5 Erros para evitar ao diversificar seus investimentos

Para compor sua carteira de modo estratégico, é essencial diversificar os investimentos. Por meio dessa abordagem, você garante que o seu dinheiro seja distribuído entre investimentos  que apresentam comportamentos distintos diante de determinado cenário.

Assim, é possível diluir os riscos e se proteger. Afinal, você reduz o impacto de eventuais perdas, estrutura melhor seu patrimônio e ainda pode potencializar seu retorno. Porém, isso só será viável se você for capaz de evitar erros comuns na diversificação.

Quer descobrir quais são as principais falhas que podem ocorrer ao diversificar seus investimentos? Conheça 6 desses erros e veja como impedi-los de acontecer!

1. Não considerar a correlação entre os investimentos

Outro erro que pode acontecer ao diversificar investimentos envolve a correlação entre as alternativas disponíveis no mercado. Esse conceito inclui a relação estabelecida entre os investimentos diante de condições semelhantes.

Com a correlação, é possível compreender como dois ou mais investimentos se comportam e se relacionam. Ao medir a correlação, você verá que ela pode variar entre -1 e 1.

Assim, há três casos principais:

  • correlação positiva: é representada pelo resultado entre 0 e 1 e indica um comportamento semelhante entre os investimentos;
  • correlação negativa: é dada pelo índice entre 0 a -1 e prevê comportamentos opostos entre os investimentos;
  • descorrelação: é obtida pelo índice igual ou bem próximo a 0 e indica um comportamento independente dos investimentos.

Para diversificar, é preciso buscar investimentos não correlacionados ou com correlação negativa. Diante disso, uma das falhas no processo de compor a carteira consiste em realizar a diversificação de investimentos sem fazer uma análise da correlação — tornando mais difícil a construção de um portfólio mais sólido.

Imagine, por exemplo, que você investe em ações e quer diversificar as empresas. Contudo, suas escolhas envolvem duas companhias dentro do mesmo setor ou em setores que dependem um do outro. Nesse caso, a correlação será positiva e você não estará diversificando, de fato. 

Por isso, é preciso ter atenção à correlação ao implementar a estratégia de diversificar a sua carteira de investimentos.

Ainda, dentro deste tópico, um ponto de atenção importante é que a correlação entre os ativos pode variar de acordo com o período selecionado. 

Ao saber disso, é comum surgir o seguinte pensamento “então basta selecionar o período mais longo”, isso não necessariamente vai ser eficiente porque o risco da correlação mais atual pode ficar mascarado. Assim, é importante manter um monitoramento das correlações também. 

2. Pulverizar em vez de diversificar os investimentos

Como você viu, conhecer o grau de correlação dos investimentos é uma condição importante para ter uma carteira diversificada. Sem essa análise, há mais chances de acontecer o erro da pulverização de investimentos.

Essa situação ocorre quando você escolhe investimentos diferentes, mas que apresentam correlação positiva entre eles. Logo, não há uma diversificação verdadeira. Quer um exemplo? Pense na renda fixa

Nessa classe de investimentos, há alternativas com rentabilidades, emissores e prazos distintos. Contudo, muitas delas tendem a ser afetadas de modo semelhante pela taxa Selic. Como acontece se você estiver investindo em vários títulos prefixados diferentes. 

O mesmo acontece com o investimento na renda variável. Concentrar sua carteira apenas em ações do mesmo setor, por mais que esses sejam empresas diferentes, mantém o portfólio exposto ao risco que poderia ser diversificado.

3. Não fazer o rebalanceamento da carteira

Além dos erros que você já conheceu até aqui, existe outra falha bastante comum na hora de diversificar: a crença de que o processo só precisa ocorrer uma vez. Ou seja, muitos investidores acreditam que precisam montar a carteira diversificada apenas na etapa de construção do portfólio, sem fazer mudanças posteriores.

Porém, de acordo com os movimentos do mercado, os resultados dos investimentos podem mudar a proporção do patrimônio investido. Se o conjunto de ações tiver um desempenho superior aos investimentos de renda fixa, por exemplo, elas terão um peso maior na estratégia.

Quanto maior for a contribuição de um investimento para o portfólio, maior é o risco de concentração de recursos e menor tende a ser a diversificação. Portanto, é essencial não desconsiderar a relevância de rebalancear a carteira. 

Assim, além do acompanhamento ao longo do tempo, você deve fazer operações periódicas para manter o risco diversificado e o portfólio alinhado ao seu perfil de investidor e objetivos pessoais.

4. Não desenvolver a sua educação financeira

Para fazer investimentos melhores, é importante entender o mercado, as alternativas disponíveis e suas características gerais de funcionamento. Não é preciso ser um especialista, mas conhecer bem onde você pretende investir faz a diferença.

Na diversificação, a educação financeira é ainda mais relevante. Afinal, a ideia é alocar seus recursos em classes variadas e em investimentos com funcionamentos distintos. Ou seja, você deve conhecer os detalhes de investimentos variados.

Se esse ponto for ignorado, pode acontecer de você investir em mercados ou opções que não compreende por completo. Ao fazer isso, o risco de cada aplicação se torna maior, já que você não terá tanta segurança em sua tomada de decisão. Logo, torna-se mais difícil compor um portfólio diversificado.

5. Ignorar a importância de ter ajuda profissional

Como você viu, diversificar os investimentos sem ter os conhecimentos necessários pode trazer problemas para sua carteira. Por isso, outro erro que você deve evitar é não buscar ajuda profissional para superar os desafios e as falhas que podem ocorrer no processo.

Com o apoio de uma gestão profissional, você terá acesso a estratégias e carteiras totalmente diversificadas e balanceadas. Além disso, será viável tirar dúvidas e entender melhor o processo de composição de um portfólio.

Com o nosso time, da Magnetis, você aproveita uma gestão digital adequada para as suas necessidades e expectativas. Nós utilizamos a Teoria Moderna de Portfólio e outras estratégias aprofundadas para a composição de carteira, visando atender suas necessidades.

Neste artigo, você descobriu quais são 5 erros para evitar na hora de diversificar os investimentos. Assim, será possível criar um portfólio com riscos alinhados ao seu perfil e aos seus objetivos, favorecendo seus resultados ao longo do tempo.

Quer ajuda para não cometer essas e outras falhas ao investir? Fale com um de nossos especialistas e conte com a nossa gestão profissional!

Andressa Siqueira, CFP®
Andressa Siqueira, CFP®

Formada em Economia pela PUC-SP, é especialista em investimentos na Magnetis desde 2019. Possui as certificações CEA pela ANBIMA e de planejadora financeira CFP®, trabalha no mercado financeiro há mais de 8 anos.

leia mais desse autor