Vale a pena abrir um negócio próprio? Entenda aqui

por Malena Oliveira | 17/04/2019

Vale a pena abrir um negócio próprio? Entenda aqui

O brasileiro quer cada vez mais autonomia no trabalho. Uma pesquisa encomendada pelo PayPal indica que 66% das pessoas desejam empreender para ganhar dinheiro. Isso significa que 2 a cada 3 brasileiros têm o interesse de abrir um negócio próprio.

Seja por causa do desemprego, seja pela vontade de ser o próprio chefe ou pela expectativa de aumentar o patrimônio, a decisão exige planejamento.

Mesmo que demonstre sinais de recuperação, o cenário é desafiador. Portanto, é indispensável estar pronto para as necessidades que essa nova empreitada pode trazer.

A seguir, descubra se vale a pena abrir um negócio e entenda melhor essa possibilidade!

Como é iniciar o próprio empreendimento no Brasil?

De acordo com a Receita Federal, entre 2017 e 2018, o tempo médio para abrir uma empresa passou de 8 para 5 dias. No entanto, a realidade é bastante diferente, pois varia com o tipo de empreendimento e do local.

Segundo o Sebrae, o processo completo de formalização pode levar de 5 a 30 dias consecutivos. Dependendo das exigências de cada estado, o tempo e o custo se tornam maiores.

Já modalidades como o MEI permitem o início do processo pela internet, com finalização em alguns dias. Ou seja, tudo depende do seu negócio.

Quais são os tipos de empresa disponíveis?

Para se tornar um empresário ou empresária, há diversas alternativas. Veja quais são as principais:

  • microempreendedor individual (MEI): programa simplificado, com cadastro pela internet e que tem pagamento de guia única de impostos. Não permite sócios e é possível ter somente um funcionário;
  • microempresa: regulamentada como de pequeno porte, aceita diferentes tipos societários e oferece um limite maior que no MEI, mas a tributação varia com a renda;
  • sociedade limitada: formada por duas ou mais pessoas, tem Contrato Social registrado e não permite que sócios sejam responsabilizados por prejuízos do negócio;
  • sociedade anônima: modelo em que a participação não é definida por sócios específicos. Como a participação é dividida em ações, os papéis podem ser comercializados;
  • franquia: por meio de um contrato firmado entre franqueado e franqueadora, a empresa cede a marca e oferece um plano de negócios. Permite contratação de funcionários, mas exige padronização de processos e pagamento de taxas e royalties;
  • startup: de acelerado crescimento, capta investimentos e está em constante mudança. É instável, mas pode se firmar no mercado e se tornar uma empresa nos moldes tradicionais.

O que (e onde) aprender antes de abrir um negócio?

Antes de abrir um negócio, é fundamental entender as regras para a abertura do empreendimento. Dependendo do ramo, há legislações específicas, além das obrigatoriedades fiscais e contábeis.

Também é importante conhecer as principais ferramentas de acompanhamento financeiro e de gestão de pessoas. O processo fica mais simples quando o empreendedor identifica as necessidades de atendimento, já que isso favorece a boa experiência.

Não é preciso frequentar uma faculdade, por exemplo. No entanto, convém ler publicações sobre o assunto, como livros de empreendedores, sites, jornais e revistas. Há ainda cursos gratuitos, rápidos e online sobre vários temas.

Quais cuidados tomar antes da abertura?

Além de ganhar conhecimento, é necessário executar outras medidas antes de abrir um negócio.

É essencial, por exemplo, estudar o mercado e reconhecer o que querem as pessoas. A ideia é oferecer algo inovador e com valor agregado para chamar a atenção.

Inclusive, é preciso ficar de olho nos concorrentes, isto é, mercados muito disputados são mais difíceis. Nesses casos, é indispensável escolher um bom segmento. Além de tudo, o ponto físico deve ser selecionado de forma a ter bom movimento e baixa concorrência.

Como aprender com a experiência de outras pessoas é valioso, não deixe de ver negócios que deram certo ou errado. Com esse cuidado, dá para se antecipar e montar um bom planejamento estratégico — que também é essencial para um negócio dar certo.

Quais são as principais dificuldades de tocar o próprio empreendimento?

A abertura e a formalização não são os únicos obstáculos. Durante a operação, há desafios que devem ser encarados. É preciso, por exemplo, tomar cuidado com as horas trabalhadas. O comprometimento é essencial, mas tão importante quanto é encontrar o equilíbrio com a vida pessoal.

Outro problema está na captação de recursos para o investimento. Além das startups, outros negócios precisam de investidores e apoiadores. Em alguns casos, isso significa pedir empréstimos para os bancos, o que pode se tornar perigoso.

Além do mais, há a dificuldade de separar a conta pessoal da empresarial. Manter os valores separados é essencial para ter melhor controle e evitar problemas no futuro.

Quais são as alternativas para fazer o seu patrimônio se multiplicar?

Muita gente decide abrir um negócio como forma de multiplicar o próprio patrimônio. No entanto, há uma alternativa que deve ser considerada: fazer investimentos. Por meio da rentabilidade de aplicações, é possível fazer o seu dinheiro render e, de certo modo, trabalhar para você.

O investimento em imóveis é bastante conhecido e inclui adquirir um bem do tipo para alugar ou revender. No entanto, o mercado imobiliário é muito volátil e nem oferece tanta liquidez.

Em contrapartida, há os investimentos financeiros em renda fixa ou variável. Dá para aplicar seu dinheiro em títulos públicos, de bancos privados, em letras de crédito e até em fundos diversos.

Para quem tem maior apetite ao risco, há o mercado de ações e de câmbio. Com uma boa diversificação, o resultado tende a ser muito satisfatório.

Para tanto, é essencial contar com a assistência adequada. Ter o apoio de uma consultoria financeira, por exemplo, permite identificar as melhores alternativas para o seu perfil.

Em vez de aplicar todo o dinheiro na abertura de um negócio, por exemplo, é possível selecionar uma opção com retorno garantido. Essa escolha ainda facilita acompanhar o desempenho, o que permite decisões cada vez melhores. Assim, você não corre tanto risco de perder dinheiro.

Abrir um negócio pode ser uma opção interessante, mas, ao mesmo tempo, é algo trabalhoso e desafiador. Se o objetivo for aumentar o seu patrimônio, os investimentos financeiros se mostram muito mais rentáveis e seguros.

Quer aplicar, mas não sabe onde? Aproveite e descubra quais são os principais tipos de investimento!

Luciano

Malena Oliveira é jornalista especializada em Finanças Pessoais e redatora na Magnetis.

Avaliar o post