Invista agora
a evolução na edução financeira, conheça a Magnetis.

BBSD11: entenda o que é e como funciona esse ETF

Aplicar em um ETF (Exchange Traded Fund) é uma boa opção para começar a ter rendimentos variáveis na bolsa de valores de forma fácil e sem grandes investimentos. Porém, com mais de uma dezena de opções de ETFs disponíveis, como saber em qual fundo é melhor aplicar? Para ajudar você nessa escolha, este artigo vai esclarecer as principais dúvidas sobre o ETF BBSD11.

Antes de prosseguir, vale lembrar como funciona um ETF, também chamado de fundo de índice ou fundo espelho. Em resumo: quando você adquire uma cota de ETF na bolsa, você não compra ações de uma empresa, mas investe em um fundo que espelha os rendimentos de uma cesta de ativos teórica baseada nos resultados de empresas reais.

Cada ETF tem uma metodologia própria para definir as empresas que fariam parte de sua cesta diversificada de ativos. O principal ETF é baseado no índice Ibovespa, porém a B3 oferece outras opções, como o ETF de renda fixa e o próprio BBSD11, que tem ganhado cada vez mais destaque. Veja a seguir mais detalhes!

O que é o BBSD11?

O BBSD11 é um ETF listado em 2014 que reflete o desempenho de ações brasileiras com bons pagamentos de dividendos aos seus acionistas. O fundo é baseado no Índice S&P Dividendos Brasil e administrado pelo BB Gestão de Recursos, ligado ao Banco do Brasil.

Como funciona esse ETF?

Há alguns critérios para entrar na lista das 30 empresas que compõem a lista do BBSD11. Entre os principais deles, temos:

  • os dividendos devem ser pagos de forma estável ou crescente nos últimos 5 anos consecutivos;
  • a empresa deve possuir ações na bolsa de valores brasileira;
  • o valor de mercado da empresa deve ser de, no mínimo, 250 milhões de dólares;
  • o volume de negociações mensal da empresa deve ser de, em média, 1 milhão de dólares.

Para garantir a diversificação da cesta de ativos, o ETF tem algumas regras:

  • cada empresa pode ter, no máximo, peso de 8% na listagem;
  • o peso de cada setor é de, no máximo, 35%;
  • a lista é reavaliada anualmente no mês de abril;
  • no mínimo 95% dos investimentos do fundo são direcionados a ações das empresas listadas. O restante (máximo de 5%) pode ser investido em outras ações e ativos.

Quais são as vantagens do BBSD11? 

Investir em ativos que distribuem lucros aos acionistas é considerado uma boa opção para obter rendimentos variáveis no longo prazo. No Brasil, um de seus grandes defensores é o autor Décio Bazin, que explica os fundamentos no livro “Faça Fortuna com Ações, Antes que Seja Tarde”. 

A seguir, saiba mais sobre as vantagens e desvantagens de investir nesse fundo!

Maior rendimento no longo prazo

Se compararmos com ETFs que seguem o índice Ibovespa, cujos rendimentos são mais voláteis, o BBSD11 tende a ser mais estável e com rendimentos superiores ao longo do tempo. Isso porque as empresas que o compõem geram lucro por vários anos — ou seja, elas se mantêm saudáveis mesmo em anos de baixa.

Diversificação de investimentos

Uma das regras de ouro dos economistas é a de não colocar todos os ovos numa única cesta, a fim de diluir os riscos. O BBSD11 garante a diversificação com regras que limitam o peso de cada empresa e setor em sua carteira de ativos. Tudo isso sem você ter o trabalho e o alto custo de escolher individualmente cada empresa em que vai investir.

Praticidade e simplicidade da gestão

O BBSD11 é muito prático e simples, por isso é uma excelente opção para quem está começando a investir na bolsa. Assim como todos os ETFs listados na bolsa, os proventos são reinvestidos automaticamente no próprio fundo, sem a necessidade de uma nova operação. Ou seja, você terá seus rendimentos maximizados sem dedicar muito tempo ao home broker.

Taxas menores

Como os rendimentos são reinvestidos automaticamente, você estará livre da taxa de corretagem a cada operação. Além disso, as corretoras costumam pedir taxas de administração bem menores para fundos de índice. No caso do BBSD11, a taxa é de 0,5% ao ano.

Quais são as desvantagens do BBSD11?

Rotatividade de ativos

Quando uma empresa deixa de atender aos critérios do BBSD11 para a distribuição de dividendos, ela é retirada da cesta de ativos. Por um lado, essa rotatividade de ativos garante a saúde e a estabilidade do índice. Porém, isso desconsidera empresas que potencialmente terão uma performance ainda melhor no futuro, pois preferem reinvestir os lucros obtidos.

Ausência de critérios fundamentalistas

O S&P Dividendos Brasil tem seu cálculo baseado no índice final de dividendos distribuídos aos acionistas, sem considerar o que fundamentou tal resultado. Ocorre que nem sempre um alto índice de distribuição de dividendos significa o melhor desempenho financeiro.

Por exemplo: a empresa A apresenta um índice de dividend yeld (distribuição de dividendos) de 20%, enquanto o da empresa B é de 10%. A empresa A prevalece para o BBSD11, ainda que suas ações valham bem menos do que as da empresa B.

Tributação indireta sobre o lucro

Como todo ETF, incide-se o Imposto de Renda obrigatório de 15% sobre o lucro da venda dos ativos de qualquer valor, mesmo abaixo dos R$ 20 mil por mês.

No caso do BBSD11, isso significa que você será tributado indiretamente sobre os dividendos distribuídos pelas empresas da carteira de ativos, já que os rendimentos são reinvestidos no ETF, e não distribuídos aos cotistas.

Como investir no BBSD11?

Você pode fazer a compra de ativos do fundo online. Para isso, você precisa de uma conta ativa e com crédito em uma corretora de valores. A partir dela, você adquire suas cotas do BBSD11 em sua interface de home broker.

O lote inicial para compra de qualquer ETF é padronizado em, no mínimo, 10 cotas. Em dezembro de 2019, a cota do BBSD11 estava em torno de R$ 90 — ou seja, dá para começar a investir no fundo com cerca de R$ 900. As integralizações e os resgates são feitos em lotes mínimos de 50.000 cotas.

Se você se interessou pelo BBSD11, mas é novo no mercado de ações, recomendamos que você converse com uma consultoria de investimentos para ter certeza de que está aplicando seu dinheiro da forma correta. Acesse gratuitamente nosso Guia para saber como funciona uma consultoria de investimentos e escolher a melhor opção!

Mariana Congo

Mariana Congo é Gerente de Comunicação da Magnetis e jornalista especializada em finanças pessoais.

leia mais desse autor