Invista agora
a evolução na edução financeira, conheça a Magnetis.

Vale a pena usar o buy and hold? Entenda essa estratégia

Quando falamos em investir em ações, logo se pensa no sobe e desce do mercado financeiro e nas compras e vendas ágeis de papéis. Mas existe uma estratégia para quem olha o longo prazo das empresas listadas em bolsa de valores: o buy and hold.

Essa corrente de planejamento de aplicações financeiras foi a chave da riqueza de alguns megainvestidores, como o americano Warren Buffett.

A seguir, vamos explicar mais sobre o buy and hold, qual é o perfil de quem usa a estratégia e como montar uma boa carteira para comprar e segurar ações. Acompanhe!

O que é buy and hold?

Como próprio nome diz: “compre e segure”, a estratégia de buy and hold consiste em comprar ações para longo prazo.

Assim, dá para desconsiderar valorizações e desvalorizações que o papel venha a sofrer no curto e médio prazo, e até os momentos de otimismo (bull market) e pessimismo (bear market) no mercado financeiro.

Só é possível ter essa segurança realizando uma profunda reflexão sobre a reputação da empresa dona dos papéis e de seu potencial de crescimento.

Veja seus balanços e sua capacidade de gestão, olhando métricas como o retorno sobre o patrimônio líquido e observando trocas de comando na administração do negócio.

Olhe também para o setor em que a companhia se insere, com seus diferenciais e seus concorrentes, e para a macroeconomia dos seus países de atuação.

A união de todos esses aspectos é a análise fundamentalista: ou seja, a que olha para os fundamentos de sua aplicação financeira. A partir desse estudo, você definirá o preço justo por ação daquela companhia e vai compará-lo com o preço de mercado.

Se o preço justo é de R$ 10 por papel e o preço de mercado está em R$ 5 por papel, por exemplo, estamos diante de uma boa oportunidade de buy and hold.

Nessa análise, todo cuidado é pouco. Afinal, essas ações ficarão no seu portfólio de aplicações financeiras por um longo tempo — provavelmente décadas.

O objetivo é maximizar seus lucros diante do poder exponencial do tempo de aplicação. Outra meta é reduzir os custos com taxas cobradas a cada transação. Essas cobranças vão desde a corretagem até o Imposto de Renda, que é de 15% dos Juros sobre Capital Próprio (JCP).

O guru do “compre e segure” é o economista inglês Benjamin Graham, autor do livro O Investidor Inteligente. Para ele, comprar e vender ações em curto prazo parece mais com um jogo do que com um investimento.

O megainvestidor americano Warren Buffett, dono de uma fortuna de quase 90 bilhões de dólares, foi um dos alunos de Graham.

Uma das lições desses grandes investidores é enxergar o valor da empresa e esperar que a cotação atinja esse valor. O preço do papel pode ser afetado por um momento de pessimismo geral no mercado ou por uma condição passageira no negócio, que não refletem o valor intrínseco da companhia.

Pode parecer arriscado ficar tanto tempo confiando na bolsa de valores, mas estudos mostram que esperar pode valer a pena.

De acordo com o professor de finanças Jeremy Siegel no livro Stocks for The Long Run, um dólar investido em 1802 teria se valorizado para 7,47 milhões de dólares em 1997. As ações apresentam um retorno médio anual de 7% no período, contra menos de 3% de títulos públicos.

Qual é o perfil de quem utiliza essa estratégia?

Por mais que seja uma estratégia de longo prazo, vale lembrar que todo investimento em renda variável pede um perfil mais tolerante a oscilações de ganhos.

Portanto, dimensione a parcela de ações na sua carteira de aplicações financeiras com base no seu perfil de exposição a risco.

Dá para perceber que o buy and hold não é para quem se abala com valorizações e desvalorizações no curto e médio prazo. É preciso ser paciente e ter alta tolerância a mudanças nos preços dos seus papéis.

Dentro da renda variável, aqueles que “compram e seguram” são conhecidos como mais conservadores. A gestão costuma ser mais passiva do que a praticada pelos que compram e vendem ações no mesmo dia, prática conhecida como day trade.

Entretanto, uma gestão mais conservadora e passiva não significa comprar e esquecer. É preciso dedicar tempo à análise das empresas escolhidas para compor a carteira.

Quem segue a estratégia buy and hold está sempre olhando os balanços das companhias e se atualizando com notícias sobre o empreendimento e sobre o setor em que ele se insere.

É essa análise que vai determinar se você deve continuar com um papel, e não a cotação da ação naquele exato momento — como faria um praticante do day trade.

Como montar uma boa carteira de buy and hold?

O primeiro passo para montar uma boa carteira de buy and hold é, portanto, fazer uma análise fundamentalista de empresas das quais você pretende comprar papéis.

Com a reflexão feita, abra uma conta em uma corretora de valores e compre mensalmente ações de seu interesse por meio do home broker, plataforma virtual para negociar no mercado financeiro.

Aqui vale a mesma recomendação de qualquer aplicação financeira: uma carteira diversificada trará resultados melhores.

Distribuir o dinheiro em aplicações sujeitas a riscos diferentes, com rentabilidades e choques negativos não correlacionados, faz com que sua carteira não sofra por inteiro diante de uma condição específica.

Por exemplo, uma carteira feita apenas com aplicações na renda variável poderia ter uma grande desvalorização em um momento de pessimismo no mercado acionário.

Para montar uma boa carteira de buy and hold, existem também conselhos específicos. Primeiro, faça compras regulares de papéis, que reforcem sua posição na empresa.

Se você acredita no potencial de crescimento futuro do empreendimento, uma baixa no valor do papel pode significar uma oportunidade de comprar uma participação no negócio por um preço econômico.

Da mesma forma, caso a empresa escolhida pague dividendos — uma divisão de parte dos lucros com quem comprou suas cotas —, opte por reinvesti-los.

Assim, você usará o próprio rendimento que conquistou para manter sua estratégia de buy and hold.

O buy and hold é uma estratégia mais conservadora dentro do mercado financeiro.

Analisar empresas sólidas, comprar seus papéis a um preço inferior ao valor real e manter as ações por um longo tempo é uma das estratégias para maximizar seus lucros sem se preocupar com o sobe e desce da bolsa de valores.

E, agora que você já conhece a técnica buy and hold, dê mais um passo para o sucesso financeiro e saiba como funciona uma consultoria de investimentos no nosso Guia completo sobre o assunto!

Malena Oliveira

Especialista em Finanças Pessoais e membro do Grupo Consultivo de Educação Financeira da Anbima.

leia mais desse autor