Como usar a calculadora do Banco Central? Descubra o passo a passo aqui!

por Mariana Congo | 21/06/2019

Calculadora do Banco Central: veja como usar
consultoria de investimento

A calculadora do Banco Central é um recurso disponível de forma gratuita no site do BC. Essa ferramenta ajuda a calcular índices do mercado financeiro, descobrir o valor de empréstimos e saber qual é o rendimento da poupança.

A partir de agora, você vai conhecer a aprender a usar as principais funcionalidades dessa calculadora. Continue a leitura e preste atenção os exemplos a seguir.

O que é a calculadora do Banco Central?

Como mencionamos, a Calculadora do Cidadão é uma ferramenta gratuita que possui diversos recursos. Eles são:

  • calcular o valor de uma aplicação com depósitos mensais;
  • calcular o valor de uma aplicação sem depósitos mensais;
  • calcular o valor de um financiamento com prestações fixas;
  • fazer correção monetária usando diversos indicadores, como inflação, taxa referencial, Selic e CDI;
  • calcular o rendimento da poupança.

A calculadora do BC realiza cálculos que envolvem juros compostos. Por isso, ela facilita a vida de quem precisa tomar decisões financeiras. Vamos conhecer mais detalhes suas principais funções.

(tela da Calculadora do Banco Central)

Quais são as funcionalidades da calculadora do Banco Central?

A calculadora do BC é um simulador de investimentos e dívidas. Para utilizá-la, basta inserir as taxas e os valores. O cálculo é feito de maneira automática. Veja a seguir as principais funções.

Índice de preços

A funcionalidade é utilizada para a correção de valores. Por isso, mensura a inflação acumulada ao longo de determinado período a partir de diferentes índices. Os indexadores disponíveis são:

  • Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA): mede a inflação oficial do País do dia 1 ao dia 30;
  • Índice de Preços ao Consumidor Amplo Especial (IPCA–E): segue a mesma base do IPCA, mas considera um período diferente, do dia 16 do mês anterior ao 15 do mês de referência;
  • Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC): costuma ser utilizado para negociar reajustes salariais. É mais sensível à variação de preços de serviços e produtos básicos, por exemplo, alimentos;
  • Índice de Preços ao Consumidor (IPC): mensura a variação dos preços de bens e serviços finais;
  • Índice Geral de Preços – Mercado (IGP–M): corrige valores contratuais, como os aluguéis e as parcelas de alguns financiamentos imobiliários;
  • Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP–DI): é utilizado para corrigir valores contratuais, especialmente as dívidas dos estados com a União;
  • Índice de Preços ao Consumidor – São Paulo (IPC—SP): é o indicador de inflação mais antigo, mas considera apenas a capital paulista.

Taxa Referencial

A TR incide em alguns financiamentos, empréstimos e investimentos. Um exemplo é a poupança, que considera esse índice em seus dois modelos de cálculo:

  • 70% da Selic mais TR, quando a taxa básica de juros estiver igual ou inferior a 8,5% ao ano;
  • 0,5% ao mês mais TR, se a taxa básica de juros estiver acima de 8,5% ao ano.

Essa taxa é a média do rendimento dos CDBs prefixados dos maiores bancos do país. Hoje, a TR está zerada.

Poupança

A análise da Calculadora do Cidadão considera o rendimento da poupança em sua data de aniversário.

É importante lembrar que a remuneração na poupança ocorre sempre a cada 30 dias e nunca é proporcional. Portanto, se a quantia for sacada antes do prazo, deixará de ter acréscimos ao valor final.

Selic

A taxa básica de juros da economia é determinada pelo Comitê de Política Monetária (Copom) em reuniões realizadas a cada 45 dias. É utilizada como referência em vários investimentos, como o Tesouro Selic. Assim, a calculadora faz a correção dos valores com o passar do tempo.

CDI

A calculadora do Banco Central corrige valores em investimentos que utilizam a taxa CDI como referência. É o caso da maioria dos CDBs, que são pós-fixados e variam conforme esse índice.

Como utilizar a calculadora do Banco Central?

A partir do conhecimento das funcionalidades da ferramenta, você já percebe que tem a chance de utilizá-la para diferentes possibilidades, certo? Apesar de realizar cálculos complexos, é bastante fácil utilizá-la — basta fornecer os valores corretos.

consultoria de investimento

A calculadora está disponível tanto para desktop quanto para aplicativos de celular. Com isso, você pode fazer os cálculos de que precisa. Veja como!

Financiamento com prestações fixas

Essa função possibilita contabilizar quanto será pago em um financiamento baseado na tabela PRICE — sistema de amortização que apresenta parcelas iguais ao longo do tempo. Permite calcular a quantia quitada ao final do período do empréstimo, os juros incidentes, a prestação e o valor total.

Valor futuro de um capital

O cálculo projeta a remuneração de um capital empregado. Por isso, considera a taxa de juros e o período de aplicação. É possível fazer a contabilização considerando diferentes variáveis:

  • tempo: coloca-se a taxa de juros, o capital atual e o valor obtido ao final;
  • juros: são inseridos tempo, capital e valor final;
  • prestação: são determinados período, taxa de juros e valor final;
  • valor total: são especificados período, taxa de juros e capital atual.

Correção de valores

A ideia aqui é contabilizar a correção de algum capital a partir da inflação ou de outras taxas, conforme já apresentamos. É possível fazer o cálculo com qualquer período. Por isso, é uma alternativa válida para considerar os ganhos ou pagamentos de um crédito ou débito do passado. Para utilizar as funções, é preciso inserir, basicamente, data inicial e final, além do montante a ser atualizado.

Rotativo do cartão de crédito

O cartão de crédito tem um dos juros mais altos do mercado. Portanto, se você pensa em pagar o mínimo da fatura e entrar no rotativo, essa é uma opção válida para ver como ficará o resultado com o passar do tempo. Assim, é possível comparar essa opção com as alternativas de crédito disponíveis no mercado.

Essa também é a opção de financiamento de fatura. Apesar de as regras do BC terem mudado — agora os bancos só podem permitir o pagamento mínimo durante um mês, depois disso é ofertado o parcelamento —, esse cálculo ainda é relevante.

É importante mencionar que essa funcionalidade está, temporariamente, indisponível justamente devido às alterações feitas na legislação. No entanto, será retomada conforme as novas diretrizes.

Como simular um investimento na poupança? Confira um exemplo!

Agora que ficou mais fácil entender o funcionamento, as funcionalidades e as possibilidades da calculadora do BC, que tal ver um exemplo? Imagine que você fez um investimento na poupança com valor inicial de R$ 10 mil.

Como a calculadora considera apenas períodos passados, vamos colocar como data inicial dia 06/04/2018 e, como final, 06/04/2019. É importante mencionar que o período final precisa ser atual, porque o cálculo é realizado conforme os índices apurados naquele intervalo de tempo.

Em valor a ser corrigido, o montante é R$ 10 mil. Ainda precisa especificar que a atualização é feita de acordo com as novas regras, que passaram a valer em 2012. Após pressionar o botão “Calcular”, você terá a resposta.

Nesse caso, verificamos que o índice de correção do período foi 1,0455023. O valor percentual correspondente é de 4,5502300%. Assim, o valor corrigido na data final chega a R$ 10.445,02.

Percebe como é fácil? Essa é uma maneira inteligente de utilizar a calculadora do Banco Central, verificar os resultados já obtidos e fazer projeções a partir dos dados analisados. O resultado é a chance de tomar uma decisão mais acertada.

Agora que você entende melhor como usar a calculador do Banco Central para ajudar no seu planejamento financeiro, que tal conhecer outras opções de investimento? Baixe grátis o nosso Guia Completo sobre os Tipos de Investimento e veja as alternativas.

Como usar a calculadora do Banco Central? Descubra o passo a passo aqui!
5 (100%) 1 vote[s]