Invista agora
a evolução na edução financeira, conheça a Magnetis.

Calculadora do Tesouro: saiba como funciona essa ferramenta

O Tesouro Direto tem sido a principal escolha de quem busca uma aplicação com baixo risco e rendimento acima da poupança. Compreender a rentabilidade dos títulos públicos, no entanto, ainda é um desafio para muita gente. Para ajudar nessa questão, a calculadora do Tesouro pode ser muito útil.

Para entender a importância do assunto, vale lembrar que o número de pessoas que aplicam nessa modalidade vem crescendo e chegou à marca de 1,17 milhão em outubro de 2019.

O Tesouro Direto é o programa pelo qual o governo oferece títulos públicos federais a quem estiver interessado.

Quem compra um título público está, na verdade, emprestando dinheiro para o governo federal em troca de uma taxa de juros — que é o rendimento a ser recebido na data do vencimento do título ou semestralmente, dependendo do caso.

Neste artigo, vamos mostrar como funciona a calculadora do Tesouro e como você pode usá-la para projetar a rentabilidade dos títulos públicos. Acompanhe!

O que é a calculadora do Tesouro Direto?

A calculadora do Tesouro é uma ferramenta do próprio Tesouro Nacional que simula os resultados do investimento nos diversos títulos públicos disponíveis para aplicação. São eles:

  • Tesouro Prefixado: paga a quem investe uma taxa de juros prefixada, conhecida no momento da aplicação;
  • Tesouro Selic: o rendimento desse título acompanha a variação da Selic, a taxa básica de juros do país;
  • Tesouro IPCA+ e Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais: são títulos híbridos, cuja rentabilidade é composta por uma parte prefixada e outra pós-fixada, atrelada ao IPCA, que é o índice oficial de inflação do país.

É possível consultar os títulos disponíveis para compra na página no Tesouro Direto. Ali também estão outras informações importantes, como a taxa do título naquele momento e a data de vencimento do título.

Essas informações também estão na própria página da calculadora. Antes de investir, vale lembrar que não se deve escolher uma aplicação considerando apenas a maior rentabilidade projetada.

É importante que você tome suas decisões sempre levando em conta seu perfil e seus objetivos, só assim a sua carteira de investimentos será personalizada e fará sentido para você!

Por exemplo, se o objetivo é proteger o dinheiro dos efeitos da inflação no longo prazo, o título mais adequado pode ser o IPCA+ — mesmo que, naquele momento, algum outro apresente uma rentabilidade superior.

Mas saber qual é a rentabilidade projetada é importante. Isso permite comparar diferentes opções, e é um dos fatores que vão pesar na hora de escolher uma aplicação para fazer parte da sua carteira.

Como utilizar a calculadora do Tesouro?

Ao acessar a página da calculadora do Tesouro, a primeira coisa que você vai ver é a tabela com a relação dos títulos disponíveis e as informações de cada um, conforme mencionamos acima.

No pé da página está a calculadora em si. Veja a seguir um passo a passo de quais são os dados que você deve informar para saber a rentabilidade projetada.

1. Escolha o título para simulação

A primeira informação que a calculadora vai solicitar é o tipo de título cujo rendimento você quer projetar. A própria ferramenta dá as opções.

Observe que, além dos títulos que mencionamos no tópico anterior, ele também lista Tesouro IGP-M+ com Juros Semestrais e Tesouro Prefixado com Juros Semestrais.

Essas duas modalidades não são mais oferecidas, mas estão na relação porque existem títulos desses tipos que ainda não venceram e, portanto, estão no mercado.

Para a nossa simulação aqui, escolhemos Tesouro Selic.

2. Informe a data da compra

Esse é um campo autoexplicativo. É com base na data da compra que a calculadora vai saber quanto tempo o dinheiro permanecerá investido, o que influencia tanto na rentabilidade total quanto na alíquota do Imposto de Renda.

Na nossa simulação, informamos que a data da compra é 28/12/2019.

3. Insira a data de vencimento do título

Essa informação está na tabela do começo da página, em que estão os títulos disponíveis para investimento. Enquanto fazíamos a simulação, o único título Tesouro Selic disponível tinha data de vencimento em 1º de março de 2025.

4. Coloque o valor do investimento

Nesse campo basta informar qual é o valor do investimento que você quer simular. Para o nosso exemplo, usamos R$ 10 mil.

5. Informe a taxa do papel na data da compra

Esse é outro dado que está na tabela dos títulos disponíveis, na coluna “Taxa de Rendimento (% a.a.)”. Na nossa simulação está 0,02%, o que corresponde à taxa Selic mais 0,02%.

6. Insira as taxas cobradas pelo banco ou corretora

Alguns bancos e corretoras cobram uma taxa de custódia para o investimento em títulos públicos. Isso era mais comum antigamente, e hoje em dia poucas instituições financeiras mantêm essa prática.

De qualquer forma, é importante conferir no banco ou corretora de sua escolha se existe algum custo para o investimento em Tesouro Direto e, se for o caso, informar nesse campo.

Na nossa simulação, deixamos o campo zerado. Se você escolheu o Tesouro Prefixado, esse é o último campo da sua simulação. Basta clicar em Calcular e conferir o resultado. Mas se escolheu Tesouro Selic ou Tesouro IPCA+ (com ou sem juros semestrais), continue no próximo passo.

7. Coloque a Selic ou o IPCA projetado para o período

No último campo, você deverá informar a taxa Selic para o período (se tiver escolhido o Tesouro Selic) ou a taxa de inflação projetada (para quem escolheu Tesouro IPCA+ ou Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais).

Na nossa simulação, com Tesouro Selic, informamos a taxa Selic vigente no momento em que escrevíamos este texto.

8. Clique em Calcular e confira o resultado

A calculadora traz um resultado bastante completo. Ela mostra:

  • quantos dias o dinheiro vai permanecer aplicado (corridos e úteis);
  • a rentabilidade bruta;
  • o valor da taxa de custódia cobrada pela bolsa de valores no momento do resgate;
  • a alíquota do Imposto de Renda de acordo com o tempo em que o dinheiro permanecer aplicado;
  • o valor do IR;
  • o valor líquido do resgate;
  • a rentabilidade líquida, após descontar taxas e IR.

Na nossa simulação, o dinheiro ficaria aplicado por 760 dias, o que daria uma rentabilidade bruta de 4,52% ao ano (Selic + 0,02%). Após descontar as taxas e os impostos, o valor líquido do resgate seria de R$ 10.764,08, com uma rentabilidade líquida de 3,60% ao ano.

Viu como é fácil usar a calculadora do Tesouro? É uma ferramenta muito útil que você deve conhecer antes de fazer a sua aplicação. Quer saber mais sobre o assunto? Então que tal aprofundar seus conhecimentos e fazer o primeiro módulo do nosso curso de investimentos? É online e gratuito!

Malena Oliveira

Especialista em Finanças Pessoais e membro do Grupo Consultivo de Educação Financeira da Anbima.

leia mais desse autor