Invista agora
a evolução na edução financeira, conheça a Magnetis.

Circuit breaker na Bovespa: o que causou a queda da bolsa e o que vai acontecer agora?

Nesta quinta-feira, 12, a bolsa de valores abriu em queda tão forte que os negócios tiveram que ser interrompidos, acionando o chamado circuit breaker, por duas vezes no mesmo dia. Este fato nunca aconteceu na história da bolsa de valores.

Esse mecanismo, que é uma espécie de trava de segurança, é acionado em momentos de fatos altamente inesperados. Para você ter uma ideia, alguns deles foram:

  • crise asiática (1997);
  • crise da Rússia (1998);
  • crise cambial brasileira (1999);
  • ataque às Torres Gêmeas (11 de setembro de 2001);
  • crise financeira de 2008;
  • delação da JBS (Joesley Day) em 17 de maio de 2017.

O gráfico a seguir, que exploraremos mais adiante neste texto, dá uma ideia do impacto causado no Índice Bovespa, o principal indicador do mercado de ações no Brasil.

Ibovespa histórico (1995-2020)

(Ibovespa de 1995 a 2020: outros eventos causaram mais estrago que os circuit breakers. Fonte: Trading View)

Um spoiler: outros eventos tiveram mais impacto no mercado do que os circuit breakers que vimos ao longo do caminho.

A partir de agora, vamos entender um pouco mais sobre como funciona esse mecanismo e quais gatilhos fazem ele ser disparado.

Também vamos entender como fica o mercado depois de um evento como esse e qual é o impacto sobre os seus investimentos. Continue a leitura!

O que é circuit breaker?

O circuit breaker é um mecanismo que trava operações na bolsa de valores em momentos de pânico ou euforia no mercado.

O objetivo é proteger as próprias pessoas que negociam: ao impedir os negócios, ele dá tempo para os investidores respirarem e repensarem suas estratégias.

Aqui no Brasil, esse mecanismo foi criado em 1997 e já foi acionado 18 vezes na história da bolsa.

Ele afeta basicamente o Índice Bovespa (Ibovespa), o nosso principal índice de ações.

A ideia do circuit breaker apareceu pela primeira vez em 1987 nos Estados Unidos, em um evento chamado de Black Monday.

Em 19 de outubro daquele ano, o índice Dow Jones caiu 22,6%, na esteira do tombo de diversos outros índices globais.

Por que o circuit breaker foi acionado?

O gatilho foi disparado no Brasil após diversas bolsas pelo mundo registrarem quedas intensas. Até a bolsa americana teve o seu próprio circuit breaker nesta segunda-feira (09).

O motivo foi a cotação do petróleo. Ela derreteu no mercado internacional após a Arábia Saudita baixar o preço do barril.

A atitude foi tomada em retaliação à Rússia, que se recusa a fazer parte da Opep.

A organização reúne os países exportadores da commodity e, na prática, funciona como um cartel: controla os preços e a produção mundial.

Apesar de não fazer parte desse seleto grupo, uma das principais matérias-primas que o Brasil exporta é o petróleo. Não por acaso, as ações da Petrobrás chegaram a cair quase 20% nesta semana.

Ao final do pregão, o Índice Bovespa registrou um tombo de 12% no dia 9 de março de 2020. Hoje, 12 de março, o Índice Bovespa registra uma queda de 18.97%, tornando a maior queda diária do índice desde 1998.

Ibovespa: circuit breaker de março de 2020

Circuit Breaker: gráfico mostra a diferença entre o desempenho do Ibovespa na sexta-feira, 6 de março, e na segunda-feira, 9 de março de 2020, quando o mecanismo de circuit breaker foi acionado na bolsa de valores brasileira na esteira de uma nova crise do petróleo
(Circuit Breaker: queda do Ibovespa em 9 de março de 2020. Fonte: Trading View)
Circuit Breaker
(Circuit Breaker: queda do Ibovespa em 12 de março de 2020. Fonte: Trading View)

Quais são as regras do circuit breaker?

O circuit breaker é acionado durante o pregão em situações de alta ou queda muito acentuadas. Na bolsa brasileira, ele é ativado automaticamente conforme as seguintes regras:

  • nível 1 – 10%: se o Ibovespa subir ou cair mais de 10% em relação ao fechamento do dia anterior, os negócios são interrompidos por 30 minutos;
  • nível 2 – 15%: depois disso, se ele continuar no mesmo movimento e acumular alta ou queda de 15%, os negócios são interrompidos por 1 hora;
  • nível 3 – 20%: novamente, se o sintoma persistir e o acumulado do dia chegar a 20%, os negócios são suspensos e só voltam quando a bolsa decidir.

Porém, há uma exceção: as regras do circuit breaker não valem na última meia hora de funcionamento do pregão.

Já nos Estados Unidos, o circuit breaker funciona da seguinte forma:

  • nível 1 – 7%: se o S&P 500 ou outro índice de mercado caírem 7%, os negócios são interrompidos por 15 minutos;
  • nível 2 – 13%: é disparado quando a queda atinge os 13% e paralisa os negócios por mais 15 minutos;
  • nível 3 – 20%: suspende os negócios pelo resto do pregão quando a queda atinge 20%.

A exceção nesses casos é para os níveis 1 e 2: a regra não vale nos últimos 45 minutos de pregão.

Qual é a diferença entre circuit breaker e leilão de ações?

No circuit breaker, todas as operações da bolsa são interrompidas. Ou seja, ninguém pode comprar ou vender ações individuais ou fundos de índice (os chamados ETFs).

Mas existe uma regra específica que serve para as ações individuais, é o chamado leilão de ações.

Assim como no circuit breaker na Bovespa, é um mecanismo para proteção do investidor em momento de muita volatilidade.

O leilão dura 5 minutos, prorrogáveis por mais 5, e é acionado automaticamente nos seguintes casos:

  • queda ou alta de mais de 10% no preço da ação em relação ao fechamento do dia anterior no pré-mercado (antes da abertura do pregão).
  • queda ou alta de mais de 10% no preço da ação em relação ao preço de abertura, durante o pregão.
  • oscilação do valor entre 10% e 19,99% sobre o último preço do papel antes de entrar em leilão (em qualquer horário do dia).

O leilão é diferente do circuit breaker pois não significa uma suspensão das operações.

Durante o leilão, a Bolsa continua a registrar as ofertas de compra e venda, mas elas só são efetivadas quando os preços de compra e venda se encaixam.

Isso previne um descontrole dos preços e garante uma melhor formação de preços.

Joesley Day: o último circuit breaker da Bovespa antes deste

Outro caso em que o mecanismo foi no dia 18 de maio de 2017. Na noite anterior, o país foi surpreendido com o teor da delação da JBS na Operação Lava Jato.

O mercado reagiu com muito nervosismo às notícias que levaram o foco da crise política diretamente para o então presidente Michel Temer.

Com tamanho nervosismo, o Ibovespa chegou a cair mais de 10%. De acordo com a B3, no dia 18 de maio houve recorde no número de negociações na Bovespa, alcançada a marca histórica de 3,1 milhões de transações.

Esse número mostra o quanto o mercado se movimentou por causa do estresse – para todo investidor que quis vender por medo da baixa dos preços, havia do outro lado um comprador interessado nos preços mais baixos.

Circuit breaker: vai ter de novo?

Apesar de todo o pânico gerado por um circuit breaker, o próprio mecanismo já é uma forma de tentar acalmar o mercado.

Por isso, o ideal é não tomar decisões precipitadas. A tendência é que o mercado se acalme e os próprios protagonistas desta crise encontrem uma solução para o problema.

Agora, volte ao primeiro gráfico que você viu neste texto. Para ajudar, ele está reproduzido aqui de novo.

Repare em como o Ibovespa se recuperou e bateu recordes de alta após as crises que mencionamos.

Além disso, outros eventos causaram mais estrago do que os circuit breakers.

Marcamos no gráfico alguns exemplos:

  • impeachment da presidente Dilma Rousseff: no fim de 2016, o anúncio da abertura de um processo de impeachment contra a então presidente Dilma deixou o mercado ainda mais pessimista com os rumos da economia. A bolsa, que já ia mal, teve um desempenho pior ainda no fim daquele ano;
  • greve dos caminhoneiros: em maio de 2018, uma paralisação de caminhoneiros causou uma crise de desabastecimento no país, prejudicando os resultados das empresas.

Ibovespa histórico (1995-2020)

(Ibovespa de 1995 a 2020: outros eventos causaram mais estrago que os circuit breakers. Fonte: Trading View)

O objetivo do gráfico acima é mostrar que os circuit breakers em si tiveram um impacto pontual ao longo da história do Ibovespa.

Por outro lado, eventos que comprometeram a economia no Brasil ou no mundo causaram um estrago maior.

No entanto, a bolsa teve e continuará tendo plena capacidade de se recuperar de sustos como estes.

Isso acontece porque ela é a forma mais barata e mais democrática de as empresas financiarem suas atividades. Além disso, é uma forma organizada e segura de as pessoas investirem.

O que acontece depois de um circuit breaker?

Após um estrago tão grande na bolsa, a tendência é que os preços se recuperem.

É isso mesmo: o circuit breaker causa tamanho desespero no mercado que é bastante comum os preços acabarem voltando ao seu nível anterior.

E aqui vai uma atualização: no dia seguinte ao circuit breaker, o Ibovespa subiu cerca de 5%.

O mais importante é manter o foco nas suas metas e não tomar decisões precipitadas.

Por isso, agora que você entende mais sobre circuit breaker, que tal conhecer um pouco mais sobre o universo dos investimentos? Assine a Newsletter Magnetis e receba conteúdos semanais sobre esse universo.

Mariana Congo

Mari Congo tem paixão por explicar coisas difíceis de forma fácil. É jornalista, educadora financeira, especialista em finanças pessoais e investimentos e gerente de comunicação na Magnetis.

leia mais desse autor