Veja como as corretoras de investimentos funcionam antes de escolher uma

por Mariana Congo

Hoje em dia, quem possui um dinheiro parado na conta-corrente tem inúmeras opções para rentabilizá-lo, inclusive fora do banco. As corretoras de valores, por exemplo, funcionam como um "supermercado de investimentos", com mais opções e variedades de aplicações do que as que existem nos bancos tradicionais.

No banco, o cliente fica refém da rentabilidade oferecida pelos produtos emitidos pela instituição. Esse retorno nem sempre é bom, por casa das pesadas taxas de administração cobradas nos bancos.

De certa maneira, as corretoras resolvem esse problema, fornecendo outras opções para você rentabilizar o seu patrimônio. Quer entender melhor como essas instituições funcionam? Acompanhe este post!

Corretoras de investimentos são como supermercados

Se você quiser um exemplo para entender o funcionamento de uma corretora de valores, a melhor maneira é imaginá-las como supermercados. Quando você entra em um estabelecimento desses, dá de cara com as prateleiras recheadas de produtos de diversas marcas, com diferentes preços e qualidades, não é mesmo?

Pois é, as corretoras funcionam assim. Porém, em vez dos produtos para a sua casa, alimentos ou bebidas, as prateleiras estão recheadas de fundos de ações, CDBs, títulos do Tesouro Direto e outras diversas modalidades de investimento, com taxas e rentabilidades distintas.

Basta escolher qual é a melhor para você, com base na sua disposição para buscar rentabilidade.

O banco, por outro lado, seria como uma loja que só vende uma marca.​ 😉

A importância de diversificar

Se você já pesquisou sobre investimentos, certamente ouviu falar sobre a importância de não colocar todos os ovos na mesma cesta. Mas já parou para pensar no que isso significa?

Ao colocar todos os seus ovos em uma mesma cesta, você assume a possibilidade de todos se quebrarem ao mesmo tempo se houver qualquer acidente com ela. E é isso que ocorre no mercado de investimentos.

Se você aplica todo o seu dinheiro em apenas uma classe de ativo, corre o risco de sofrer um revés grande, caso ocorra alguma mudança no mercado que afete investimento escolhido. E o risco de prejudicar seu patrimônio é enorme.

Apostando em um plano diversificado de investimentos, você pode experimentar rentabilidades diferentes e, ainda por cima, dilui o risco em várias frentes. Dessa forma, caso haja dificuldades em alguma aplicação sua, você ainda terá outras alternativas.

Como comparar as corretoras

Com essa explicação, você já deve ter percebido que há diferenças entre investir por meio de uma corretora de valores e investir diretamente com o banco, não é mesmo? Então, fica a pergunta: como saber qual corretora escolher?

Existem variações nos serviços oferecidos por essas empresas. Veja, abaixo, 4 aspectos que você deve levar em consideração antes de tomar a decisão final:

Preço

As corretoras operam diversas modalidades de investimentos em renda variável, por esse serviço, cobram uma quantia chamada taxa de corretagem. Essa taxa pode variar de acordo com o tipo de mercado em que a empresa opera, que pode ser à vista, fracionário, por opções ou mercado futuro. O percentual cobrado também varia de acordo com o tipo de plano que você contrata.

Além disso, há também uma taxa de custódia - que pode ser cobrada sobre investimentos em renda variável e também em renda fixa -, que é o que você paga para que a corretora "guarde" seus ativos. Nem todas as empresas cobram por isso, mas em alguns casos o valor pode chegar a até R$ 30.

Existem ainda algumas corretoras que oferecem home broker, para que você tenha mais autonomia com relação aos seus investimentos em renda variável, e este é um serviço cobrado à parte. Mas as operações via mesa também são taxadas, portanto não há escapatória nesse caso.

Vale lembrar que as corretoras dependem das taxas cobradas para se manterem operando, e isso é um valor inerente aos seus investimentos. A dica é não escolher a corretora somente pelo preço e sim pela combinação entre os valores cobrados e o que é oferecido.

Leia também: Taxa zero nas corretoras - benefício real ou metade do dobro?​

Atendimento

Seu dinheiro é precioso e você não vai deixá-lo com quem não atende bem, não é mesmo? A disponibilidade dos profissionais e a forma como tratam o cliente e solucionam suas dúvidas devem ser determinantes para a sua escolha.

A corretora deve ser acessível e ter uma equipe sempre disponível para que você não se sinta desamparado. Nesse caso, a melhor forma de escolher é investigar a maneira como a empresa trabalha, por meio da opinião dos atuais clientes. Ajuda bastante fazer uma busca na internet, principalmente em sites de reclamações.

O número de clientes atuais também ajuda a determinar a confiabilidade da corretora, item essencial para que você invista com segurança e sabedoria.

Ferramentas

Atualmente, a tecnologia permite que você faça diversas operações sem sair da frente do seu computador, ou por meio do seu celular ou tablet. Portanto, antes de escolher a corretora, veja que tipos de ferramenta são disponibilizadas para você.

Você pode contar com home broker, Tesouro Direto, aplicativos para celular e outras plataformas que tornam o seu relacionamento com a corretora o mais estreito possível. Quanto maior for a gama de ferramentas oferecidas, melhor para você.

Faça um comparativo entre a qualidade e o número de ferramentas oferecidos e os valores cobrados por cada corretora, para chegar a uma conclusão.

Serviços

Por fim, fique atento aos serviços oferecidos. Ao aplicar seu dinheiro, você precisa ter acesso a relatórios, consultorias, análises e outros fatores que fazem com que a transparência esteja sempre em primeiro lugar.

A questão do conflito de interesses

Como já dissemos, as corretoras funcionam como supermercados, que oferecem diversos produtos para que você possa escolher aqueles que mais se adequam ao seu perfil.

Mas, mesmo que você tenha uma boa experiência nesse mercado, é bom ficar atento e contar com a ajuda de uma consultoria de investimentos antes de tomar sua decisão. Isso porque as corretoras também têm suas metas e objetivos internos e, entre eles, está a preferência por determinados produtos — inclusive em função de comissões geradas com a venda.

Isso pode causar um conflito de interesses entre o que é melhor para você e o que é mais vantajoso para a empresa. Mas com a ajuda de um consultor especializado, você consegue driblar esse fato. Além disso, uma consultoria é capaz de administrar todos os seus ativos com eficiência e, inclusive, ajudá-lo a saber com precisão onde seu dinheiro está aplicado e a entender por que aquela é a melhor opção.

Agora que você já sabe como as corretoras de investimentos funcionam, aproveite o embalo e leia nosso post que compara bancos, corretoras e fintechs, discutindo quem oferece os melhores investimentos.

Mariana Congo é Gerente de Conteúdo da Magnetis e jornalista especializada em finanças pessoais.

Assine a Newsletter Magnetis e saiba tudo sobre finanças pessoais

26