Imposto de Renda 2019: passo a passo para declarar seus investimentos


Em dúvida sobre como declarar seus investimentos no Imposto de Renda? Preparamos um guia completo com os principais tipos de investimentos que precisam ser lançados na declaração do IR 2019. Neste post, você vai ver:

  • como declarar Tesouro Direto no Imposto de Renda;
  • como declarar CDB e outras aplicações de renda fixa no Imposto de Renda;
  • como declarar NuConta no Imposto de Renda;
  • como declarar fundos de investimento no Imposto de Renda;
  • como declarar investimentos em ações e ETFs no Imposto de Renda;
  • como declarar previdência privada no Imposto de Renda;
  • como declarar investimentos em bitcoin no Imposto de Renda;
  • como calcular e preencher a DARF para recolher o Imposto de Renda sobre ações, ETFs e FIIs.

Antes de começarmos, vamos recapitular as principais informações sobre a declaração de Imposto de Renda.

Quem precisa declarar Imposto de Renda?

Precisa declarar Imposto de Renda a pessoa que se encaixa em pelo menos um dos critérios a seguir:

Você deve fazer a declaração de Imposto de Renda 2019 se teve, em 2018:

  • check
    Rendimentos superiores a R$ 28.559,70;
  • check
    Rendimentos isentos de aplicações financeiras acima de R$ 40 mil ou sujeitos à tributação definitiva;
  • check
    Operações realizadas na bolsa de valores;
  • check
    Lucro da venda de bens e direitos;
  • check
    Receita bruta de atividade rural acima de R$ 142.798,50;
  • check
    Propriedades de valor superior a R$ 300 mil.

Veja mais: Quer conferir o passo a passo completo em vídeo para declarar seus investimentos no IR 2019? Inscreva-se para receber o material!

O prazo para a entrega da declaração do Imposto de Renda 2019 vai de 7 de março até 30 de abril. A expectativa é que 30,5 milhões de contribuintes enviem suas declarações. Em 2018, foram entregues 29,7 milhões declarações.

O Imposto de Renda é um tributo que recai sobre o salário, investimentos e bens do brasileiro ou estrangeiro que mora no Brasil.

Quem não fizer a declaração pode ter o CPF cancelado e ficar com restrições de crédito (ter problemas na hora de fazer um financiamento ou até mesmo comprar parcelado).

Além disso, caso você entregue a declaração com atraso, vai doer no bolso. Caso tenha imposto devido, a multa é de 1% ao mês ou fração, e incide sobre o imposto devido, observado o mínimo de R$ 165,74 e máximo de 20% do imposto devido.

Mas qual é a diferença entre imposto devido e imposto a pagar?

O imposto devido é aquele que incide sobre a renda tributável - é o mesmo que o imposto apurado. Já o imposto a pagar representa a diferença entre o imposto apurado e o imposto que já foi pago ou retido na fonte.

Ao terminar sua declaração de Imposto de Renda você pode ter basicamente dois resultados: imposto a pagar ou imposto a restituir. A restituição acontece quando os valores recolhidos na fonte durante o ano são maiores do que o imposto apurado.

Como declarar investimentos no Imposto de Renda

Como declarar investimentos no Imposto de Renda

Uma vez que você se encaixa nos critérios para fazer a declaração de Imposto de Renda, precisa lançar também os seus investimentos no programa da Receita Federal (veja aqui como baixar a versão 2019 do programa).

Na maioria dos casos, os investimentos precisam ser lançados em dois momentos na declaração. Explicamos melhor a seguir:

Bens e Direitos

Na aba Bens e Direitos, você deve lançar o saldo dos seus investimentos, ou seja, o total aplicado no fim do ano-calendário da declaração e a posição no ano anterior. Independente de qualquer situação, todos os seus investimentos devem ser lançados nessa aba.

Cada aplicação tem um código específico, que você deve preencher na opção "Código".  Veja o exemplo:

Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva

Na aba Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva você deve lançar os rendimentos dos seus investimentos em aplicações tributadas, como Tesouro Direto, CDB e fundos de investimento. Nesse caso, os valores devem ser lançados já descontando os impostos e taxas. Veja o exemplo:

Rendimentos Isentos e Não Tributáveis

 Na aba Rendimentos Isentos e Não Tributáveis, você deve lançar rendimentos daqueles seus investimentos em poupança e  em aplicações isentas de Imposto de Renda, como LCI, LCA e debêntures de infraestrutura (incentivadas). Veja o exemplo:

Pagamentos Efetuados 

Na aba Pagamentos Efetuados você deve lançar seus investimentos em PGBL e fundos de pensão (FAPI). Veja o exemplo:

Como declarar FAPI no Imposto de Renda


Mas atenção: você não precisa calcular todos esses valores! Eles já vêm prontos para serem lançados na declaração nos Informes de Rendimentos do seu banco ou corretora. Em caso de dúvida sobre esses números, você deve procurar o estabelecimento responsável pelos seus investimentos. 

Agora, vamos ver mais detalhes de como declarar seus investimentos no Imposto de Renda.

Como declarar Tesouro Direto no Imposto de Renda

O Tesouro Direto é uma plataforma criada pelo governo para vender os títulos da dívida pública federal para as pessoas. Estes investimentos estão sujeitos à chamada tributação definitiva ou na fonte.

Por isso, além do saldo na aba "Bens e Direitos", seus rendimentos devem ser lançados na aba "Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva ou Definitiva". O código para lançar aplicações é o "06 - Rendimentos de aplicações financeiras".

Para ver o passo a passo de como declarar seus investimentos do Tesouro direto no IR, clique aqui.

Como declarar CDB e outras aplicações de renda fixa no Imposto de Renda

As aplicações que um investidor tem em renda fixa devem ser incluídas na Declaração do Imposto de Renda 2019, mesmo as que são isentas de tributos.

A maioria dos investimentos em renda fixa está sujeita à chamada Tributação Exclusiva ou Definitiva. Por isso, seus rendimentos também devem ser lançados sob o código "06 - Rendimentos de aplicações financeiras" na aba "Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva ou Definitiva".

Para ver o passo a passo de como declarar CDB e outras aplicações de renda fixa no IR, clique aqui.

Como declarar NuConta no Imposto de Renda

A NuConta é a conta-corrente digital do Nubank. Trata-se de uma aplicação em títulos públicos, portanto, de renda fixa.

Dessa forma, se você deve declarar Imposto de Renda em 2019, é necessário lançar qualquer saldo maior que R$ 140,00 em 31 de dezembro do ano correspondente ao da declaração.

O saldo deve ser lançado na aba "Bens e Direitos", sob o código "45 - Aplicação de renda fixa". Os rendimentos devem constar na aba "Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva ou Definitiva", no código "06 - Rendimentos de aplicações financeiras".

Para ver o passo a passo de como declarar NuConta no IR, clique aqui.

Como declarar fundos de investimento no Imposto de Renda

Fundo de investimento é um tipo de aplicação financeira que capta recursos de diversos investidores (os cotistas) e aplica esses recursos em diversos ativos. Eles estão sujeitos à chamada Tributação Exclusiva ou Definitiva. 

Para ver o passo a passo de como declarar fundos de investimento no IR, clique aqui. 

Como declarar investimentos em ações, ETFs e fundos imobiliários no Imposto de Renda

As aplicações em ações, ETFs e fundos imobiliários (FIIs) são declaradas de maneira diferente no Imposto de Renda. Como não há desconto de Imposto de Renda na fonte, é responsabilidade da pessoa que investe calcular e recolher o IR.

O saldo dos investimentos nessas aplicações precisa ser lançado na aba "Bens e Direitos",  nos seguintes códigos:

  • ações: código "31 - Ações (inclusive provenientes de linha telefônica)";
  • fundos imobiliários (FIIs): código "73 - Fundo de investimento imobiliário";
  • fundos de ações e ETFs: código "74 - Fundo de ações [...], fundos de investimento em índice de mercado".

Já os rendimentos precisam ser lançados na aba "Renda Variável - Operações Comum/Day-Trade", no caso de ações e ETFs, ou na aba "Renda Variável - Operações de Fundos Imobiliários", no caso dos FIIs. Os rendimentos das operações devem ser lançados mês a mês na declaração.

Para ver o passo a passo de como declarar investimentos em ETF no IR, clique aqui

Como declarar previdência privada no Imposto de Renda

A previdência privada é uma forma de poupar e aplicar seu dinheiro para o longo prazo. Os planos oferecem algumas vantagens quanto ao Imposto de Renda.

  • não têm come-cotas, diferente dos fundos de investimento tradicionais;
  • as aplicações em PGBL podem ser deduzidas na declaração de IR;
  • é possível indicar os herdeiros dos recursos na contratação do plano;
  • o Imposto de Renda pode chegar a 10% após 10 anos de investimento, conforme a tabela a seguir.

Também há dois regimes de tributação: a tabela progressiva ou tabela regressiva de Imposto de Renda. Cada uma tem particularidades na hora de fazer a declaração.

Para ver o passo a passo de como declarar previdência privada no IR, clique aqui.

Como declarar investimentos em bitcoin no Imposto de Renda

Quem fez investimentos em bitcoin ou outras criptomoedas em 2018 também precisa lançar essas informações na declaração do Imposto de Renda 2019. No entanto, há algumas particularidades na declaração desses ativos. Para ver o passo a passo de como declarar investimentos em bitcoin no IR, clique aqui

Como calcular e preencher a DARF para recolher o Imposto de Renda sobre ações, ETFs e FIIs

Quem investe em ações, ETFs e FIIs por conta própria, deve recolher o Imposto de Renda de forma manual. Para ver o passo a passo de como calcular o imposto devido e como preencher e pagar o DARF (Documento de Arrecadação da Receita Federal), clique aqui.

Tirou todas as suas dúvidas? Você pode enviar um comentário para gente!

Para ver mais informações sobre o Imposto de Renda 2019, veja nosso post Imposto de Renda 2019: confira o que mudou na entrega da declaração

Mariana Congo, da Magnetis

Mariana Congo é Gerente de Comunicação da Magnetis e jornalista especializada em finanças pessoais.