Como nós investimos para garantir a educação do nosso filho

por Luciano Tavares

Atualizado em 10/10/16

Meu filho completará 3 anos em breve. 

Ao invés de presenteá-lo com mais um brinquedo, eu e minha esposa resolvemos dar para ele algo que vai ter um impacto significativo e durar para toda a sua vida: criamos uma conta de investimento que garantirá o pagamento da sua educação superior.

O melhor investimento de todos

O avô de um grande amigo era um judeu que chegou ao Brasil fugindo da guerra. Ele era um engenheiro bem sucedido na Alemanha, onde tinha muitos imóveis e bens. Porém, foi perseguido pelo regime nazista e se viu forçado a fugir do país, deixando toda a sua fortuna para trás. Chegou ao Brasil apenas com a roupa do corpo.

Mas o engenheiro também trouxe consigo um grande dote: sua formação acadêmica e sua experiência profissional em construção civil. No Brasil pós-guerra, essa era uma habilidade que estava em grande demanda. Com sua bagagem de conhecimentos e muito trabalho, ele conseguiu reconstruir seu patrimônio no Brasil e viveu o resto dos seus dias com bastante conforto.

Havia uma frase que ele sempre repetia: "Dinheiro vem e vai, mas nossa educação ninguém consegue nos tirar."

Mesmo que nossa história de vida não seja tão dramática como do avô do meu amigo, sabemos da importância de prover uma ótima educação para nossos filhos. Além de ser uma riqueza que dura para sempre, é a educação que garantirá que nossos filhos tenham mais oportunidades em sua vida profissional. Ela abrirá portas e possibitará que eles atinjam todo seu potencial.

Claro que somente a educação não garante o sucesso profissional nem a felicidade dos nossos filhos. Como pais, nós precisamos pensar em uma série de fatores como saúde, segurança, amor, valores, estabilidade emocional, entre outros. Mas certamente uma boa formação colocará nossos filhos em uma situação privilegiada, que aumentará suas chances de realizar seus sonhos e serem felizes.

'Se você acha que educação custa caro, experimente a ignorância'

Um dos maiores desafios de dar boa educação aos nossos filhos é o seu alto custo. As despesas de matrícula e mensalidades de uma universidade nacional de alto nível são elevadas e muitas vezes inacessíveis para a maioria das famílias. Mesmo as boas universidades públicas gratuitas muitas vezes são extremamente competitivas e exigem uma preparação do aluno que também pode não custar pouco.

Apesar de termos consciência que o alto custo de uma educação superior será inevitável quando a idade do vestibular chegar, raramente nos preparamos para esse evento. Pensamos sempre que "vamos dar um jeito". Faremos um sacrifício aqui, cortaremos um custo ali para conseguir bancar essa despesa.

Adotar esse postura pode gerar muito stress ao longo dos anos e colocar em risco o futuro dos nossos filhos. Na realidade, penso que existe uma forma muito mais fácil de se preparar para esse dia. Ela requer apenas um pouco de planejamento prévio, mas traz uma tranquilidade para o resto da vida.

Como investir para a educação do filho

Para garantir os recursos que pagarão a faculdade dos nossos filhos, a solução é simplesmente começar a reservar e investir esse dinheiro agora. A maior vantagem dessa abordagem é que o valor total desembolsado é muito menor pois estaremos usando o poder dos juros compostos ao nosso favor. Ao aplicar esse dinheiro hoje, esse investimento terá rendimentos que pagarão a maior parte das despesas futuras.

Como minha esposa e eu fizemos isso para o nosso filho?

O primeiro passo foi calcular quanto vamos precisar gastar quando nosso filho estiver na idade de entrar na universidade. O valor da mensalidade depende muito do curso escolhido, mas estimamos que o custo em uma boa universidade fique hoje em torno de R$ 4.000. Como não sabemos qual curso ele vai escolher, assumimos 5 anos de estudos e chegamos a um total de R$ 240 mil que precisaremos desembolsar.

Nosso filho tem hoje 3 anos, portanto esse desembolso se dará daqui a 15 anos aproximadamente. É prudente assumir também que esse valor vai subir ao longo do tempo devido ao efeito da inflação. Portanto, devemos calcular quanto será esse valor no futuro.

Para realizar o cálculo, utilizamos a projeção do IPCA para os próximos 15 anos, que seria atualmente 5,5% em média. Considerando essa taxa projetada, os R$ 240.000 hoje seriam equivalentes a R$ 535.794 daqui a 15 anos. Esse, portanto, será o valor nominal que precisaremos dispor na data futura.

Mas quanto precisamos investir hoje para obter esse valor daqui a 15 anos?

Para isso utilizamos a ferramenta de simulação da Magnetis, onde podemos facilmente verificar essa projeção. Usamos como objetivo o valor de R$ 535.794 e 15 anos de prazo. Ignoramos por enquanto a possibilidade de aportes adicionais, mantendo-o igual a zero.

Como investir para custear a educação dos filhos

O resultado foi uma aplicação inicial no valor aproximado de R$ 60 mil. Ou seja, se investirmos hoje R$ 60 mil e não adicionarmos mais nenhum centavo, o cenário mais provável é que daqui a 15 anos nosso filho terá R$ 535.794 que serão suficientes para pagar sua universidade.

Vale observar que R$ 60 mil é menos de 25% do valor que gastaríamos hoje com sua universidade (R$ 240 mil). Essa enorme diferença é inteiramente bancada pelos rendimentos dos investimentos. É o poder dos juros compostos em ação.

Uma observação sobre risco

Para chegar nesse resultado, utilizamos na simulação a carteira de risco 5, a mais arrojada recomendada pela Magnetis. Por que? Essa é a carteira que no longo prazo maximiza o valor futuro esperado do investimento. Isso pode não ser adequado para o perfil de risco de nós, pais, mas para uma criança de 3 anos que terá 15 anos de investimentos pela frente, faz sentido. Os anos ruins serão muito provavelmente compensados por anos muito bons.

Como é uma carteira de risco, o resultado real daqui a 15 anos poderá ser acima ou abaixo do esperado hoje. A ferramenta de simulação já calcula e apresenta esses diversos cenários. No nosso caso, a ferramenta calcula que existe uma chance de 80% do valor final ser pelo menos R$ 373.214.

Se você não está confortável em utilizar uma carteira de maior risco, basta selecionar uma carteira mais conservadora. O importante é que o resultado desejado seja coerente com o investimento que você vai fazer hoje.

Você pode estar pensando "Mas eu não tenho esse montante para investir agora! Meu filho ficará sem educação?"

Não! Basta refazer os cálculos, pensando num investimento inicial menor e adicionando mais recursos ao longo dos anos. Por exemplo, começando com um investimento inicial de R$ 15 mil e adicionando R$ 600 todo mês, chegamos no valor final de R$ 535 mil. Apesar do investimento inicial menor, o resultado final é exatamente o mesmo.

Como investir para custear a educação dos filhos

Ajuste a ferramenta de forma que ela represente a sua realidade: quantos anos faltam para seus filhos entrarem na universidade? Qual o valor que você planeja gastar com a educação deles? Quanto você dispõe hoje para investir?

Como colocar o plano em ação?

Agora que chegamos num plano realista, o que nós fizemos para colocá-lo em prática?

Obter um CPF

O primeiro passo foi criar um CPF para nosso filho. É possível fazer isso em várias entidades públicas conveniadas ou até mesmo nas agências do Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal ou Correios. Basta levar o documento de identificação do menor (certidão de nascimento) e do pai responsável.

Veja mais detalhes no site da Receita Federal.

Abrir uma conta bancária

Com o número do CPF em mãos, o segundo passo foi abrir uma conta bancária para nosso filho. Ela é necessária para poder transferir o dinheiro para a conta da corretora onde os investimentos serão realizados. As corretoras não aceitam transferências de contas de terceiros, portanto a conta de origem deve estar em nome da criança (ou ser conjunta com um dos pais).

A maneira mais fácil que encontramos foi abrir uma conjunta no banco onde já tenho conta. Se você já é correntista, a abertura de uma nova conta conjunta é normalmente bem fácil.

Mas atenção! É preciso ter cuidado para não pagar despesas bancárias adicionais desnecessárias. Essa conta provavelmente ficará parada por um bom tempo e os bancos costumam cobrar tarifas mensais.

Procure um plano que cobre a menor tarifa possível. Se você é isento de tarifas na sua conta pessoal, procure incluir essa nova conta dentro do seu plano. Outra boa opção pode ser as contas online que alguns bancos estão oferecendo. O processo é todo feito pela internet e os custos são bastante reduzidos.

Fazer um cadastro na Magnetis

O terceiro passo foi fazer um cadastro na Magnetis e abrir uma conta de investimentos na corretora. O processo é bem simples e realizado todo online. Preenchemos alguns questionários e o sistema cuidou do envio das informações para a corretora integrada.

Envie os seus documentos online.

Um detalhe importante foi utilizar os dados da criança durante o processo de abertura. Na tela de documentos, foi necessário enviar os seguintes documentos:

  • Documento de identificação do Representante Legal;

  • Documento de identificação do menor;

  • CPF do menor;

  • Comprovante de endereço do Representante Legal.

No nosso caso, o processo inteiro durou em torno de 15 minutos. Porém, em algumas situações, o processo de aprovação de conta pode durar até 48 horas.

Investir e esperar

Uma vez aprovada a abertura de conta, nós transferimos os recursos da conta bancária do nosso filho e posteriormente para a sua conta na corretora. Através da Magnetis, já autorizamos a aplicação dos recursos e, pronto!

Agora é só monitorar a evolução do patrimônio através da plataforma. No período de 15 anos, os rebalanceamentos necessários serão feitos automaticamente.

Dicas adicionais

Para garantir que o nosso filho fosse verdadeiramente dono dos seus investimentos, queríamos deixar tudo em seu nome. Porém, a origem dos recursos era a minha renda pessoal.

Para deixar o processo todo regular perante à Receita Federal, será necessário registrar essa transferência como uma doação para meu filho na minha declaração de Imposto de Renda. Vale notar que sobre as doações normalmente incidem imposto de transmissão estadual (ITCMD), cuja alíquota varia por estado. Em São Paulo, as doações são tributadas em 4% do valor.

A boa notícia é que, em alguns estados, doações abaixo de um determinado valor são isentas. No Estado de São Paulo, por exemplo, esse limite é de 2.500 UFESPs, que equivale em 2016 a R$ 58.875. Ou seja, posso fazer uma doação até esse valor sem pagar impostos estaduais de transmissão. (Veja mais detalhes aqui.)

Se o seu Estado não oferece isenção ou se o valor da doação for superior ao limite, talvez não valha a pena fazer a doação para a criança. Uma alternativa é simplesmente manter a conta de investimento no seu próprio nome até a data de utilização.

Um futuro melhor para nossos filhos

Todos os pais sonham em dar um futuro melhor para seus filhos. Minha esposa e eu sentimos que demos um passo significativo para garantir uma educação superior de qualidade ao nosso filho. Temos a tranquilidade que independente da nossa situação daqui a 15 anos, nosso filho terá recursos que poderão ser usados para garantir sua educação.

Agora caberá a ele estudar e passar no exame!

Se você se interessou em fazer algo semelhante para seus filhos, aqui na Magnetis nós teremos o maior prazer em ajudar.

Luciano

Luciano Tavares é pai coruja e fundador da Magnetis. Ele é administrador de carteiras credenciado pela CVM e planejador financeiro CFP ®, com mais de 20 anos de experiência no mercado financeiro.

Como nós investimos para garantir a educação do nosso filho
Avaliar o post