Tire suas dúvidas sobre consórcio: 7 principais perguntas e respostas

por Luiza Caricati | 23/08/2019

Tire suas dúvidas sobre consórcio: 7 principais perguntas e respostas

Você já deve ter ouvido falar, conhecido alguém que já participou ou mesmo participado de um consórcio. Mas será que essa é uma forma inteligente de alcançar seus objetivos financeiros?

Essa forma de compra programada tem como função permitir a aquisição de bens de valor normalmente mais elevados, como imóveis e veículos.

Um consórcio dá andamento partir da formação de um grupo de pessoas que faz o pagamento de parcelas mensais.

Entretanto, embora bastante populares, ainda existem muitas dúvidas a respeito dos consórcios: sobre como eles funcionam, quais são as taxas cobradas e se eles são ou não uma boa opção de negócio.

Se você quer saber mais sobre o assunto, prossiga a leitura deste conteúdo, que esclarece esses e outros pontos. Boa leitura!

1. O que é um consórcio?

Um consórcio se forma por um grupo de interessados em adquirir um bem em comum. Nesse caso, as pessoas se reúnem para facilitar a administração dos recursos financeiros necessários para tal.

Entre os produtos normalmente adquiridos em um consórcio estão automóveis (novos e seminovos), veículos de grande porte (como caminhões e tratores), motocicletas, casas, apartamentos e até mesmo embarcações.

Mais recentemente, surgiram os consórcios de serviços, que permitem a contratação de pacotes de viagens, cirurgias, tratamentos estéticos ou odontológicos e festas, como formaturas e casamentos.

2. Como funciona um consórcio?

A partir do momento em que um número suficiente de pessoas se reúne na formação de um grupo, que fica sob responsabilidade de uma empresa administradora, as parcelas começam a ser pagas.

Periodicamente acontecem as assembleias, nas quais são resolvidas questões administrativas do consórcio e realizados os sorteios.

Os contemplados são definidos por meio do sorteio. Esses têm acesso à carta de crédito, o que permite a compra do bem desejado. Até o fim do período estipulado, todos os participantes que estiverem com as parcelas em dia são contemplados.

Abaixo explicamos melhor alguns termos que ajudam a entender como os consórcios funcionam:

Parcela

Valor pago mensalmente por cada um dos membros do grupo do consórcio. Tem como intuito a formação do montante que permitirá a compra dos bens desejados.

Além desse valor, são incluídos nas parcelas algumas taxas e um seguro, caso ele esteja estipulado no contrato com a administradora.

Sorteio

Processo que acontece durante a assembleia e define quem serão os contemplados. Todos os consorciados com as parcelas em dia participam do sorteio, que pode contemplar uma ou mais pessoas de uma vez.

Não é raro que sejam utilizados os números da Loteria Federal para apurar os sorteados, ainda que algumas administradoras utilizem métodos próprios.

Carta de crédito

Ao ser contemplado, o consorciado não recebe o dinheiro para a compra do bem de forma direta. A ele é entregue a chamada carta de crédito, instrumento financeiro que permite a aquisição.

curso de investimento

Com isso, após escolher as especificações daquilo que comprará, a responsabilidade pelo pagamento fica com a administradora.

Lance

Espécie de adiantamento do pagamento das parcelas. Esse recurso permite ao consorciado não depender apenas da sorte para ser contemplado. Com isso, é possível ter acesso antecipado à carta de crédito.

Taxa de administração

Valor incluído no consórcio e diluído nas parcelas que remunera o serviço da administradora. O percentual varia de acordo com a empresa, o que faz desse um importante ponto de comparação antes de fechar a contratação.

3. Quais são os principais tipos de consórcios?

Podemos dividir os consórcios em dois grandes grupos: os para compra de bens e os para a contratação de um serviço.

O primeiro grupo permite a compra de veículos e imóveis, por exemplo, enquanto o segundo pode ser empregado para o pagamento de procedimentos cirúrgicos, tratamentos estéticos ou festas.

O consorciado não precisa comprar exatamente o produto especificado no início do consórcio. Na prática, ele pode adquirir qualquer bem, desde que respeitada a categoria do grupo e o valor da carta de crédito.

Assim, quem participa de um consórcio de automóveis pode comprar um veículo de qualquer cor ou modelo.

4. São cobrados juros em um consórcio?

Diferentemente dos financiamentos, não são cobrados juros em um consórcio. Mas, como mencionamos acima, são acrescidos nas parcelas os valores referentes à taxa de administração.

Além disso, pode ser necessário ter que arcar com uma taxa de adesão, cobrada no momento da contratação. Também há a taxa de formação de um fundo de reserva para suprir eventuais imprevistos durante o período do consórcio.

5. As parcelas têm valores fixos?

Ainda que não tenha juros, as parcelas de um consórcio podem sofrer reajustes. E isso acontece por causa da inflação.

Como essa forma de aquisição de bens costuma demorar bastante tempo, é necessário que sejam feitos acréscimos no valor do crédito a ser recebido na contemplação, para que ele seja capaz de adquirir o bem previsto.

Assim, todos os contemplados recebem cartas de crédito com o mesmo poder de compras, sejam eles contemplados no começo ou no fim. O índice adotado para esse reajuste varia de acordo com o tipo de consórcio.

Consórcios de imóveis costumam usar o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), enquanto os de veículos seguem valores de acordo com a Tabela FIPE. Bem comum também, em ambos os casos, é a adoção do Índice Geral de Preços do Mercado, o IGPM.

6. Qual o prazo para aquisição do bem após a contemplação?

Depois de ser contemplado e receber a carta de crédito, o consorciado não tem prazo para concluir a aquisição do bem. Porém, é necessário ter em mente que, se os preços subirem, ele precisará completar a diferença com recursos do próprio bolso.

7. Por que um consórcio não é um tipo de investimento?

Os consórcios não podem ser considerados um tipo de investimento. Mesmo que não cobrem juros, eles têm outros custos, que elevam o preço a ser pago pelo bem e não trazem nenhum rendimento.

Levando em conta ainda que os consórcios não garantem acesso imediato ao bem, já que é preciso esperar pela contemplação, pode valer mais a pena investir o dinheiro destinado ao pagamento das parcelas!

Além de receber os rendimentos ao longo do período do investimento, essa possibilidade dá a chance de negociar descontos na hora do pagamento à vista.

Agora que você já sabe como funciona um consórcio, conheça mais sobre aplicações financeiras! Baixe nosso guia completo sobre tipos de investimento e veja tudo o que você precisa saber para escolher onde colocar seu dinheiro.

Tire suas dúvidas sobre consórcio: 7 principais perguntas e respostas
5 (100%) 3 vote[s]