X
Magnetis Week

a black friday da

Magnetis Logo
Invista agora
a evolução na edução financeira, conheça a Magnetis.

Conta-corrente: quais são os melhores bancos para abrir conta? Descubra aqui!

A conta-corrente faz parte da vida de qualquer pessoa que tenha que lidar com os instituições bancárias — quem ganha salário, tem uma empresa ou precisa movimentar dinheiro com frequência.

Porém, mesmo quem já está acostumado com o dia a dia das transações bancárias ainda fica com dúvidas: afinal, qual será o melhor banco para abrir uma conta-corrente? Será que as taxas cobradas são justas? Existem boas alternativas?

A partir de agora, você vai entender essas e outras questões relevantes sobre o assunto. Por isso, prepare-se para conhecer novas possibilidades de cuidar melhor das suas finanças pessoais. Aproveite a leitura deste guia completo sobre conta-corrente!

O que é uma conta-corrente?

A conta-corrente é um tipo de conta bancária que permite ao correntista ter acesso rápido e fácil ao dinheiro ali aplicado. É o modelo de conta mais tradicional, utilizado por milhões de brasileiros.

Geralmente, ela é usada para recebimento de salários, pagamento de contas, realização de transferências, entre outras transações.

Diferentemente de outros tipos de contas bancárias — como a conta poupança —, a conta-corrente permite retiradas e depósitos ilimitados. Isso a torna uma excelente opção a quem deseja movimentar seus recursos sem muita burocracia.

Além disso, algumas instituições não cobram tarifas dos clientes que optam por esse tipo de conta. Logo, esse pode ser um atrativo para alguns perfis específicos de correntistas.

desafio 52 semanas

Quais são os tipos de conta-corrente existentes?

Basicamente, as contas-correntes são divididas em dois tipos: contas gratuitas e contas com mensalidade.

O Banco Central obriga todas as instituições bancárias a oferecerem pelo menos um serviço de conta sem tarifas. As contas-correntes gratuitas geralmente têm serviços mínimos que incluem, entre outros:

  • duas transferências bancárias entre contas da instituição;
  • cartão de débito;
  • até quatro saques por mês.

Todavia, cada banco pode oferecer outros serviços diferenciados, inclusive, que vão além do mínimo exigido pelo BC. Por isso, antes de abrir uma conta-corrente é fundamental avaliar os serviços e benefícios oferecidos em cada instituição bancária.

A conta com mensalidade normalmente oferece mais benefícios que uma conta-corrente padrão. As vantagens são liberadas com o pagamento do pacote de serviços, popularmente chamado de taxa de manutenção.

Aqui, esses serviços extras também vão variar de um banco para o outro. Podem ser incluídos, por exemplo:

  • cheque especial sem juros;
  • descontos em produtos financeiros;
  • programas de pontuação.

Por que abrir uma conta-corrente?

A conta-corrente é uma das estruturas mais básicas do mercado financeiro. Uma de suas principais finalidades é enviar e receber dinheiro. Outras funções são:

  • depósito e saque;
  • pagamento de conta;
  • fornecimento de cheque;
  • compra com cartão;
  • acesso à linha de crédito;
  • investimentos (integração com a conta poupança).

Há também outras funcionalidades complementares:

  • pagamento de impostos;
  • acesso a seguros e consórcio;
  • compra de moeda estrangeira (câmbio).

Quais são os documentos necessários ao abrir a conta-corrente?

Segundo o Banco Central, todos os bancos devem solicitar alguns dados de quem deseja abrir uma conta. No caso de conta-corrente pessoal, são:

  • nome completo sem abreviações;
  • nome completo dos pais;
  • nacionalidade, data e local do nascimento;
  • sexo;
  • estado civil;
  • nome completo do cônjuge (em caso de pessoa casada);
  • profissão;
  • RG e CPF.

Se a abertura for de conta-corrente empresarial (pessoa jurídica), serão necessários:

  • razão social;
  • atividade principal;
  • forma e data de constituição da empresa;
  • documentos que comprovem os dados cadastrais da empresa;
  • documentos que identifiquem os seus representantes;
  • número do CNPJ.

Quanto custa abrir uma conta no banco?

Os bancos não costumam cobrar pela abertura de contas. O mais comum, no entanto, é a cobrança de uma tarifa mensal pelo serviço. Ela é chamada de pacote de serviços, antigamente conhecida como tarifa de manutenção.

Esse custo engloba um número limitado de operações gratuitas, como é o caso do direito a quatro saques, duas transferências e dois extratos por mês.

Veja na tabela a seguir as tarifas cobradas pelos principais bancos segundo o site do Banco Central:

InstituiçãoPacote de serviçosCusto da TEDAnuidade cartão de créditoInteração
Banco do BrasilDe R$ 13,25 a R$ 43,75R$ 10,45R$ 0,60agências físicas, caixas eletrônicos e internet banking
BradescoDe R$ 12,95 a R$ 43,70R$ 10,45R$ 62agências físicas, caixas eletrônicos e internet banking
Caixa Econômica Federal De R$ 12,40 a R$ 37,80R$ 10R$ 63agências físicas, caixas eletrônicos e internet banking
Interzerozerozero100% digital, depósito por boleto e saques na Rede 24 Horas
ItaúDe R$ 13,10 a R$ 44R$ 10,50não informaagências físicas, caixas eletrônicos e internet banking
NeonzeroR$ 3,50zero100% digital, depósito por boleto e saques na Rede 24 Horas
Nubankzerozerozero100% digital, depósito por boleto e saques na Rede 24 Horas
OriginalDe R$ 13 a R$ 45R$ 8,90R$ 200100% digital, depósito por boleto e saques na Rede 24 Horas
Santander De R$ 13,20 a R$ 42R$ 10,30R$ 78agências físicas, caixas eletrônicos e internet banking

Além das contas regulares, todos os bancos também devem oferecer uma alternativa chamada de conta de serviços essenciais. Essa conta é 100% gratuita e dá direito a um número limitado de operações, que são:

  • fornecimento de cartão de débito;
  • 4 saques por mês no caixa eletrônico ou no guichê do banco;
  • 2 transferências entre contas da mesma instituição por mês;
  • 2 extratos por mês;
  • 1 talão de cheques com 10 folhas por mês.

Só lembrando que nenhum banco pode cobrar tarifa de manutenção em conta poupança. O que acontece muitas vezes é que essas instituições não permitem a abertura de uma poupança sem uma conta-corrente vinculada.

De acordo com a regulamentação do setor, os bancos podem se recusar a abrir contas ou mesmo fechar as que já existem alegando falta de interesse comercial.

No entanto, se isso causou algum prejuízo ao correntista, vale a pena procurar os serviços de defesa do consumidor para entender o que pode ser feito.

Qual é o melhor banco para abrir conta?

Há dois fatores que pesam na hora de escolher o melhor banco para abrir conta-corrente: a comodidade e as tarifas.

Quer ver um exemplo clássico? Ainda hoje é muito comum que bancos façam parcerias com empresas para oferecer conta-corrente gratuita aos seus colaboradores.

Assim, se você começa a trabalhar na empresa X, ela pede que você abra uma conta no banco Y para receber o seu salário.

Em troca, o banco oferece isenção de algumas tarifas — e tenta empurrar alguns produtos financeiros também.

Quando você muda de empresa, o que faz? Fecha essa conta-corrente imediatamente? Se sim, você faz parte de uma minoria.

Se não, saiba que o banco vai passar a cobrar tarifas regulares assim que o seu vínculo com a antiga empresa expirar.

Aliás, é assim que muitas pessoas acabam perdendo dinheiro com tarifas bancárias. Por isso, fique de olho!

Mas você pode e deve usar essa busca pela comodidade a seu favor. Hoje em dia, os bancos digitais já permitem resolver tudo pelo celular ou computador, sem a necessidade de ir a uma agência bancária.

Cabe a você decidir se essa é a interação que mais faz sentido às suas necessidades.

Conta-corrente ou poupança: o que vale mais a pena?

A principal diferença entre a conta-corrente e a conta poupança é o rendimento dos valores depositados nelas.

Via de regra, o dinheiro não tem nenhum rendimento em uma conta-corrente tradicional. Ele apenas fica disponível para ser usado a qualquer momento.

Por outro lado, o dinheiro depositado na caderneta de poupança rende, mas muito pouco.

O rendimento da poupança hoje está em 70% da Selic, a taxa básica de juros da economia brasileira. Além disso, ele só incide uma vez por mês sobre cada quantia depositada.

Você pode até pensar o seguinte: se a conta poupança não tem tarifas e dá um pequeno rendimento, então, vale mais a pena deixar o dinheiro lá.

Só que, na prática, a conta poupança tem várias limitações. As principais são:

  • não é possível receber salário na conta poupança;
  • não é possível ter cartão de crédito ligado à conta poupança.

Uma alternativa que está ficando mais famosa é a conta de pagamento. Ela é oferecida por instituições financeiras que ainda não são consideradas bancos.

As contas de pagamento podem oferecer serviços como cartão de débito e crédito, empréstimos e depósitos remunerados.

O rendimento dessas contas é definido pelas próprias instituições, mas todas elas oferecem remuneração de 100% do CDI nos depósitos.

Hoje, as principais contas de pagamento no mercado são:

  • NuConta, a conta digital do Nubank;
  • PagBank, a conta digital da PagSeguro;
  • Mercado Pago, a carteira digital do Mercado Livre;
  • PicPay, a carteira digital da holding J&F, controladora do grupo JBS.

Como funciona o cheque especial em uma conta-corrente?

O cheque especial é um produto de crédito oferecido pelas instituições bancárias. Trata-se de um empréstimo pré-aprovado ao cliente que mantém uma conta-corrente junto ao banco.

O fato de ser pré-aprovado significa que o cliente não precisa fazer uma solicitação de empréstimo formal para ter acesso ao valor.

Assim, se o correntista movimenta a conta sem ter os recursos financeiros, automaticamente, ele utiliza o valor do cheque especial. Por isso, quando o cliente está com o saldo negativo, significa que ele usou os recursos desse empréstimo.

O valor disponível para movimentação no cheque especial vai depender de cada instituição e da própria análise do perfil de cliente. Alguns correntistas têm à disposição valores mais altos, enquanto outros têm um limite menor.

É importante saber que, assim como qualquer outro produto de crédito oferecido por instituições bancárias, no cheque especial incide a cobrança de juros sobre o valor que será utilizado.

É possível fazer uma conta-corrente render?

De forma geral, as contas-correntes não costumam ter rendimentos. Ou seja, elas não pagam juros aos seus clientes, como acontece em contas de poupança e outros modelos de aplicação financeira.

Entretanto, essa é uma regra aberta a exceções. Isso porque algumas instituições, como as fintechs, oferecem aos seus clientes modelos de conta-corrente com rentabilidade.

Para saber mais sobre o assunto é necessário fazer uma pesquisa de mercado e avaliar as opções disponíveis de acordo com o seu perfil.

Contudo, é importante destacar que a conta-corrente foi criada para que os clientes movimentem o dinheiro, realizando compras e pagando boletos e faturas.

Dessa forma, se o seu objetivo é fazer o dinheiro render, a melhor alternativa é buscar outras opções de produtos financeiros. As mais indicadas são aqueles que oferecem uma rentabilidade adequada e que estejam alinhadas com os seus objetivos pessoais.

Vale a pena deixar o dinheiro parado na conta-corrente?

Essa é uma dúvida muito comum, especialmente após o surgimento de fintechs que oferecem contas-correntes que rendem.

Muito embora algumas empresas ofereçam essa rentabilidade, geralmente, os rendimentos são baixos. Por isso, para quem quer melhores resultados, o mais indicado é diversificar, aplicando os recursos em outros produtos financeiros.

Vale destacar que uma estratégia de formatação de uma carteira de investimentos deve levar em consideração critérios como:

  • perfil da pessoa que investe;
  • objetivos a serem alcançados;
  • recursos disponíveis;
  • oportunidades de mercado.

Como cancelar uma conta-corrente?

Para cancelar uma conta-corrente é necessário zerar todas as pendências com tarifas, ainda que elas sejam só de manutenção. Também é preciso sacar ou transferir todo o dinheiro depositado na conta.

Depois disso, basta entrar em contato com a agência na qual a conta foi aberta e pedir o seu cancelamento.

Os bancos costumam dar um prazo de 30 dias para efetivar o cancelamento após a solicitação. Esse é um prazo de segurança que garante que o saldo estará zerado na data do encerramento da conta.

Aqui vai uma dica importante a quem está com dificuldade de cancelar a sua conta: mantenha um registro escrito da sua solicitação e controle o cancelamento da conta-corrente.

Infelizmente, ainda é comum encontrar pessoas que têm contas ativas em instituições bancárias e sequer têm conhecimento dessa situação.

Qual é a melhor conta-corrente para MEI e PJ?

Se você tem o seu próprio negócio, sabe que ter uma conta bancária separada é essencial a fim de manter a organização financeira.

Do ponto de vista operacional, não há diferença entre conta para Pessoa Física e conta para Pessoa Jurídica.

Porém, é importante saber que uma conta de Pessoa Jurídica em uma instituição bancária tradicional geralmente tem um custo cinco vezes maior do que ter uma conta de Pessoa Física.

A seguir, apresentamos uma lista com as tarifas cobradas pelos principais bancos nessa modalidade, segundo o site do Banco Central.

InstituiçãoManutenção da contaCusto da TEDInteração
Banco do BrasilR$ 54,95R$ 21,95agências físicas, caixas eletrônicos e internet banking
BradescoR$ 54,95R$ 21,95agências físicas, caixas eletrônicos e internet banking
Caixa Econômica Federal R$ 42R$ 17,50agências físicas, caixas eletrônicos e internet banking
Interzerozero100% digital, depósito por boleto e saques na Rede 24 Horas
ItaúR$ 55R$ 19,55agências físicas, caixas eletrônicos e internet banking
NeonzeroR$ 3,50100% digital, depósito por boleto e saques na Rede 24 Horas
OriginalR$ 5R$ 15100% digital, depósito por boleto e saques na Rede 24 Horas
Santander R$ 51,90R$ 18,80agências físicas, caixas eletrônicos e internet banking

Como você pode ver, a conta-corrente é uma aliada no dia a dia de Pessoas Físicas e Jurídicas. O modelo é dinâmico e permite a realização de operações bancárias com agilidade e segurança.

A escolha da melhor conta bancária, no entanto, depende do que funciona melhor para você. Dependendo do seu perfil, é possível encontrar condições mais vantajosas em algumas instituições.

Além disso, as fintechs entraram no mercado para oferecer novos modelos de serviços. Eles são menos burocráticos e com alguns diferenciais se comparados às instituições financeiras tradicionais.

De modo geral, é sempre bom pesquisar sobre os possíveis custos e evitar o desperdício de dinheiro com tarifas bancárias. Além do mais, se você quer aplicar o seu dinheiro, a conta-corrente não é o melhor modelo de serviço.

O mercado oferece inúmeros produtos financeiros que podem ser considerados na sua estratégia de composição da carteira de investimentos. Pesquise sobre o assunto, entenda quais são os seus objetivos, descubra o seu perfil e considere sempre a diversificação.

Conhecer todos estes conceitos e entender quais são as melhores alternativas de acordo com as suas necessidades é essencial. E agora que você sabe melhor como funciona uma conta-corrente, que tal conhecer a nossa Biblioteca de Finanças e Investimentos? Confira nosso e-book sobre os melhores livros do assunto e aprofunde o seu conhecimento em temas relevantes do mercado financeiro!

Aplicativo Magnetis
Malena Oliveira

Especialista em Finanças Pessoais e membro do Grupo Consultivo de Educação Financeira da Anbima.

leia mais desse autor