Sufocado pelas contas do início do ano? Veja dicas simples para controlar seu orçamento

por Malena Oliveira

Boletos! Boletos! Boletos! Entra ano e sai ano e a novela se repete. Como se já não bastassem as despesas com as comemorações de fim de ano, o dinheiro ainda precisa ser suficiente para pagar IPVA, IPTU, despesas escolares e outras tantas obrigações.

Além disso, cada cidade estabeleceu as suas próprias regras para o recolhimento de impostos. Ou seja: dependendo do local onde você vive, as datas podem variar.

Para você ter uma ideia, listamos aqui as datas do vencimento do IPTU em três das principais cidades brasileiras em 2018. São elas:

São Paulo

Rio de Janeiro

Belo Horizonte

1ª parcela ou à vista

9 ou 14/2/2018*

7 ou 8/2/2018**

15/2/2018

2ª parcela

9 ou 14/3/2018

7 ou 8/3/2018

15/3/2018

3ª parcela

9 ou 14/4/2018

6 ou 9/4/2018

15/4/2018

4ª parcela

9 ou 14/5/2018

8 ou 9/5/2018

15/5/2018

5ª parcela

9 ou 14/6/2018

7 ou 8/6/2018

15/6/2018

6ª parcela

9 ou 14/7/2018

6 ou 9/7/2018

15/7/2018

7ª parcela

9 ou 14/8/2018

7 ou 8/8/2018

15/8/2018

8ª parcela

9 ou 14/9/2018

10 ou 11/9/2018

15/9/2018

9ª parcela

9 ou 14/10/2018

5 ou 8/10/2018

15/10/2018

10ª parcela

9 ou 14/11/2018

8 ou 9/11/2018

15/11/2018

11ª parcela

Não há

Não há

15/12/2018

*As datas são para quem não escolheu previamente o dia do pagamento;
** A primeira data é para os imóveis cujo número de inscrição tem final entre 0 a 5; a segunda, para final 6 a 9.

Se você está suando para equilibrar tudo isso no seu orçamento, aqui vão algumas dicas para ajudar a lidar melhor com essas obrigações:

1 - Organize-se

O primeiro passo para conseguir equilibrar o orçamento é ter uma visão completa de todos os seus rendimentos e todas as suas contas a pagar. Até aquele dinheiro para o cafezinho precisa ser levado em conta, pois mesmo pequenos gastos podem virar uma bola de neve se não forem bem administrados.

Para isso, use as ferramentas com as quais você se adapta melhor: pode ser um aplicativo para celular, uma planilha de Excel ou mesmo papel e caneta. O importante é você encontrar uma maneira de enxergar seu fluxo de caixa e saber quais as causas de um possível desequilíbrio financeiro.

Para ajudar você nessa escolha, fizemos uma compilação das 5 melhores ferramentas de controle financeiro disponíveis gratuitamente para quem quer organizar as contas.

2 - Faça um planejamento anual

Cada dia tem o seu desafio e isso não é diferente em suas finanças pessoais. No entanto, é possível prever algumas situações e se preparar para elas, de maneira a ter uma folga nas contas e até investir.

Assim, busque prever como será o filme da sua relação com o dinheiro este ano. Pense em suas atividades em cada mês do ano e imagine os gastos potenciais que cada uma demanda.;

Contas como IPTU e IPVA são um exemplo. Elas acontecem todo ano, mas mesmo assim chega janeiro e para muita gente elas aparecem como uma surpresa no orçamento. Se esse é o seu caso, é importante mudar essa visão.

IPVA e IPTU são gastos recorrentes e você pode se planejar por meio de uma visão anual do orçamento. Seguro do carro e matrícula escolar são outros exemplos dessa categoria

Outro exemplo: se você pretende viajar nas férias e nos feriados prolongados, comece a reservar desde já as quantias necessárias para realizar seus planos com conforto, ainda que seja uma viagem curta. A falta de planejamento pode deixar o passeio bem mais caro.

3 - Pague à vista, mas também considere parcelar

Em São Paulo, o desconto para o pagamento à vista do IPVA e do IPTU é de 3% para ambos impostos.

Já o pagamento parcelado pode ser feito em três parcelas iguais, no caso do IPVA, ou em 10 parcelas iguais, no caso do IPTU.

Aí vem a dúvida: se eu tenho o dinheiro na mão, vale a pena pagar à vista e aproveitar o desconto? A resposta: desde que o desconto seja superior ao rendimento que você teria se investisse esse dinheiro, sim, vale a pena!

Vamos a um exemplo:

Pagamento à vista, com desconto de 3%: R$ 1.455;

Pagamento parcelado: 10 vezes de R$ 150, totalizando R$ 1.500;

- O pagamento parcelado equivale a "juros embutidos" de 0,68% ao mês em comparação com o à vista;

- Assim, só valeria a pena pagar parcelado se você pudesse investir os R$ 1.455 em um aplicação que rendesse mais de 0,68% ao mês;

- Para se ter ideia, atualmente a poupança está rendendo cerca de 0,4% ao mês e o CDI, 0,5% ao mês, segundo a Calculadora do Cidadão do Banco Central;

- Trocando em miúdos, valeria a pena pagar a vista e aproveitar o desconto.

Para quem tem o orçamento mensal muito restrito, parcelar geralmente é a melhor opção. Mas antes de optar pelo parcelamento, avalie se é possível cortar alguma despesa do orçamento com o objetivo de economizar dinheiro para pagar o imposto à vista.

Se não for possível cortar nenhum gasto, o parcelamento é uma alternativa viável para equilibrar essas despesas ao longo dos meses.

Outra situação é a de quem cogita sacar parte de seus investimentos para pagar essas contas. Nesse caso, o parcelamento pode valer mais a pena do que resgatar seus investimentos, pois liquidar aplicações financeiras geralmente implica em impostos e outros encargos.

Além de reduzir o montante investido, resgatar investimentos para pagar contas também é um sinal de que a reserva de emergência não está em dia, pois ela serve justamente para evitar essas situações.

4 - Empréstimo? Só em último caso

Aquela taxa que o gerente do banco ofereceu parece interessante e os pagamentos serão descontados direto de seu salário? Pense bem.

Fazer um empréstimo para pagar as contas acende uma luz amarela sobre sua saúde financeira. Afinal, se sua renda não é suficiente para bancar todos os seus gastos, algo precisa ser ajustado.

Se você se identifica com essa situação, revise todos os seus rendimentos e os seus gastos nos mínimos detalhes. Corte o supérfluo e dê prioridade a despesas fundamentais. O ideal é sanar o problema antes que ele transforme em algo que você não pode controlar.

Porém, se você já extrapolou esse limite, priorize o pagamento de suas dívidas. Observe as taxas de juros e busque sempre renegociar seus débitos. E cuidado com prazos mais longos para pagamento! Eles podem esconder encargos maiores.

5 - Tenha objetivos de longo prazo

Tente refletir sobre como será a sua situação financeira ao final deste ano e dos próximos. Busque fazer escolhas hoje que tornem essa situação possível.

Parece algo distante, mas quanto mais disciplina você tiver para administrar suas contas, mais fácil será alcançar seus objetivos e sua vida financeira tende a ser mais tranquila.

Assim, escolha grandes alvos e dê prioridade a eles desde já. Em alguns momentos, será preciso fazer escolhas entre dois objetivos importantes, mas mantenha em mente que é melhor ir devagar e ficar com as contas em dia do que se precipitar e ficar endividado.

Se quiser saber mais sobre como organizar o seu orçamento, preparamos algumas para você entender a importância do planejamento financeiro e como aplicá-lo no seu dia a dia.

Mas se você é uma pessoa bem organizada e já conseguiu pagar todas as contas do início do ano, parabéns! Conte para nós a sua experiência aqui nos comentários.

Luciano

Malena Oliveira é jornalista especializada em Finanças Pessoais e redatora na Magnetis.

Sufocado pelas contas do início do ano? Veja dicas simples para controlar seu orçamento
Avaliar o post