Invista agora
a evolução na edução financeira, conheça a Magnetis.

Você pode investir de um jeito melhor, e nós podemos provar.

Baixe o app!

Criptoativos: conheça 7 excelentes opções de criptomoedas para investir

Conhecer os criptoativos que são negociados no mercado é a melhor maneira de entender as especificidades e as vantagens que cada um deles proporciona.

Desde que surgiram, os criptoativos proporcionaram grandes mudanças no mercado financeiro

Não é para menos, uma vez que foram criados para contestar as instituições financeiras tradicionais e oferecer novas perspectivas para quem costuma fazer aplicações.

Há várias opções de moedas digitais oferecidas pelas corretoras. No entanto, algumas ainda são pouco conhecidas por grande parte das pessoas.

Por esse motivo, apresentamos aqui alguns dos criptoativos oferecidos no mercado.

Criptoativos negociados no mercado

Neste texto, vamos falar de sete tipos de criptoativos. São eles: Bitcoin, Ethereum, Cardano ADA, Binance Coin, Stellar Lumens, Litecoin e Tron. Continue a leitura para saber mais.

Bitcoin

O Bitcoin é o criptoativo mais conhecido do mercado financeiro, e o preferido de quem costuma fazer esse tipo de aplicação.

Criada em 2008 como alternativa à crise financeira mundial, essa moeda digital desperta o interesse e a curiosidade de investidores e de várias pessoas ao redor do mundo. Inclusive, ela já é aceita nos Estados Unidos e em diversos outros lugares. 

O Bitcoin é uma criptomoeda descentralizada e que não precisa de intermediários para suas transações. Isso significa que não é necessário pagar altas taxas de juros para bancos, empresas ou governos.

Embora não exijam o intermédio dessas organizações, as transações são verificadas pelos nodes e gravadas em blockchain.

  • Nodes: ponto de distribuição que permite as operações de uma rede de criptoativos.
  • Blockchain: um livro-razão que registra as movimentações de ativos.

Os Bitcoins podem ser adquiridos de três maneiras: Mineração, Exchanges e comprando de outras pessoas. 

  • Mineração

É o processo de registro e validação das transações, que não necessita de um controle central.

Basicamente, funciona como uma competição para encontrar as sequências dos blocos compatíveis das transações. 

O minerador que descobrir essas sequências recebe Bitcoins como recompensa. 

  • Exchanges

São corretoras que atuam como intermediadoras de negociações de criptomoedas.

  • Comprando de outras pessoas

As negociações para compras de Bitcoin de outras pessoas podem ser realizadas a partir do contato direto com elas. 

Nesses casos, uma parte fica responsável por fazer o pagamento para outra pessoa – através de depósito, por exemplo –, enquanto a outra parte cumpre com o acordo transferindo as moedas digitais para a carteira do comprador. 

Vale frisar que o Bitcoin não pode ser confiscado por nenhum governo e que, portanto, suas negociações podem ser feitas com mais liberdade. No entanto, ele está sujeito a ataques cibernéticos.

Ethereum

A Ethereum se diferencia do Bitcoin em termos de possibilidades – ou seja: por meio dela, é possível desenvolver mais tarefas.

Fundada em 2014, a Ethereum consiste em uma plataforma que possibilita a aplicação de contratos inteligentes (smart contrats) e investimentos descentralizados (dapps) por meio de blockchain.

Todas as movimentações realizadas, porém, são custeadas com a moeda digital desenvolvida pela plataforma: a Ether (ETH), que pode ser obtida de três modos:

  • Mineração.
  • Doações de usuários.
  •  Negociações de ativos digitais.
  • Aquisição por meio de corretoras especializadas.

A Ethereum teve como proposta inicial estabelecer-se como uma plataforma descentralizada – voltada à aplicação de contratos inteligentes –, mas a moeda valorizou mais do que o projeto inicial e, atualmente, é a segunda maior moeda digital do mercado. 

Confira também:

Cardano

A Cardano (ADA) é conhecida como a terceira geração de criptomoedas, e se distingue da Bitcoin e Ethereum por ser desenvolvida baseada em métodos científicos.

Esse fator possibilitou a criação de códigos mais resistentes, analisados e revisados por desenvolvedores, engenheiros e cientistas de vários locais do mundo.

A moeda digital integra o projeto da plataforma Cardano, lançada em 2017 para realização de aplicações por meio da tecnologia blockchain. Hoje em dia, o projeto executa contratos inteligentes, computação multipartidária, metadados e investimentos descentralizados.

A Cardano também não precisa de intermediários para suas negociações, e a blockchain da plataforma possibilita o envio e o recebimento dos valores negociados por meio de transações transparentes e seguras.

Esse sistema é formado por duas camadas, sendo a primeira (CSL) para simplificar as movimentações entre contas da mesma plataforma, e a segunda (CCL) para facilitar os contratos inteligentes.

Binance Coin

A Binance Coin (BNB) surgiu em 2017 para ser utilizada em transações dentro da plataforma Binance (a maior exchange do mundo) como pagamento de taxas de trade, envio e cancelamento de solicitações, transferência de ativos e emissão de novos tokens.

Esse moeda apresentou um excelente desempenho e proporcionou ótimos resultados dentro do sistema operativo. Por conta disso, também foi disponibilizada para negociações fora da plataforma, tornando-se uma das criptomoedas mais negociadas do mercado.

Como forma de incentivar as transações, os usuários são premiados com descontos em negociações realizadas dentro da Binance Coin.

Além disso, há a proposta de recompra e queima das moedas (50%) com a finalidade de tornar o ativo raro e possibilitar o aumento do valor da BNB para os detentores do ativo.

As vulnerabilidades desse criptoativo são: os pontos de centralização, a sujeição às leis de segurança e a dependência do desempenho da bolsa de valores.

Eles podem ser obtidos por meio da Binance Coin, de outras exchanges e de negociadores de criptoativos.

Ver também: O que é Binance Coin?

Stellar Lumens

A Stellar Lumens (XML) é uma criptomoeda descentralizada, desenvolvida pela Stellar Networking, que funciona como uma ponte entre as moedas, permitindo que o valor enviado em determinado tipo de moeda em uma transação seja recebido em outra moeda pelo destinatário.

Essas movimentações se caracterizam pela facilidade, segurança e ausência de cobrança de taxas abusivas.

As XMLs podem ser adquiridas através de uma corretora ou por meio de uma bolsa de criptomoedas.

Litecoin

O Litecoin é um dos primeiros criptoativos criados e é muito semelhante à Bitcoin – tanto que é conhecido como “prata”, enquanto o Bitcoin é chamado de “ouro”.

Ele é descentralizado e também pode ser minerado, mas, comparado à outra moeda digital, é considerado mais ágil para as movimentações.

Tron

O Tron foi desenvolvido em 2017 e integrava os tokens utilizados pela Ethereum. Contudo, tornou-se ativo próprio no ano seguinte, após a separação dessa plataforma.

O ativo consiste em um sistema operacional descentralizado e baseado na tecnologia blockchain, utilizado para memorizar contratos inteligentes e outros tipos de transação.

O Tron também pode ser usado para compartilhar arquivos de mídia e acessar recursos operacionais.

A plataforma oferece a possibilidade de ser utilizada como reserva de valor, aplicação ou ferramenta de negociação para obter outras criptomoedas.

É importante destacar que o Tron não permite a mineração. Por esse motivo, a maneira mais viável de adquirir esse criptoativo é por meio da acumulação de moedas de outras movimentações.

Vale a pena investir em criptoativos?

Os criptoativos são aplicações de alto risco e exigem muito planejamento e estudo do mercado.

Por esse motivo, o ideal é que o investimento em moedas digitais seja realizado por uma gestora financeira com experiência em lidar com as flutuações do mercado e em montar um portfólio diversificado para o cliente, controlando sua proporção em criptoativos.

Por que montar uma carteira diversificada?

O mercado é muito inconstante e não existe apenas um investimento, ou uma classe de ativos ideal. É necessário construir uma alocação que equilibre risco e retorno. 

Uma carteira de investimentos diversificada consegue dar acesso a ativos mais arriscados e com maior potencial de retorno, e a ativos mais conservadores que contam com mais segurança.

Por esse motivo, a melhor forma de obter sucesso nos investimentos é por meio de uma carteira diversificada, composta por aplicações em ativos de renda fixa e ativos de renda variável.

Essa diversificação ajuda a evitar prejuízos financeiros e possibilita um crescimento patrimonial mais consistente, mesmo em épocas de crise. Isso acontece porque a carteira permanece resiliente frente às oscilações do mercado.

Para isso, porém, o ideal é contar com um parceiro de confiança, que desenvolva o portfólio adequado para cada perfil de investidor.

Somos a 1ª gestora de investimentos do país e contamos com uma estrutura formada por profissionais especializados e reconhecidos na área de investimentos, que oferecem os melhores serviços.

Saiba mais sobre as nossas carteiras e converse conosco sobre os seus objetivos. Temos certeza que todos eles serão concretizados por meio dessa grande parceria.

Andressa Siqueira, CEA
Andressa Siqueira, CEA

Formada em Economia pela PUC-SP, é analista de conteúdo, especialista em investimentos na Magnetis desde 2019, possui certificação CEA pela ANBIMA e trabalha no mercado financeiro há mais de 8 anos.

leia mais desse autor