Dica de leitura: regulamentação dos fundos vai ficar mais moderna

por Magnetis

Dica de leitura: regulamentação dos fundos vai ficar mais moderna
Avaliar o post

Boa notícia para os investidores e para aqueles que planejam começar a investir. A indústria de fundos no Brasil, que já é referência internacional em muitos aspectos, deve dar novos passos para se tornar mais moderna, competitiva e transparente.

A CVM (Comissão de Valores Mobiliários), responsável pela regulação desse segmento, acaba de colocar em consulta pública um conjunto de sugestões de melhoria para a Instrução 409. A ideia é que essa norma, que dita as regras para o funcionamento dos fundos no País, se torne mais clara e compatível com a realidade dos investidores no cenário atual.

Para que você tenha uma ideia de como há aspectos que necessitam de mudanças, ainda hoje a regulamentacão exige que os fundos se comuniquem com os cotistas pelo correio. Trata-se de um custo que poderia ser eliminado facilmente a partir do uso de e-mail.

As propostas de mudanças apresentadas pela CVM incluem a simplificação das categorias de fundos (de sete para quatro) e a criação do Fundo Risco Soberano Simplificado, que seria uma porta de entrada ao mercado de capitais para novos investidores, servindo de alternativa à poupança.

Quer saber mais? A agência Reuters preparou uma matéria que mostra um resumo das principais novidades: CVM propõe mudanças na regulação dos fundos de investimento. Vale muito a leitura!

A CVM também quer elevar a transparência do setor de fundos no que toca à cobrança e ao pagamento de comissões, como mostra matéria do Estadão.

E se você quiser mais detalhes sobre o conjunto de propostas, a gente recomenda assistir ao vídeo da audiência pública sobre o tema realizada na sede da Anbima no final de abril. No evento, Ana Novaes, diretora da CVM, apresenta todos os destaques.

Fique bem informado!

Interessado neste tema? Então leia também:

11 milhões de brasileiros já investem em fundos. Você está nesse time?

Investimento direto ou via fundos? Veja a diferença