Magnetis Update 2020
dia 21/10 às 18h online e gratuito
X inscreva-se e garanta a sua vaga
Invista agora
a evolução na edução financeira, conheça a Magnetis.

Dividend yield? Saiba o que é e aprenda como fazer o seu cálculo!

como investir na bolsa de valores

Para fazer boas aplicações no mercado financeiro, é essencial acompanhar indicadores que mostrem o crescimento das companhias negociadas na bolsa de valores. Um desses indicadores é o dividend yield (DY), fundamental para aqueles que buscam rendimentos recorrentes por meio da distribuição de proventos.

A seguir, veremos detalhes sobre o dividend yield — qual é sua definição, como calculá-lo, qual é sua importância e como analisá-lo. Dessa forma, você terá mais informações para montar uma carteira de ações diversificada, mas com foco no recebimento de parte dos lucros empresariais. Vamos lá?

O que é dividend yield?

O dividend yield pode ser traduzido como rendimento do dividendo. O DY é um indicador de performance especificamente quando falamos de proventos pagos por ação.

Os proventos são pagamentos recorrentes aos compradores de ações. Quanto maior o percentual de dividend yield, mais o acionista deverá receber em comparação com o preço de cada papel comprado.

As companhias precisam distribuir ao menos 25% dos seus lucros a acionistas. Aqui no Brasil, os ganhos podem ser repartidos tanto por meio de dividendosquanto por meio de juros sobre capital próprio (JCP).

A diferença está na tributação: há uma cobrança de 15% sobre os JCP, por conta do Imposto de Renda. Já os dividendos não têm nenhuma tributação associada.

Para saber quais proventos uma companhia distribui aos seus acionistas e em quais épocas, é preciso verificar sua política de distribuição de dividendos.

Ela deve estar descrita no site de relações com investidores da empresa. Também é por meio dele que você deve acompanhar possíveis mudanças na prática de pagamentos recorrentes. A distribuição pode ser feita mensal, trimestral, semestral ou anualmente.

Cada acionista recebe uma parcela de proventos proporcional ao número de ações que ele tem. Às vezes, inclusive, as empresas pagam dividendos extraordinários, no caso de um evento não recorrente.

Um exemplo é a venda de alguma divisão de negócio. Esses pagamentos fora da curva também entram no cálculo do dividend yield, caso aconteçam nos meses usados para a análise do indicador. Falaremos mais sobre isso abaixo.

Como calcular esse índice?

O dividend yield é calculado dividindo a soma dos pagamentos de proventos por ação nos últimos 12 meses pelo valor atual do papel dessa companhia. Para converter essa divisão em porcentagem, multiplique o resultado por 100. Veja a fórmula:

DY = (proventos nos últimos 12 meses por ação ÷ preço atual da ação) × 100

Por exemplo, digamos que você tenha comprado ações de uma empresa. Em doze meses, cada ação chegou a uma cotação de R$ 20 e a empresa pagou R$ 1 em dividendos por ação. Portanto, o dividend yield é de 5%.

Essa fórmula diz respeito aos últimos doze meses de proventos e à cotação diária do papel. Por isso, o DY precisa ser recalculado constantemente.

Qual é a importância do dividend yield para os investimentos?

O dividend yield é útil para analisar os ganhos que você receberá a partir do quanto comprou em ações. Inclusive, há pessoas que conseguem viver de dividendos.

O DY é um dos componentes a serem analisados para comparar diferentes empresas. Seu objetivo deve ser montar uma carteira diversificada, mesmo que o foco em receber proventos recorrentes seja o mesmo para todos os papéis.

Se você ainda está na fase de acumulação de recursos, usar dividendos e juros sobre capital próprio para comprar mais ações é uma boa estratégia. Você aproveita o poder dos juros compostos para receber ainda mais dinheiro no longo prazo. Nesse caso, o DY serve como uma taxa de reaplicação de recursos.

Como analisar esse resultado?

Procure distribuições de lucros estáveis ou crescentes. A Selic, taxa básica de juros que serve como base de cálculo para as aplicações mais conservadoras do país, está em 2% ao ano. O dividend yield deve remunerar pelo menos acima de 2%, por conta da maior volatilidade trazida pela renda variável.

Os proventos geralmente partem de empresas maduras e com uma participação de mercado (market share) relevante. Esses negócios já devem ter um DY considerável, geralmente entre 5% e 7%. Outra possibilidade é escolher companhias que paguem um dividend yield menor hoje, mas com potencial de lucros e distribuições maiores no longo prazo.

Uma companhia pode ter um DY baixo porque está usando seus ganhos para seu próprio crescimento. Por exemplo, melhorar sua tecnologia ou expandir sua fábrica pode ser essencial para atingir novos patamares de lucros. Com isso, ela vai melhorar as distribuições de dividendos aos acionistas nos próximos anos.

Outros fatores a considerar

Porém, você não deve basear a compra de papéis apenas no dividend yield. Pense em uma ação que viu seu preço unitário cair muito por conta dos resultados trimestrais ruins da empresa, por exemplo.

Esse menor valor, por estar no denominador da fórmula do DY, fará a porcentagem ser alta. Da mesma forma, uma distribuição extraordinária de dividendos também puxa o indicador para cima de maneira insustentável.

O dividend yield deve ser apenas um dos componentes de uma análise fundamentalista. Os dividendos são pagamentos recorrentes, então seu foco deve estar no longo prazo.

Compre papéis apenas de companhias que você tenha concluído serem sólidas e com potencial de valorização nas próximas décadas. Alguns pontos a serem considerados nessa análise são capacidade de endividamento e gestão.

Também, veja o maior histórico possível de pagamentos de proventos para verificar sua frequência. Mas, como toda aplicação financeira, tenha a consciência de que lucros passados não são garantia de lucros futuros similares.

Muitos acionistas também se esquecem de considerar a cobrança de impostos v ista nos JCP: sempre compare DY líquidos. Por fim, fique de olho nas taxas, como a de corretagem, que são cobradas ao aplicar recursos na bolsa de valores.

O dividend yield é um indicador fundamental para qualquer interessado no mercado financeiro, principalmente quem busca remuneração recorrente.

Mas antes de comprar papéis com boa distribuição de lucros, entenda o que está por trás de um DY alto ou baixo. Também, procure sinais de solidez na companhia, a partir de uma análise fundamentalista. Agora que você já sabe tudo sobre dividend yield, confira se vale a pena comprar ações que estão baratas na bolsa.

análise de investimentos
Mariana Congo

Mari Congo tem paixão por explicar coisas difíceis de forma fácil. É jornalista, educadora financeira, especialista em finanças pessoais e investimentos e gerente de comunicação na Magnetis.

leia mais desse autor