Fundos multimercado: o que são e quais as principais estratégias?

por Mariana Congo | 18/04/2019

Fundos multimercado: o que são e quais as principais estratégias?

É comum que bancos e corretoras ofereçam algumas opções de fundos multimercado para compor a carteira dos mais diversos perfis de investidores. E isso é ótimo, já que essa aplicação costuma combinar os pontos positivos de vários tipos de investimento.

No entanto, para tirar melhor proveito desses fundos, é importante conhecer, ainda que de forma básica, quais são as estratégias aplicadas. Afinal de contas, o que difere uma gestão ativa de uma gestão passiva?

Neste texto, trouxemos a resposta para essa pergunta, além de todos os detalhes ligados a essa forma de aplicação. Acompanhe!

Se você está sem tempo para ler, que tal ouvir este conteúdo? Aperte o play ou faça o download do áudio:

O que são fundos de investimento?

Os fundos multimercado são uma categoria de fundo de investimento. Fundos de investimento são veículos que te dão possibilidade para investir em várias aplicações ao mesmo tempo, juntamente com outras pessoas.

A proposta é reunir recursos de uma série de investidores, os chamados cotistas, e aplicar todo o capital em produtos financeiros diversos. Quando se investe em um fundo de investimento, em vez de comprar os ativos, você compra cotas desse fundo. Isto é, sua parcela de participação nele.

Cada cota corresponde a um valor em dinheiro, e a quantidade de cotas que você possui está diretamente relacionada à quantidade de dinheiro que você investiu inicialmente. Ou seja, cada investidor terá sua parte de acordo com o recurso investido.

O objetivo dos fundos de investimento é fazer com que, em um determinado período de tempo, essas cotas valham mais.

O que são fundos de investimento multimercado?

No geral, os fundos multimercado mesclam aplicações em diferentes tipos de ativos, ou seja, em vários mercados (daí o nome multimercado).

Isso faz com que haja mais possibilidades de estratégias para que o fundo se adapte às condições do momento, o que, na maioria dos casos, diminui os riscos e aumenta a rentabilidade.

Um mesmo fundo multimercado pode incluir investimentos em renda fixa (como títulos públicos) e em renda variável (como ações), em qualquer proporção, sem as exigências que caracterizam as outras categorias de fundos de investimento. 

Quais são as principais estratégias dos fundos multimercado?

Ainda que as estratégias de gestão dos fundos multimercado possam ser bastante variadas, é possível enquadrá-las em algumas categorias. Elas também podem ser classificadas de duas formas: como passiva ou ativa.

Gestões passivas buscam apenas acompanhar um índice de referência, enquanto as ativas têm como meta superar determinado número.

De todo modo, as definições trazidas abaixo seguem a classificação da Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais). Confira!

Long and Short

Os fundos multimercado que operam com base na estratégia long and short (também conhecida como equity hedge) buscam alcançar a rentabilidade por meio da diferença dos preços das ações compradas e vendidas.

Macro

O cenário macroeconômico é a principal referência para os fundos multimercado que seguem uma estratégia macro. Os seus administradores fazem análises e projeções de como os principais indicadores econômicos se comportarão no médio e longo prazo.

A partir disso, definem quais investimentos serão feitos, combinando ativos dos mais diversos, de acordo com o que for mais apropriado diante das expectativas para a economia.

Trading

Fundos que adotam o trading como forma de atuação no mercado buscam rentabilidade por meio de movimentos de curto prazo, se aproveitando da oscilação do preço dos ativos.

Juros e moedas

O modelo exclui opções de renda fixa e renda variável, como as ações. Isso dá preferência aos ativos que estão atrelados a índices, como juros e a inflação, além de moedas estrangeiras, como o dólar e o euro.

Balanceados

Esses fundos seguem uma estratégia pré-determinada de aplicação dos recursos disponíveis, aplicando numa gama variada de ativos. ​

Inclui a previsão de rebalanceamento das aplicações, de acordo com as circunstâncias, e impede a chamada alavancagem, prática arriscada na qual o fundo investe com dinheiro que não possui efetivamente.

Dinâmicos

Distribuem os recursos disponíveis em faixas, estipuladas no regulamento que estabelece o fundo. É possível que um fundo multimercado atue, por exemplo, com 30% em ações, 40% em renda fixa e outros 30% em moedas estrangeiras.

Essas faixas podem ser revistas futuramente, de acordo com como o cenário econômico se apresentará no momento da revisão.

Livres

Por fim, temos os fundos multimercado que seguem estratégias livres. Eles podem criar estratégias completamente novas ou simplesmente combinar diversos aspectos daquelas apresentadas nos tópicos anteriores.

Não há nenhuma espécie de limitação de tempo ou baseada em alguma categoria de ativo.

Quanto custa investir em fundos multimercado?

Assim como em qualquer outra aplicação, investir em fundos multimercado tem custos. É muito importante estar ciente deles, para que a rentabilidade e expectativas não sejam comprometidas. Confira abaixo com o que é preciso arcar para acessar essa forma de investimento.

Taxa de administração

A taxa de administração remunera a gestão do fundo. É cobrada na forma de um percentual anual sobre o patrimônio líquido do fundo.

Normalmente, quanto mais complexa a estratégia adotada, maior a taxa cobrada. Assim, fundos multimercado podem custar mais caro que outras modalidades de fundos.

Taxa de performance

A taxa de perfomance também costuma estar presente nos fundos multimercado. Ela é uma espécie de bonificação paga aos gestores quando o fundo apresenta desempenho melhor que um índice de referência pré-definido, chamado de benchmark.

Impostos

Incidem dois impostos sobre os fundos multimercado. O primeiro deles é o Imposto sobre Operação Financeiras (IOF), cobrado em resgates feitos com menos de 30 dias.

Já o Imposto de Renda (IR) é cobrado no resgate da aplicação e também por meio do chamado "come-cotas": semestralmente, é feita uma cobrança com alíquota de até 20%.

Quais as vantagens de investir em fundos multimercado? E as desvantagens?

Os fundos multimercado são uma ótima opção de investimento para quem quer diversificar sua carteira com uma variedade maior de ativos.

Nesse caso, contar com uma gestão especializada muitas vezes dá acesso a estratégias de investimento mais elaboradas e aplicações indisponíveis para quem investe individualmente.

Por outro lado, os fundos multimercado estão suscetíveis a riscos maiores, principalmente quando considerados aqueles que seguem estratégias mais ousadas.

Como não há proteção do Fundo Garantidor de Crédito (FGC), isso pode representar perdas. Além disso, as já mencionadas taxas e impostos podem tornar o retorno obtido menor que aqueles alcançados em outras opções de investimento mais seguras disponíveis no mercado.

De todo modo, a opção pelo fundo multimercado deve estar sempre no radar de quem está procurando boas formas de investimento.

Saber se o fundo adota uma gestão ativa ou gestão passiva, fazer uma análise cuidadosa da estratégia adotada e calcular as taxas cobradas diminuirá a chance de erros na hora da escolha.

Quer saber mais sobre esse assunto? Veja esse post que explicamos tudo que você precisa saber sobre fundos de investimento!

Mariana Congo, da Magnetis

Mariana Congo é Gerente de Comunicação da Magnetis e jornalista especializada em finanças pessoais.

Avaliar o post