Fomo (Fear Of Missing Out): entenda o que é essa síndrome e veja como ela afeta seus investimentos

por Mariana Congo | 16/10/2019

Fomo: Fear Of Missing Out
consultoria de investimento

Entre os problemas que afetam o sucesso das pessoas, o FoMO (Fear Of Missing Out) vem ganhando cada vez mais visibilidade, inclusive no mercado financeiro.

Também chamada de ansiedade social, a síndrome é responsável pela falta de foco e pela procrastinação. Esses problemas levam ao mau desempenho e atrasam o caminho das pessoas rumo aos seus objetivos.

A partir de agora, você vai entender o que é FoMO, quais são seus principais sintomas e como combatê-lo no seu dia a dia.

Você também vai entender como essa síndrome impede que você faça os melhores investimentos. Inclusive, esse foi um dos temas que abordamos no canal da Magnetis no YouTube. Você confere o vídeo a seguir:

O que é FoMO?

FoMO é uma sigla em inglês que significa Fear of Missing Out. Em português, significa medo de perder algo.

Esse termo foi criado em 2004 por Patrick J. McGinnis, investidor do mercado de venture capital, durante seus estudos na Harvard Business School. Hoje, ele apresenta o podcast FOMO Sapiens, que trata de temas relacionados no contexto do empreendedorismo.

A expressão reflete a ansiedade das pessoas que ficam sempre online, conectadas às redes sociais, por medo de estarem perdendo alguma informação ou acontecimento. Mas o FoMo pode ser aplicado a outras coisas.

Por exemplo: imagine um fim de semana em que há várias festas na sua agenda e você precisa escolher uma delas. O FoMO pode bater na hora de tomar essa decisão. Daí, duas coisas podem acontecer:

  • você pode sofrer com a paralisia por análise: quando há muitas opções, algumas pessoas simplesmente não conseguem escolher, pois analisam demais os prós e os contras;
  • você pode tentar ir a todas as festas, mas vai acabar se desgatando bem mais por causa da falta de foco. Além disso, aumentam as chances de aborrecimento: você pode ter algum imprevisto no meio do caminho, por exemplo.

Esses dois comportamentos são originados pelo FoMO. Com medo de perder os acontecimentos, as pessoas não exercem o que diz um velho ditado: cada escolha, uma renúncia.

Esse problema afeta não só a vida pessoal, mas também projetos no seu trabalho. Ele está presente, por exemplo, quando você não consegue concluir as tarefas do dia a dia por causa de distrações.

O FoMO tem várias formas de comprometer o comportamento de uma pessoa. Mas é mais frequentemente relacionado à internet e às redes sociais por causa de um dispositivo que facilita a falta de concentração: o celular.

Qual é a relação entre o FoMO e a dependência do celular?

Quantas vezes você costuma checar o smartphone por dia? Quando você faz isso, consegue cumprir o seu objetivo rapidamente? Ou você se dispersa com tantas notificações e mensagens para responder?

Pois saiba que o segundo caso já chegou a níveis tão preocupantes, que redes sociais como o Instagram já exibem o controle de minutos que as pessoas gastam por dia no aplicativo. Recentemente, também deixou de exibir o número de curtidas das fotos postadas.

Veja a seguir alguns exemplos de comportamentos causados pelo FoMO. Perceba como eles atrapalham a sua vida e a sua produtividade no trabalho:

  • checar o smartphone o tempo todo;
  • interromper o trabalho para ver notificações e mensagens no celular;
  • checar as redes sociais de forma compulsiva, mesmo na companhia de outras pessoas;
  • sentir angústia ou tristeza ao ver pessoas passeando ou viajando;
  • aceitar convites de forma indiscriminada;
  • comprar compulsivamente por medo de ficar fora de moda;
  • iniciar ou terminar um relacionamento por acreditar que pessoas nessa situação estão melhores do que você.

É claro, é normal ter um ou outro comportamento da lista acima em alguns momentos. Porém, se eles estiverem acontecendo de forma recorrente, vale a pena procurar ajuda médica.

consultoria de investimento

O que FoMO tem a ver com seus investimentos?

Em Economia, existe um conceito chamado trade-off. Em poucas palavras, ele significa custo de oportunidade.

A essência desse conceito é que simplesmente não dá para conciliar todas as coisas. Logo, o que você precisa é medir o custo de dizer não para algumas das suas escolhas.

Pense na seguinte situação: você está pesquisando sobre os melhores investimentos e já viu vídeos, conversou com pessoas, decidiu abrir conta em uma corretora, mas parou justamente na etapa de aplicar o dinheiro.

Nessa hora é que o FoMO pode ser uma armadilha. O medo de não investir na aplicação que oferece o melhor rendimento pode paralisar você.

Assim, você cai na inércia: diante de tantos tipos de investimento que existem no mercado, seu dinheiro continua parado na conta corrente ou naquele CDB de banco grande. Logo, você está deixando dinheiro na mesa enquanto poderia ter um rendimento melhor.

Digamos que você, por exemplo, já tenha decidido investir sua reserva de emergência no Tesouro Direto e aplicar o restante em uma Carteira Magnetis.

Depois que você tomou a sua decisão, chega aquele colega, amigo ou familiar e diz: “na verdade, investimento bom é X, Y e Z”.

Daí, o FoMO pode levar você a tomar uma decisão completamente diferente da que seria boa para seus investimentos. Ou o contrário: devido à paralisia, você simplesmente não toma nenhuma atitude.

É normal ter FoMO, mas se lembre: o que é bom para outras pessoas sem sempre é bom para você.

Concentre-se na sua jornada como investidor ou investidora. Assim, você terá resultados muito mais efetivos.

Outro perigo do FoMO é levar a pessoa a cair em golpes ou furadas. Isso acontece principalmente quando há promessas de ganho fácil (aqueles 2% ao mês da propaganda, sabe?).

Como combater o FoMO nos seus investimentos?

Como eu falei no início deste post, cada escolha é uma renúncia. E não é diferente quando se trata de investimentos.

Um investimento sem risco nenhum e que tenha um rendimento exorbitante não existe. Desconfie, busque no site da CVM para saber se a instituição é confiável e procure alternativas mais adequadas para o seu perfil e seus objetivos.

Resumindo, é normal ter o FoMO, mas não deixe esse medo paralisar você ou levar a escolhas ruins.

O importante é você respeitar seu perfil e objetivo, principalmente na hora de investir o seu dinheiro. Por isso, confie em você!

Agora que você entende melhor o que é o FoMO, o chamado Fear Of Missing Out, que tal entender como combatê-lo com ajuda profissional? Baixe grátis o nosso Guia Completo sobre Consultoria de Investimentos e conheça um serviço que pode te ajudar de forma simples e prática!

Fomo (Fear Of Missing Out): entenda o que é essa síndrome e veja como ela afeta seus investimentos
5 (100%) 5 vote[s]