Invista agora
a evolução na edução financeira, conheça a Magnetis.

Fundo alavancado: afinal, vale a pena investir nesse fundo?

Você provavelmente já se deparou com fundos de investimentos na hora de decidir onde colocar seu dinheiro, certo? Eles funcionam como um condomínio, reunindo recursos de diversas pessoas para aplicar em produtos melhores e ter maiores retornos. Os fundos podem fazer uso de diversas estratégias e assumir várias classificações, mas um tipo é especialmente interessante de conhecer: o fundo alavancado.

Muitos fundos de investimentos fazem uso da alavancagem financeira. Essa tática pode trazer grandes retornos, mas também grandes reveses. Por isso, você deve conhecer como funciona a alavancagem e evitar surpresas: o mercado financeiro não recompensa riscos mal calculados.

Abaixo, você verá o que significa alavancagem nos investimentos, como funciona um fundo alavancado e como avaliar a injeção de recursos nessa aplicação financeira. Vamos lá?

O que é a alavancagem nos investimentos?

A alavanca é um instrumento que multiplica certo impacto e minimiza o esforço para obtê-lo. Permite, por exemplo, levantar cargas mais pesadas do que seria possível. É uma ferramenta comum na física, mas inspirou também o mundo das finanças.

A alavancagem financeira significa tomar recursos emprestados para impulsionar os resultados obtidos com aplicações. Com ela, você pode movimentar altas somas de dinheiro e obter ganhos mais amplos, mesmo tendo valores reduzidos de aplicação.

É o que acontece, por exemplo, quando uma empresa contrai um financiamento bancário. Ela opera com mais dinheiro do que tinha anteriormente em caixa e alavanca suas vendas. Com a operação, recolhe mais lucros do que teria obtido sem esse empréstimo.

No caso da Pessoa Física, imagine que você tenha R$ 10 mil para investir, mas um limite de alavancagem de 10 vezes. É possível pegar esses recursos emprestados e operar R$ 100 mil, mesmo sem dispor de todo esse montante na conta. Sua exposição financeira fica maior do que seu patrimônio líquido, com o objetivo de movimentar um volume maior e ampliar os retornos.

O limite de alavancagem é definido pela instituição financeira que hospeda suas aplicações financeiras. É pedida uma margem de garantia — por exemplo, um valor fixo ou porcentagem dos recursos tomados.

O que são fundos alavancados e em quais ativos ele pode investir?

Diversos fundos de investimentos praticam a alavancagem financeira como forma de atingir uma rentabilidade maior das aplicações, superando o índice de referência (benchmark). Esses veículos captam e aplicam recursos de terceiros para melhorar seu resultado.

Os fundos que usam essa ferramenta são principalmente os voltados a quem tem um perfil de moderado a arrojado em suas escolhas financeiras. A estratégia pode ser aplicada em diversos tipos de ativo. Acompanhe a seguir!

Day trade

Um primeiro exemplo é a operação de curtíssimo prazo no mercado financeiro, ou day trade. Se você faz uma análise profunda de uma ação negociada na bolsa de valores e conclui que há uma grande chance de sua cotação aumentar nas próximas horas, pode fazer uso da alavancagem para aplicar uma quantia maior e aproveitar mais essa valorização.

Mercado futuro

Outro exemplo é o mercado futuro, ambiente no qual se negocia a compra e a venda de ativos para liquidação em uma data posterior. Índices, dólares americanos e commodities (como café e milho) são alguns desses ativos que podem ser negociados em contratos que acompanham essas aplicações (também conhecidos como derivativos), dessa vez com vencimento em uma data posterior.

Por exemplo, você pode concluir que o dólar americano vai se valorizar e passar dos R$ 4 nos próximos meses. A partir desse contexto, compra contratos de dólar no mercado futuro com recursos a mais, obtidos pela alavancagem. Assim como no day trade, o objetivo é ampliar financeiramente as posições e atingir uma maior rentabilidade.

Venda a descoberto (short selling)

Na venda a descoberto, ou short selling, você aluga um ativo no mercado esperando uma posterior desvalorização. Por exemplo, a alavancagem é usada para comprar um maior volume de uma ação com tendência de queda no preço.

Caso as previsões estejam corretas, você pode recomprar esse papel mais barato e devolvê-lo ao locador, embolsando os lucros com a operação. O credor também receberá uma taxa por conta do empréstimo de seus ativos.

Quais são os principais riscos do fundo alavancado?

A alavancagem financeira é uma faca de dois gumes: ao mesmo tempo que pode ampliar sua rentabilidade, pode ocasionar perdas igualmente grandes caso a análise de valorização ou desvalorização dos ativos esteja incorreta.

Se o fundo tiver perdas maiores do que o montante depositado, pode realizar uma chamada de capital aos cotistas: ou seja, pedir que você aporte mais recursos proporcionalmente às suas cotas. É possível que você perca inclusive todo o capital investido e tenha que aportar mais dinheiro para honrar suas obrigações.

Sendo assim, os riscos de um fundo de investimento que realiza alavancagem são mais altos. Eles podem trazer tanto lucros maiores quanto prejuízos maiores.

O que avaliar antes de investir em fundo alavancado?

Para saber se é vantajoso aplicar em um fundo de investimento que pratica alavancagem, conheça bem os administradores e a estratégia do fundo.

O primeiro passo é verificar seu registro e classificação na Comissão de Valores Mobiliários. A CVM divide os fundos de investimentos em quatro grandes classes: de renda fixa, multimercado, de ações e cambiais. Investigue também o responsável pela gestão do veículo, preferindo quem tenha um histórico extenso no mercado e uma boa qualificação.

Depois dessa primeira triagem, analise mais a fundo por meio do prospecto. Esse documento apresenta informações relevantes para quem quer fazer uma aplicação financeira. Por exemplo, a política de investimentos (como a composição da carteira e os riscos de liquidez e de mercado envolvidos), as taxas cobradas, os direitos e deveres dos cotistas do fundo.

Leia também o contrato assinado ao realizar o aporte inicial. Fique de olho na cláusula que convoca cotistas a depositar mais dinheiro em caso de perda maior do que o patrimônio do fundo. Essa condição indica o uso da alavancagem financeira.

Compare todos esses documentos com seu perfil e seus objetivos financeiros antes de se tornar um cotista. Pergunte-se: você está disposto a correr mais riscos para ampliar suas chances de ganho? Se for perdido, esse dinheiro vai fazer falta nos próximos meses? Sua carteira está bem diversificada, permitindo esses riscos, ou você está muito dependente desse fundo?

O fundo alavancado é muito usado para ampliar os retornos de aplicações financeiras. Você pode considerá-lo uma estratégia interessante para aproveitar momentos de mercado e impulsionar uma carteira já diversificada, desde que conte com um gestor e uma estratégia sólida. Agora que você já sabe o que é a alavancagem, saiba mais sobre os diversos fundos de investimento!

Luiza Caricati

Luíza Caricati é produtora de conteúdo da Magnetis. Jornalista, tem experiência na área de investimentos, educação e negócios, e lidera nossa estratégia multimídia, traduzindo conteúdos complexos em comunicações didáticas para diversos formatos.

leia mais desse autor