Invista agora
a evolução na edução financeira, conheça a Magnetis.

Vale a pena investir em fundo long biased?

Quem está procurando formas de diversificar sua carteira de aplicações financeiras provavelmente já se deparou com fundos de investimentos. Esse é um termo genérico, que abrange diversas estratégias seguidas por diferentes gestores. Um dos que mais se destacaram nos últimos tempos é o fundo long biased.

Esse fundo de investimento tende a aproveitar a valorização de ações, mas também pode realizar a venda de papéis caso essa estratégia preserve seus retornos. Neste post, veja mais detalhes sobre o fundo long biased, suas vantagens e desvantagens, a fim de decidir se vale a pena incluí-lo na sua carteira de investimentos.

O que são fundos de investimentos long biased?

Antes de conhecermos o fundo long biased, é importante definir o que são fundos de investimentos e o que significam os termos long (longo) e short (curto) no jargão financeiro. 

Um fundo é como um condomínio: ele capta dinheiro de diversos aplicadores, chamados de cotistas. Com os recursos dessas várias pessoas, os gestores conseguem acessar aplicações mais interessantes e retornos melhores. A valorização do fundo é distribuída a cada cotista de acordo com o valor aplicado no fundo, traduzido em cotas.

Em troca dessa gestão, o fundo cobra uma taxa de administração. Também pode cobrar uma taxa de performance quando supera seu índice de referência, ou benchmark. Por exemplo, caso o objetivo seja atingir 100% do CDI (Certificado de Depósito Interbancário, taxa de empréstimo entre bancos) e o fundo atinge 110% do CDI, pode cobrar a taxa de performance.

Os gestores cuidam da estratégia do fundo, mas não são livres para tomar qualquer decisão. As aplicações devem seguir o regulamento do fundo, submetido para a Comissão de Valores Mobiliários. A CVM define quatro categorias de fundos de investimentos: fundos de renda fixa, fundos de ações, fundos multimercado e fundos cambiais.

Entre fundos de ações, nos quais ao menos 67% do patrimônio deve ser aplicado em ações e ativos relacionados, é possível adotar diferentes posicionamentos. Quem compra um papel e espera sua valorização adota uma estratégia long. Já quem aguarda a desvalorização de uma ação e opera com sua venda assume uma atitude short.

Long and short

O fundo long and short opera comprando e vendendo ações, observando respectivamente em suas valorizações e desvalorizações.

No caso da primeira estratégia (long), o fundo ganha pela diferença entre os preços de compra e venda das ações com tendência de alta. No caso da segunda estratégia (short), os lucros vêm pela venda e posterior recompra das ações com tendência de baixa.

Long only

Já o fundo long only opera apenas com a compra de ações, rentabilizando com sua posterior valorização. É uma estratégia de longo prazo: o gestor avalia o potencial de cada papel e pode enfrentar volatilidades em curto e médio prazo porque concluiu que essa ação vai se valorizar no futuro.

Long biased

No fundo long biased, a tendência (em inglês, bias) é operar comprando ações e esperando sua valorização para obter lucros. Apesar desse foco, o fundo de investimentos long biased também pode ter algumas vendas de papéis caso queira aproveitar baixas futuras nos preços.

Por conta dessa estratégia, o fundo long biased fica entre as estratégias long and short (sempre compra e venda) e long only (sempre compra).

Quais são as vantagens e desvantagens de investir em fundo long biased?

Vantagens

Flexibilidade de gestão

O fundo long biased permite uma maior flexibilidade de gestão do que um fundo long only. Seus administradores podem aproveitar tanto momentos de potencial valorização, quanto de potencial queda no mercado, comprando ou vendendo ações para atingir a melhor rentabilidade possível.

Diversidade de ativos

O fundo long biased costuma comprar ações e vendê-las às vezes, mas pode adotar uma estratégia multimercado. Em momentos ruins no mercado financeiro, o long biased pode aplicar em renda fixa e promover a diversidade de ativos. Essa diversificação é uma forma de minimizar perdas e melhorar a rentabilidade geral da carteira em relação a quem apenas compra ações.

Menor volatilidade

Essa possibilidade de tanto comprar quanto vender ações e de diversificar os ativos pode ser uma proteção contra a volatilidade — o sobe e desce do mercado financeiro.

Enquanto o fundo long only apresentou volatilidade média de 15%, segundo um estudo da consultoria Aditus, o long biased apresentou uma volatilidade entre 7% e 12%.

Isenção de come-cotas

Como um fundo de ações, o long biased terá uma incidência máxima de 15% de Imposto de Renda. Já na renda fixa, por exemplo, adota-se uma tributação que vai de 22,5% a 15%, de acordo com o tempo de aplicação.

Diferentemente de fundos de investimentos como o multimercado, um fundo de ações é isento de come-cotas. A tributação funciona como uma antecipação semestral do recolhimento do Imposto de Renda e afeta a rentabilidade da aplicação financeira.

Desvantagens

Dificuldade de mensurar o risco

A gestão de um fundo long biased é bem ativa, já que ela realiza tanto operações long quanto short. É difícil determinar qual rumo o fundo vai seguir e mensurar a volatilidade e o risco dessa aplicação financeira. Não se consegue prever quanto dos recursos do fundo vai estar exposto em ações.

Antes de aplicar seu dinheiro, você deve analisar o histórico de um fundo de investimentos, incluindo sua taxa de volatilidade média. Assim, pode entender se o fundo está adequado ao seu limite de exposição ao risco.

Menor aproveitamento dos momentos de alta

A menor presença do fundo long biased no mercado de compra de ações pode ser uma desvantagem em relação ao long only nos momentos de otimismo, com potencial valorização dos papéis. 

O long biased provavelmente aproveitará menos a alta na cotação das ações do que o long only. Afinal, uma parcela de seus investimentos poderá estar comprometida em operações de venda ou até na renda fixa, prevendo uma desvalorização dos papéis que ainda pode demorar a chegar nos momentos de otimismo.

Afinal, o fundo long biased vale a pena?

O fundo long biased tem aproveitado os últimos anos de otimismo no mercado financeiro brasileiro. Para quem acredita que esse momento continuará, pode ser uma opção interessante de aplicação financeira.

Vale lembrar, porém, que a renda variável é para quem pensa nos retornos em longo prazo, com um perfil moderado para arrojado. É mais indicado para quem tem metas a serem cumpridas em vários anos, como pagar a graduação dos filhos pequenos ou garantir uma boa aposentadoria. 

O long biased deve ser combinado a outras aplicações financeiras de renda fixa ou variável, trazendo mais diversidade de ativos à sua carteira e menos exposição ao risco.

O fundo long biased é uma aplicação financeira com tendência de comprar ações com potencial de valorização, mas que pode vender ações como forma de proteger sua rentabilidade. É uma opção de diversificação, mesmo quando falamos apenas em fundos de investimentos. Agora que você já sabe como ele funciona, dê mais um passo e conheça outros fundos de investimento!

Malena Oliveira

Especialista em Finanças Pessoais e membro do Grupo Consultivo de Educação Financeira da Anbima.

leia mais desse autor