X
Magnetis Week

a black friday da

Magnetis Logo
Invista agora
a evolução na edução financeira, conheça a Magnetis.

O que são fundos de pensão, como eles funcionam e quem pode aderir

Garantir uma renda satisfatória para os anos de aposentadoria é uma das grandes preocupações financeiras das pessoas. Depois de anos de trabalho, essa é a melhor maneira de usufruir do merecido descanso com conforto. Cientes desse cenário, várias empresas mantêm fundos de pensão para apoiar os seus colaboradores quando esse momento finalmente chegar.

O detalhe é que muitas pessoas não entendem bem como funciona essa alternativa de investimento. Pensando nisso, decidimos explicar tudo sobre fundos de pensão neste post. Confira!

O que são fundos de pensão?

Um fundo de pensão nada mais é do que um plano de previdência complementar fechado. Ou seja, ele é destinado apenas aos colaboradores da empresa que o mantém. Eles podem ser oferecidos tanto por empresas privadas quanto por estatais.

Com a adesão, o trabalhador passa a contribuir tanto para o fundo de pensão quanto para a previdência social por meio do INSS. A empresa também se encarrega de subsidiar uma parte para cada profissional. Ela complementa os recursos destinados ao fundo dos colaboradores, que também é conhecido como Entidade Fechada de Previdência Complementar.

Para gerenciar esse fundo, a empresa precisa indicar os seus administradores, que devem ser pessoas com bom conhecimento sobre o mercado financeiro. A ideia é aplicar os recursos em ativos financeiros, como ações, fundos imobiliários, fundos de inflação e papéis de renda fixa. Assim, é possível manter o poder de compra e ainda obter a valorização do montante depositado no fundo de pensão.

Vale ressaltar que o Banco Central estabelece algumas regras para essas operações para garantir a segurança dos participantes. Os fundos de pensão também são fiscalizados pela Superintendência de Seguros Privados (SUSEP).

Quais são as diferenças entre fundos de pensão e fundos de previdência?

Geralmente oferecidos por bancos e instituições financeiras, os fundos de previdência também são planos de investimento de longo prazo, formados por aportes periódicos. Na prática, eles são conjuntos de aplicações com foco na rentabilização do patrimônio acumulado, seja para a aposentadoria, seja para uma aquisição relevante no futuro.

Assim como os fundos de pensão, os fundos de previdência contam com gestores que se encarregam de alocar os recursos. Nesse caso, no entanto, há mais liberdade para seguir diferentes estratégias segundo as condições do mercado. Por isso, podem ocorrer aplicações em várias classes de ativos, como fundos multimercado.

Outra diferença é que os fundos de previdência estão disponíveis para qualquer pessoa. Além disso, instituições financeiras também podem oferecer fundos de previdência focados em empresas. Assim, o mesmo fundo pode ter diversas empresas aportando e investimento nos mesmos ativos, o que reduz os custos da manutenção.

Por outro lado, os fundos de pensão não têm fins lucrativos. Em função disso, as taxas cobradas são bem menores, já que visam apenas a manutenção da estrutura necessária para seu funcionamento.

Quais são os tipos de fundos de pensão?

As empresas que mantêm fundos de pensão podem optar por três modelos de gestão. Veja a seguir as características de cada um!

Benefício definido

Nessa modalidade, o valor do benefício é definido por um regulamento, que estipula um percentual dos últimos rendimentos de cada trabalhador. Assim, a quantia que será recebida é conhecida no momento da adesão.

Para garantir o pagamento aos beneficiários, o valor de contribuição dos ativos pode sofrer reajustes ao longo do tempo.

Contribuição definida

Aqui, a ideia é realizar aportes mensais de valor predefinido, com base nos rendimentos de cada participante. O valor do benefício é conhecido apenas no momento da aposentadoria, de acordo com o saldo acumulado.

Entram nessa conta a somatória das contribuições individuais e a rentabilidade atingida durante o período de trabalho.

Contribuição variável

Funciona como uma combinação das características dos dois modelos anteriores. Isso significa que as contribuições são contabilizadas individualmente e que o valor do benefício é conhecido antes.

Quais são os principais fundos de pensão?

Atualmente, existem mais de 600 fundos de pensão ativos no Brasil, de acordo a Abrapp (Associação Brasileira das Entidades de Previdência Complementar). Conheça mais sobre alguns deles.

  • Previ: ligado ao Banco do Brasil, foi criado em 1904, antes mesmo do sistema de previdência social.
  • Petros: fundo dos colaboradores da Petrobras. É o segundo maior da América Latina, atrás apenas do Previ.
  • Funcef: exclusivo para servidores da Caixa Econômica Federal e conta hoje com mais de 134 mil participantes.
  • Fundação Itaú Unibanco: destinado aos colaboradores do banco privado e tem sob sua gestão mais de R$ 24,3 bi.
  • Valia: criado pela mineradora Vale, o fundo conta atualmente com mais de 115 mil participantes.
  • Sistel: fundo de previdência do antigo sistema Telebras e complementa a aposentadoria de ex-colaboradores da área de telefonia.

Como aderir aos fundos de pensão?

Como vimos, os fundos de pensão não estão disponíveis para o público em geral. Para aderir, é preciso que haja vínculo empregatício com a empresa que mantém o plano. Eles também podem ser oferecidos por sindicatos ou entidades de classe.

É preciso ter em mente que a criação de um fundo de pensão demanda um alto custo e requer o atendimento a diversas exigências legais. Por isso, pode não ser um negócio viável para empresas menores, sendo mais comum em companhia de grande porte e consolidadas no mercado.

Se você trabalha em uma dessas empresas e quer garantir uma condição financeira melhor no futuro, o primeiro passo é procurar o departamento de Recursos Humanos. Lá, você pode se informar sobre as condições exigidas para a participação e decidir se vale a pena para o seu perfil.

Os fundos de pensão se diferem dos planos de previdência privada porque são desenvolvidos de acordo com as particularidades de cada grupo atendido.Esperamos que este conteúdo tenha sido útil para você. Se não quiser perder as próximas dicas de finanças, assine a nossa newsletter e receba conteúdos interessantes na sua caixa de entrada!

Julia Ayres

Julia é jornalista por formação, mas apaixonada por marketing digital, performance e educação financeira. Atualmente, lidera as estratégias de marketing para a área de empresas da Magnetis

leia mais desse autor