Entenda o que é e como funciona uma gestora de investimentos

por Mariana Congo

Escolher se a gestão das suas aplicações será feita por um banco, uma corretora ou uma gestora de investimentos, é um ponto decisivo para o seu sucesso financeiro. Quando você começa a investir, quer ter a certeza de que seus recursos serão gerenciados por uma empresa séria, visando obter a melhor rentabilidade possível dentro do nível de risco que você está disposto a assumir.

Além da rentabilidade, a segurança e credibilidade da instituição são fatores importantes para quem decide aplicar. Isso porque a gestão de recursos, se feita adequadamente,  deve ser capaz de preservar o patrimônio do investidor ao agir prontamente para melhorar seus resultados. É exatamente por isso que o serviço oferecido por uma gestora de investimentos se diferencia bastante das práticas dos bancos e das corretoras. Você sabe como este tipo de empresa funciona?  Neste artigo, você vai compreender melhor a diferença entre uma gestora de investimentos e outras instituições financeiras e descobrir por que este tipo de serviço pode fazer a diferença nos seus investimentos.

O que faz uma gestora de investimentos?

O serviço de uma gestora de investimentos é conhecido, também, como asset management (gestão de ativos). Esse trabalho engloba a adoção de procedimentos que incluem não só a recomendação de alocação de recursos mas também o monitoramento das carteiras de investimentos, bem como a forma como esses recursos podem ser reinvestidos. Um dos papéis importantes da gestão de investimento é a proteção do patrimônio ao utilizar ao máximo o potencial do capital investido.

Para que possam atuar no mercado financeiro, as gestoras de investimento precisam ser aprovadas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Há, portanto, uma série de critérios a serem observados para que uma gestora de investimentos possa oferecer seus serviços. As normas estão descritas na instrução CVM 558.

Entre as exigências a serem cumpridas, existe a obrigação de prestar informações sobre o departamento técnico. É necessário apresentar dados sobre todos os profissionais que atuam na área. Um dos aspectos que também é verificado é a qualificação dos profissionais responsáveis pela gestão dos recursos que a gestora administra. Essa é uma forma de aumentar a segurança dos investidores garantindo que apenas profissionais qualificados como especialistas possam prestar este tipo de serviço.

A qualificação também é necessária para que o profissional seja capaz de adotar boas práticas de gestão de recursos como entender melhor os objetivos dos clientes, identificando produtos mais alinhados ao perfil de cada investidor, e, também, para repassar informações adequadas sobre as carteiras gerenciadas.

O que diferencia uma gestora de investimentos de bancos e corretoras?

Desde os produtos com os quais trabalham às estratégias de gestão dos ativos, há muita distinção entre uma gestora de investimentos e bancos e corretoras. Vamos discutir algumas dessas diferenças.

Tipos de investimentos

Em bancos, a recomendação de investimentos é limitada. A instituição acaba ofertando para o cliente apenas investimentos próprios da instituição o que limita bastante as chances de escolha do investidor. Por outro lado, uma gestora de investimentos costuma oferecer um número maior de instrumentos financeiros. Isso porque a maioria das gestoras não possui produtos próprios, e por isso conseguem ter acesso maior a investimentos de diferentes instituições e de diferentes categorias.

Por sinal,  um dos maiores diferenciais do serviço prestado por uma gestora é justamente a diversificação de investimentos, algo que é dificultado para quem investe em grandes bancos. Trabalhar com carteiras diversificadas é uma das melhores formas de evitar riscos, por isso é tão importante incluir no portfólio diferentes ativos. Para uma gestora, que define as melhores estratégias de investimentos para os seus clientes, esse aspecto é fundamental, pois é um dos mecanismos para atingir os objetivos definidos para a aplicação.

Lembre-se de que a gestora de investimentos oferecem o serviço de recomendação e gerenciamento das aplicações de seus clientes. Podemos entender o gestor como um representante do investidor. Já bancos e corretoras vendem produtos — é o cliente quem vai ter que escolher investimentos. Nesse sentido, a oferta pode ser limitada a alguns instrumentos financeiros que sejam mais alinhados as necessidades dessas instituições do que dos investidores.

Modelo de negócios

O modelo de negócio é uma das diferenças mais importantes de uma gestora de investimentos em relação a bancos e corretoras tradicionais. A tomada de decisões é uma das características do serviço realizado pelas gestoras de investimentos, já que elas auxiliam os clientes na escolha de suas aplicações enquanto bancos e corretoras, por exemplo, não exercem esse papel. Algumas instituições até prometem oferecer este tipo de serviço, por meio de assessores de investimento, mas, novamente vale destacar, tendem a ofertar produtos financeiros alinhados aos próprios objetivos e não aos dos clientes.

Ausência de conflito de interesses

Muitas vezes, as sugestões de investimento feitas pelos bancos atendem à necessidade de captação de recursos da instituição. Isso porque a concessão de crédito é um dos principais serviços dos bancos e, para isso, é necessário adquirir recursos que permitam a manutenção dessas operações.

Em outros casos, os produtos maximizam resultados financeiros para o banco, que também obtém retorno com as aplicações — sendo comum até que alcance rendimento maior do que seus clientes — ou com a comissão na comercialização de produtos financeiros. Ou seja, muitas vezes ofertam produtos que os clientes não precisam, ou que não condizem com seu perfil.

O mesmo padrão pode ser encontrado nas corretoras. Eventualmente, no entanto, estas oferecem agente autônomo para assessorar seus clientes na tomada de decisões. Ainda assim, é importante ressaltar que tanto bancos quanto corretoras têm suas atuações direcionadas para a venda de ativos, enquanto as gestoras oferecem o serviço de recomendação e administração dos recursos de seus clientes.

Leia também:  

Agente autônomo de investimento e consultor de investimentos: quais são as diferenças?

Nas gestoras, o que prevalece é a tomada de decisão estratégica. Dessa forma, o profissional está alinhado completamente aos objetivos dos investidores. O sucesso de um é, também, o sucesso do outro. Ou seja enquanto em banco e corretoras muitas vezes é priorizado o interesse da instituição em gestoras a recomendação de investimentos é isenta de conflito de interesses. Não existe nenhum incentivo como metas ou comissões por trás da recomendação de produtos de investimento.

No caso da Magnetis, por exemplo, somos uma gestora de investimento que presta o serviço de administração de carteiras. Nós não ganhamos comissões por indicar títulos ou fundos de determinados bancos, e nem por trabalharmos em parceria com a corretora Easynvest.

Você deve se perguntar: vale a pena para o investidor confiar seu dinheiro a terceiros? Potencialmente, sim. Claro que há fatores a considerar, como você verá mais à frente sobre como escolher a melhor gestora de investimentos para administrar seu patrimônio. Fato é que, havendo uma relação de confiança entre investidor e a gestora, as vantagens são interessantes.

Leia também:  

Por que o modelo de negócios da Magnetis venceu o Fintech Awards Latam 2017

Segurança e transparência

Quanto aos procedimentos de investimento, o cliente se beneficia do conhecimento e da experiência das gestoras. Elas são compostas por profissionais habilitados para atuar nesse segmento e que têm o acompanhamento do mercado financeiro como uma tarefa diária. Isso facilita outro aspecto importante nos procedimentos adotados por essas instituições: a tomada de decisões. Dependendo do ativo gerenciado, agir no momento certo interfere positivamente nos resultados a serem alcançados.

Um gestor pode liquidar a posição quando houver perspectiva de retração ou após atingir o objetivo de rendimento, reduzindo, assim, os riscos. Além de fazer sugestões de reinvestimento e rebalanceamento das carteiras de investimento, tudo de forma segura e transparente para o investidor.

Custos totais

Os bancos apresentam os maiores custos totais na comercialização de produtos financeiros. Em geral, são cobradas taxas de administração e de custódia em percentuais mais elevados do que outros agentes do mercado. Corretoras cobram as taxas de corretagem e, eventualmente, de custódia.

É importante lembrar que as corretoras são intermediários importantes na conexão entre investidores e o mercado. Elas são habilitadas para concretizar as operações dos investidores, a taxa de corretagem vem daí. Porém, mesmo assim é importante que o investidor fique atento, pois muitas vezes os custos podem acabar comprometendo a rentabilidade.

Um gestora de investimentos é remunerada de acordo com o investimento de seus clientes. Esse pagamento pode ocorrer com a cobrança de uma taxa relativa ao montante investido ou mesmo por meio de comissões sobre os ganhos obtidos, como taxa de performance. De qualquer maneira, está sempre vinculado às aplicações e os resultados entregues ao investidor.

Quanto às taxas de custódia, é comum que as gestoras (e muitas corretoras, também) assumam esse custo. Isso ocorre para atrair clientes e se justifica pelo fato de que essa despesa se dilui entre a quantidade de ativos operados.

No geral, bancos chegam a cobrar o dobro do valor praticado pelas gestoras de investimentos. Aqui na Magnetis, por exemplo, cobramos apenas uma taxa de 0,40% ao ano sobre o valor investido. Isso sem considerar, o custo dos produtos que recomendamos, que são inerentes a gestão e característicos de cada produto, como as taxas de administração de fundos de investimento.

Mas mesmo com estes custos, ainda assim os nossos custos são muito menores se comparados a média do mercado. O custo total médio das nossas carteiras, com a taxa Magnetis e custo dos produtos é de 0,85% ao ano. Nos bancos, a média fica em 1,72% ao ano.

Por isso, é importante que o investidor faça uma pesquisa minuciosa quanto ao custo total cobrado na hora de escolher um investimento, pois isso interfere diretamente na sua rentabilidade e pode diminuir consideravelmente os seus ganhos.

Como e por que escolher uma gestora de investimentos?

Uma gestora de investimentos assume uma responsabilidade enorme. Ela vai não só aplicar seu dinheiro em ativos que sejam compatíveis com o seu perfil, como vai, também, movimentar seus recursos para impulsionar seus rendimentos. A tomada de decisão, portanto, também estará sob seu comando. Para recapitular, tudo o que discutimos até aqui, confira a seguir as principais vantagens de uma gestora de investimentos em comparação a bancos e corretoras.

Vantagens de investir com uma gestora de investimentos

  • Experiência e conhecimento de profissionais habilitados
  • Diversificação de investimentos
  • Ausência de conflito de interesses
  • Segurança e transparência
  • Custos menores

Como você viu estas são apenas algumas das principais vantagens de investir com uma gestora de investimentos. Bancos e corretoras nem sempre vão oferecer o que o cliente precisa, por isso que o trabalho prestado pelas gestoras pode ajudar a levar o acesso a melhores investimentos para o investidor. Além de oferecer a tranquilidade de saber que o dinheiro está sendo bem cuidado. Para que esse serviço seja o mais vantajoso possível para você é preciso avaliar as instituições desse segmento. Mas existe um método eficiente para escolher uma gestora de investimentos?

Como escolher uma gestora de investimentos

Segundo um estudo da Stern School of Business, instituto sediado em Nova York. Publicada pelos professores Marcin Kacperczyk, Stijn Van Nieuwerburgh e Laura Veldkamp, em 2011, a análise demonstra que é possível fazer uma escolha mais acertada adotando alguns critérios.

O aspecto principal a ser observado são os resultados obtidos pela gestora de investimentos nos anos anteriores, considerando o desempenho obtido em períodos de altas e de baixas do mercado acionário. Isso pode ser feito comparando a rentabilidade das carteiras gerenciadas pela gestora com a performance média do mercado.

magnetis invista no que importa simule gratis

Se a rentabilidade ficar acima da média, o indicativo é positivo, pois sinaliza que a instituição foi capaz de movimentar seus instrumentos de forma eficaz diante das mudanças de cenário que poderiam ter prejudicado os ganhos. O estudo justifica que as gestoras obtêm retornos maiores porque reveem suas estratégias ao longo do período de investimento. Isso é muito diferente de deixar seu dinheiro, simplesmente, aplicado em instrumentos escolhidos. É importante destacar que rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura, mas é um indicativo de que a gestora de investimentos está adotando estratégias corretas ao entregar uma rentabilidade relevante para seus clientes.

A administração correta dos recursos é o grande diferencial que uma gestora de investimentos tem a oferecer. Algo que é bastante difícil que o investidor consiga fazer sozinho. Praticar essa função com eficiência e responsabilidade é determinante para o sucesso dessas instituições, pois traz como consequência a credibilidade. Sem ela, uma empresa não se sustenta. Ou seja, a gestora de investimentos tem muito interesse em atingir ou até mesmo superar suas expectativas, estando alinhado ao que o investidor espera.

Gostou da proposta? Agora que você já sabe como funciona o serviço de uma gestora de investimentos, que tal conferir melhor essas vantagens? Faça uma simulação gratuita na plataforma da Magnetis. Juntos, vamos montar um plano de investimento compatível com o seu perfil e objetivos. 😉

Mariana Congo, da Magnetis

Mariana Congo é Gerente de Comunicação da Magnetis e jornalista especializada em finanças pessoais.

Entenda o que é e como funciona uma gestora de investimentos
5 (100%) 5 votes