X
Magnetis Week

a black friday da

Magnetis Logo
Invista agora
a evolução na edução financeira, conheça a Magnetis.

6 tipos de investimento para a aposentadoria

Como garantir um futuro tranquilo? Como devo investir meu dinheiro para receber dividendos lá na frente? De que forma posso aumentar meus rendimentos? Essas são perguntas muito comuns e que tem não tem uma resposta única. Existem vários tipos de investimento para a aposentadoria que trazem rendimentos alternativos ao INSS.

Neste artigo, você verá como investir seu dinheiro em diferentes aplicações, além de conferir como garantir uma aposentadoria estável financeiramente.

Veja as vantagens dos fundos de investimentos, dos papéis de ações, da previdência privada, do mercado imobiliário e de outras opções. Continue a leitura!

1. Previdência privada

A previdência privada é um fundo de investimento vantajoso no longo prazo. Entre as vantagens dessa modalidade estão a facilidade na contratação, a baixa tributação, a flexibilidade nos aportes e a possibilidade de portabilidade.

Além disso, é possível escolher como deseja receber o dinheiro no futuro: em uma única parcela, mensalmente por um período determinado ou vitalício. De todas as formas, quanto mais cedo você começar a investir, maior será o retorno financeiro devido aos juros compostos que incidem na sua aplicação.

A previdência privada serve como fundo de aposentadoria ou como uma maneira segura de guardar dinheiro. Ela é considerada um investimento seguro porque é composta de aplicações em renda fixa e renda variável.

Entretanto, é um investimento de baixa liquidez. Isso porque quanto mais tempo o dinheiro ficar parado, menor é a tributação que incide nele.

2. Renda Fixa (LCIs, LCAs, Tesouro)

Aplicar em renda fixa significa aumentar os ganhos no longo prazo, com mais segurança e poucos riscos. As taxas podem ser atrativas e os recursos ficam alocados por bastante tempo. 

Na maioria das aplicações de renda fixa, você empresta seu dinheiro a uma instituição financeira ou governamental. Em troca, recebe o valor emprestado acrescido de juros. Portanto, quanto mais tempo você demorar para retirar o dinheiro, maior será a taxa que receberá ao final. 

Com certeza os juros serão maiores em dez anos do que em apenas um ano, certo? Os rendimentos, portanto, podem ser lucrativos, desde que você não faça muitos resgates.

Existem diferentes investimentos de renda fixa: as Letras de Câmbio (LC), Tesouro Direto, CDB, Letra de Crédito Imobiliário (LCI), Letra de Crédito de Agronegócio (LCA), entre outras opções. Esses dois últimos, inclusive, são isentos de imposto de renda.

3. Fundos de investimentos

Os fundos de investimentos são formados por uma carteira de ativos. Eles geralmente são oferecidos por administradoras que disponibilizam cotas para captar recursos. Basta comprar uma cota, pagar um valor estipulado para a instituição financeira que vai gerir o seu dinheiro e seguir as regras previamente acordadas.

A rentabilidade é igual para todos os cotistas, já que o preço também é o mesmo. No entanto, você pode adquirir várias cotas, aumentando seus ganhos. A aplicação inicial mínima pode variar de fundo para fundo, por isso é importante conhecer os diferentes tipos disponíveis no mercado.

Esses investimentos são regulados pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (ANBIMA). 

4. Ações

Ao pensar em ações, logo as relacionamos com títulos de renda variável que apresentam volatilidade e, portanto, risco. Entretanto, comprar papéis pode ser uma boa opção de investimento no longo prazo, pois os ganhos são vantajosos. Na prática, isso significa que adquirir ações de empresas consolidadas na Bolsa de Valores pode ajudar a aumentar seus lucros.

Porém, investir em ações requer um pouco mais de conhecimento em finanças. É necessário acompanhar o mercado financeiro e a saúde das empresas cujos papéis você adquiriu. Só assim será possível identificar o momento ideal para comprar ou vender as ações.

Algumas empresas também distribuem dividendos, ou seja, repassam parte dos lucros aos acionistas. Com essa renda, você pode aumentar seus ganhos, mas é fundamental que toda a sua aposentadoria não dependa de ações já que é um tipo de ativo com mais volatilidade.

5. Câmbio

Poucos pensam nessa possibilidade, mas o câmbio também é um tipo de investimento para a aposentadoria

Investir em câmbio significa aplicar em ativos ligados a uma moeda estrangeira cujas oportunidades de ganho são altas. Investir em dólar ou euro para depois vender, por exemplo, pode gerar lucros consideráveis. 

É possível explorar oportunidades na variação da cotação da moeda. Porém, isso envolve mais riscos: caso a moeda estrangeira perca valor, você também sofre com a desvalorização. No Brasil, as operações forex, os fundos cambiais e os minicontratos de câmbio são as modalidades mais comuns.

6. Imóveis

Casas, apartamentos, loteamentos ou terrenos são métodos tradicionais de aplicação de renda. Mesmo em períodos de crise, o setor imobiliário consegue manter um valor atrativo e se recuperar rapidamente.

Essa é uma opção especialmente se você estiver considerando a possibilidade de alugar o imóvel para receber uma renda passiva mensal. Mas aqui fica o alerta: investir em imóveis não é vantajoso se isso significa que você irá pagar juros altíssimos de financiamento.

Uma outra vantagem é que os imóveis não podem ser congelados pelo governo — como a caderneta de poupança — e não sofrem com a quebra de bancos. Lembrando que comprar imóveis é diferente de investir em fundos imobiliários, que são uma aplicação de renda variável negociada na B3, que também pode ser uma opção interessante.

Como escolher o melhor investimento para a aposentadoria?

Escolher aplicações nas quais você vai investir dependem de alguns fatores: quanto você tem para investir hoje, quanto tempo você tem para acumular esse patrimônio e qual o seu perfil de investidor (ou seja, qual aptidão para risco você tem).

Com essas informações, você pode começar a compor sua carteira. Mas, especialmente quando se fala em um investimento tão importante quanto o da aposentadoria, é fundamental pensar em diversificação.

Desta forma, mesmo que contratempos aconteçam em alguma frente de investimento, você ainda terá os rendimentos de outras aplicações para garantir a sua aposentadoria tranquila e segura.

Como vimos, o investimento para a aposentadoria não precisa ser um só: existem muitas maneiras de aplicar seu capital. Fazer um planejamento consciente, sem deixar de avaliar os riscos, pode garantir um futuro bem mais tranquilo e seguro. E se você quiser receber mais informações sobre investimentos e mercado financeiro, aproveite e assine a nossa newsletter!

Julia Ayres

Julia é jornalista por formação, mas apaixonada por marketing digital, performance e educação financeira. Atualmente, lidera as estratégias de marketing para a área de empresas da Magnetis

leia mais desse autor