X
Magnetis Week

a black friday da

Magnetis Logo
Invista agora
a evolução na edução financeira, conheça a Magnetis.

Veja 6 investimentos para iniciantes e comece agora mesmo!

Depois de se interessar pelo mercado financeiro e conhecê-lo melhor, a dúvida de muitos é sobre como dar o próximo passo nesse planejamento. Se você também está pensando em aplicar o seu dinheiro, conhecer as alternativas de investimentos para iniciantes é uma boa ideia.

Em geral, as características mais buscadas por quem está começando são praticidade, baixo risco e uma boa liquidez. Afinal, ativos assim conferem mais segurança ao patrimônio enquanto garantem rentabilidade ao valor aplicado. Também podem ser boas opções para quem pensa em usar o montante como uma reserva de emergência, já que o resgate é facilitado.

No entanto, antes de qualquer decisão, é indispensável pesquisar bastante para decidir qual alternativa é a mais indicada para o seu perfil. Quer uma ajuda nessa tarefa?

Confira, a partir de agora, 6 opções de investimentos para iniciantes e saiba como começar a aplicar!

1. CDB

Sigla para Certificado de Depósito Bancário, é bem provável que você já tenha visto esse tipo de investimento sendo oferecido por diversos bancos. A razão para isso é que ele funciona como uma espécie de empréstimo feito à instituição financeira que emite os papéis.

Em troca, quem investe recebe todo o valor acrescido da taxa de rendimento predeterminada caso o resgate aconteça no prazo estabelecido em contrato.

Como o percentual de juros que você receberá é estabelecido na hora da contratação, o CDB é considerado um título de renda fixa. Seu maior risco é o de a instituição financeira quebrar, de modo que, quanto mais sólida é a instituição, mais seguro é o investimento.

Há, ainda, uma garantia adicional, que é a cobertura do Fundo Garantidor de Créditos (FGC). Assim, em caso de falência do banco emissor, a instituição cobre as perdas em até R$ 250 mil por CPF.

2. Tesouro Direto

Funciona de forma semelhante ao CDB, porém, nesse caso, você estará negociando com o Governo Federal em vez de com bancos. Surgido em 2002, o Tesouro Direto se destaca por ser muito acessível, já que permite investimentos sem a necessidade de um grande aporte de recursos.

Há também a possibilidade de optar entre títulos prefixados e pós-fixados, de diferentes vencimentos e rentabilidades. Somado a isso, os baixos riscos do negócio fizeram do Tesouro Direto uma das principais opções de investimento dos últimos anos.

Ao fazer seu cadastro junto a uma instituição financeira para operar no Tesouro Nacional, é possível gerenciar seus investimentos pela internet. Isso facilita o seu planejamento financeiro. Todos esses aspectos fazem com que o Tesouro Direto seja uma opção prática e segura para quem busca um bom investimento para sair da poupança.

Tesouro Direto: como investir?

3. Fundos de investimentos de renda fixa

A diversificação é uma estratégia sempre recomendada para quem aplica dinheiro no mercado financeiro. Por isso, optar pelos fundos de renda fixa é uma boa forma de começar a investir.

Eles funcionam como uma carteira composta por diversos ativos de renda fixa, mas com algumas diferenças entre si. Tal característica faz com que esses fundos tenham opotencial de gerar melhores rendimentos em comparação ao investimento em apenas um ou outro ativo específico.

É importante destacar que a gestão dos fundos de investimentos é feita por profissionais experientes no mercado financeiro. São eles os responsáveis por determinar os ativos que farão parte da carteira, buscando os melhores resultados possíveis. Por isso, quem investe na modalidade precisa considerar a taxa de administração cobrada para decidir se o negócio vale a pena.

4. LC

Mais conhecidas como LCs, as Letras de Câmbio são opções de investimento para iniciantes, e costumam oferecer taxas de rentabilidade atrativas. Novamente, a ideia aqui é aplicar recursos em papéis emitidos por financeiras, que usam os valores captados para custear suas operações.

A taxa de rentabilidade é predefinida, geralmente ficando acima de 100% do CDI, um indicador financeiro que serve como referência para alguns investimentos. Contudo, é preciso aguardar até a data limite de resgate para obter o máximo retorno possível com a aplicação.

Essa é uma boa alternativa para momentos em que a economia apresenta taxas de juros baixas, graças aos seus rendimentos superiores. Também há um bom nível de segurança na operação, que é protegida pelo FGC contra qualquer imprevisto.

5. CRI

Os Certificados de Recebíveis Imobiliários, ou apenas CRIs, são títulos atrelados a empresas do setor imobiliário e de construção civil. Eles são emitidos por securitizadoras contratadas por essas companhias, que organizam os créditos em forma de títulos que podem ser negociados no mercado financeiro.

Essa é considerada uma aplicação de renda fixa, uma vez que os rendimentos são definidos no momento da aquisição dos papéis. O aporte inicial exigido, no entanto, costuma ser maior do que em outras opções de investimento semelhantes.

Outra característica que deve ser considerada por quem está começando é a liquidez da aplicação. Os CRIs são títulos indicados para quem tem planos de médio a longo prazo, pois não é possível resgatar os valores antes da data acordada.

Quanto aos riscos, aqui eles também são um pouco maiores, já que os papéis são lastreados em empresas privadas e não há cobertura do FGC. Em contrapartida, não há incidência de taxas nem Imposto de Renda, o que torna o negócio interessante para alguns perfis.

6. CRA

Quem se interessou pelo último modelo de investimento que citamos, mas prefere aplicar no setor agropecuário, pode optar pelos títulos de CRA. Os Certificados de Recebíveis do Agronegócio destinam os recursos aplicados para o financiamento de atividades do campo, beneficiando produtores rurais e cooperativas.

Da mesma forma, o investimento é indicado para quem tem estratégias de longo prazo e está disposto a encarar um risco moderado. Vale destacar que CRIs e CRAs contam com papéis pré e pós-fixados, o que faz deles boas opções para se montar uma carteira bem diversificada.

Todas as alternativas que vimos neste post estão disponíveis para qualquer pessoa interessada em investir. Basta analisar as características desses investimentos, levando em consideração seu próprio perfil, o que aumenta as chances de fazer uma escolha acertada.

As melhores alternativas de investimentos para iniciantes agora você já conhece. Falta apenas descobrir como colocar seus planos em prática. Se quer uma ajuda nesse processo, confira agora o questionário exclusivo que elaboramos para mostrar como você pode dar os primeiros passos!

Letícia Nonato

Letícia Nonato é analista de SEO na Magnetis. Publicitária, investidora e apaixonada pelo mercado financeiro.

leia mais desse autor