5 pontos essenciais que você deve saber antes de investir em ações

por Arthur Utchitel

Investir em ações pode ser uma decisão inteligente caso o seu objetivo seja acumular um patrimônio no longo prazo, a fim de obter uma aposentaria adiantada e oferecer um padrão de vida confortável para a sua família. No entanto, esse é um território que deve ser descoberto com cautela.

Pensando nisso, separamos 5 dicas importantíssimas para guiar os seus primeiros passos ao investir em ações. Fique conosco!

1. O mercado de ações não é um jogo de azar

Muita gente pensa que o mercado de ações é um balcão de apostas, algo em que você coloca seu dinheiro e depende de sorte para ver seu patrimônio se multiplicar. Porém, isso é um grande engano.

A sorte é sempre bem-vinda, mas a verdade é que investir em ações depende primordialmente de conhecimento. Estamos falando de um mercado de renda variável, cujo retorno depende de inúmeros aspectos externos podem levar a um resultado positivo ou negativo no final das contas.

Mesmo assim, quando você compreende o cenário que o cerca e toma decisões baseadas em dados confiáveis, o risco, apesar de continuar existindo, é minimizado.

2. Investir em ações na crise é viável

Em tempos de crise, o mercado fica abalado, todo mundo tende a ficar mais conservador e é impossível ganhar dinheiro em meio a toda essa confusão, certo? Errado!

É durante a crise que surgem oportunidades de ouro, pois é bem provável que muitas das empresas de capital aberto perderão algum valor. Esse é um momento vantajoso para investir em ações, pois, consequentemente, o preço delas vai cair.

Como o mercado funciona de forma cíclica (ou seja, em períodos alternados de alta e de baixa), quando a crise passar e seus ativos se valorizarem, será a situação perfeita para vender seus papéis e lucrar com essa operação.

3. O longo prazo é a melhor alternativa inicial

Há quem opere na Bolsa de Valores e ganhe dinheiro com transações de curto prazo. Mas se você está começando agora a investir em ações, o recomendável é pensar no longo prazo.

Quem mergulha no mercado de capital aberto fica de olho nas flutuações de preços das ações para lucrar na compra e na venda rápida. Isso requer muitas horas de dedicação a essa atividade, mas esse não é o seu perfil, não é mesmo? Além disso, operações diárias têm maiores custos de transação e de impostos.

Se você não possui tempo disponível para vigiar seus ativos constantemente, saiba que é possível ganhar com ações no longo prazo. Basta levar em conta a premissa de que estamos em um mercado que alterna períodos de crise e de prosperidade.

No entanto, veja bem: se vai investir em ações no longo prazo, é preciso ter resiliência para não vender os títulos caso seus valores desabem em uma eventual época turbulenta.

É nesse tipo de situação que você pode perder dinheiro e se arrepender profundamente quando, no futuro, o mercado estiver recuperado e aqueles papéis vendidos anteriormente estiverem mais valorizados.

4. Não invista um dinheiro que vai fazer falta

É melhor aplicar um dinheiro com o qual você não vai precisar contar num futuro próximo. Caso contrário, isso aumentará o risco de perdas ao investir em ações.

Imagine que você deu seus primeiros passos no mercado de ações e investiu um valor considerável em algumas empresas. Algum tempo depois, surgiu a oportunidade do emprego dos seus sonhos. Porém, será necessário abandonar imediatamente o seu cargo atual e passar alguns meses estabelecido em outra cidade, para treinamento na sede do seu novo empregador.

Sem uma reserva financeira para se manter nesse período, você procura os seus investimentos e se vê diante de uma difícil decisão: se vender suas ações agora, vai perder dinheiro.

Para evitar dilemas assim, você precisa ter certeza de que o valor direcionado para investir em ações não será necessário no curto prazo, combinado? O ideal é que sua reserva de emergência fique aplicada em ativos de renda fixa de fácil resgate, como fundos DI, Tesouro Selic ou CDB.

5. Tenha uma carteira diversificada

Este é um dos princípios mais básicos do mundo dos investimentos, que deve ser considerado em renda fixa e, sobretudo, em renda variável: diversifique!

Aqui, recorreremos a uma analogia clássica: não é prudente colocar todos os ovos na mesma sacola quando você volta do mercado, pois, se ela rasgar, você perde tudo.

O mercado de ações funciona de forma similar, pois o investidor cauteloso não aplica seu capital em uma única empresa. Esse é um plano para minimizar o risco.

Digamos que você tenha investimentos nas empresas A, B e C. Se A e B estão mal, mas C tem um desempenho surpreendente, os ganhos desta última podem ser mais que suficientes para cobrir as perdas das outras e fazer toda a sua operação conquistar um resultado positivo.

Para quem está começando a investir em ações, duas alternativas são ideais para manter a carteira diversificada: ETFs e fundos de ações.

  • ETF: significa Exchange Traded Fund (fundo negociado em bolsa, traduzindo livremente) e é um fundo cujo objetivo é garantir um retorno similar a determinado índice - por isso também é chamado de fundo de índice;
  • fundos de ações: "cesta" de ações administradas por um gestor ativo, distribuída por cotas que compõem o patrimônio total do fundo.

Recomendamos os ETFs por conta do baixo custo de administração do fundo. Se quiser saber mais a respeito, veja este artigo que explica em detalhes o que são os ETFs.

Como vimos, investir em ações não é algo exclusivo para aqueles mais dedicados ao mercado financeiro, que ficam o dia inteiro vidrados em um home broker.

Você mesmo pode dar os primeiros passos no mercado de capital aberto e conseguir alguma rentabilidade, acompanhando os investimentos do seu computador e tomando as precauções que indicamos aqui. Se precisar de ajuda, procure profissionais que possam identificar as melhores ações ou, se for o caso, outro tipo de investimento mais adequado ao seu perfil.

Se quiser estudar um pouco mais sobre o mercado de capital aberto, conheça agora os tipos de ações e qual delas se encaixa melhor em seus objetivos!

Arthur Utchitel é contabilista e consultor de Investimentos na Magnetis

Arthur Utchitel é contabilista e consultor de Investimentos na Magnetis.