Invista agora
a evolução na edução financeira, conheça a Magnetis.

Você pode investir de um jeito melhor, e nós podemos provar.

Baixe o app!

As 12 melhores dicas para juntar dinheiro rápido

Saber como juntar dinheiro rápido é o pontapé inicial para entrar no mundo dos investimentos. Afinal, o planejamento financeiro é uma das bases de quem tem a preocupação de acumular capital e fazer seu patrimônio crescer. 

É comum encontrarmos dicas surreais, de especialistas que, com frequência, não compartilham da mesma realidade que a maioria das pessoas. Por isso, muita gente desanima — principalmente, por acreditar que juntar dinheiro só é possível quando você já tem muito. 

Assim, a primeira coisa que precisamos deixar claro é que é possível juntar dinheiro rápido, mesmo que seja um pouco por mês ou por um período mais adequado à sua realidade.

Dito isso, a seguir, você confere 12 dicas práticas para começar agora mesmo a juntar dinheiro rápido e ficar mais perto de conquistar o seu objetivo. Confira o conteúdo! 

1. Estabeleça seu objetivo

Como falamos sobre o objetivo, esse processo é a primeira tarefa para que você consiga juntar dinheiro.

Definir um objetivo financeiro, com um motivo bem estabelecido e um planejamento adequado, é fundamental para que você consiga guardar dinheiro.

Normalmente, o principal motivo que leva as pessoas ao processo de juntar dinheiro é a conquista de um objetivo.

Assim, todas as vezes que pensar em gastar mais do que deve ou, mesmo, pegar esse dinheiro para outras coisas, você vai se lembrar de que tem um plano e objetivo em mente. 

Portanto, tenha, na ponta do lápis, quanto você precisa juntar. Assim, também será mais fácil encontrar em quais aspectos é possível economizar

2. Controle os seus gastos

Não há como falarmos de juntar dinheiro rápido sem que você controle seus gastos em cada detalhe. Sem isso, até despesas aparentemente irrelevantes, como o açaí e o café no intervalo do trabalho, podem se tornar uma bola de neve. O princípio básico é bem simples: não se pode despender mais do que se recebe

Para isso, é necessário que você conheça suas despesas fixas, seus gastos avulsos e, sobretudo, as suas fontes de receitas

Para que essa dica se torne mais fácil, a próxima é de muita ajuda. 

3. Tenha uma planilha financeira

Quando falamos em controle de gastos, uma planilha financeira é uma das melhores formas de fazer esse gerenciamento.

Uma boa planilha de gastos, além de proporcionar que você tenha uma visão geral da sua receita e das suas despesas mensais ou anuais, também ajuda a entender quais são as contas que podem ser cortadas ou reduzidas. 

Para montar uma boa planilha financeira, você deve colocar diariamente, ou semanalmente, dados como:

  • renda (salários e outros ganhos);
  • gastos essenciais (aqueles de que você precisa para sobreviver e que não estão passíveis de cortes);
  • gastos avulsos (despesas gerais com supermercado, aplicativos de comida, lazer e serviços de streaming, entre outros);

Além disso, para que você tenha uma visão ainda melhor, o ideal é dividir seus gastos em categorias. Confira, a seguir, alguns exemplos de como isso pode ser organizado:

  • moradia: aluguel, contas de água, luz, gás, internet, telefone etc.;
  • alimentação: supermercado, restaurantes etc.; 
  • transporte: gasolina, seguro de carro, revisão, passagens, aplicativos de transporte etc.; 
  • saúde: convênio médico, academia, remédios;
  • gastos pessoais: roupas, acessórios;
  • lazer: todos gastos que são realizados com o objetivo de lhe proporcionar prazer e diversão. 

4. Determine um valor fixo para juntar todo mês

Uma prática muito recomendada e eficiente é definir uma quantia mensal para você juntar. Inclusive, é interessante colocá-la em sua planilha financeira, como um gasto que você tem todo mês. 

Essa quantia depende da sua condição, do seu planejamento e do seu objetivo. No entanto, é importante que não deixe de cumprir com essa meta e, sempre que possível, tente juntar mais do que esperava. Assim, ficará mais perto do resultado que espera. 

desafio 52 semanas

5. Mude sua rotina

Se o objetivo é juntar dinheiro rápido, será preciso mudar algumas rotinas, principalmente aquelas que levam você a comprar por impulso e a gastar mais do que deve. 

Assim, reveja seu consumo de itens que podem ser substituídos por opções mais baratas. Quer ver um bom exemplo? Muitas pessoas deixam de almoçar em restaurantes e começam a levar sua própria comida para o trabalho.

Além disso, é interessante rever gastos com aplicativos de comida e de transporte. Às vezes, pensamos que são alternativas mais baratas, mas, no fim do mês, representam grande parte das despesas. 

6. Envolva as pessoas próximas a você

Mudar uma rotina de gastos e consumo compulsivo será muito difícil se você tiver parentes e amigos que estimulem esse comportamento no dia a dia. Por isso, para, de fato, juntar dinheiro rápido, é importante envolver as pessoas próximas. 

Se o objetivo for de toda a sua família, cada um deve ter suas metas de economia e de controle de gastos. Além disso, há a necessidade de colaboração. Assim, toda a casa passa a andar na mesma direção.

Se você mora sozinho e precisa juntar dinheiro rápido, a dica é falar com seus amigos sobre esse objetivo e fazer com que eles se sintam parte disso. Sabe aquele happy hour no bar mais caro da cidade? Ele pode ser trocado por uma confraternização em casa, por exemplo. 

7. Elimine suas dívidas

Outro ponto de atenção diz respeito às dívidas, sejam elas vencidas ou a vencer. Na medida do possível, uma das principais recomendações para quem está juntando dinheiro é acabar de uma vez por todas com essas grandes vilãs da organização financeira.

Claro, isso pode ser difícil e vai depender das particularidades de cada pessoa. Entretanto, sempre que possível, pague o máximo de contas que puder e só depois disso comece o seu projeto de juntar dinheiro.

Na hora de guardar dinheiro, tudo é organização e matemática. Por isso, coloque os valores no papel, faça os cálculos e avalie o que vale mais a pena de acordo com o seu caso.

As altas taxas de juros podem ditar qual será o melhor caminho. Não adianta nada juntar dinheiro se você tem uma dívida com taxas de juros que são maiores que a rentabilidade de um investimento, por exemplo.

8. Trabalhe com planejamentos periódicos

Os planejamentos periódicos consistem na ideia de estabelecer objetivos por prazos. Imagine que você queira juntar R$ 20.000,00 para fazer uma viagem para a Europa no final de 2021.

Se tem 12 meses para atingir esse objetivo, terá que guardar, pelo menos, R$ 1.670,00 por mês. No planejamento periódico, você pode estabelecer metas por trimestre. Ou seja, guardar R$ 5.010,00 até o final de março, depois mais R$ 5.010,00 até o final de junho e assim sucessivamente, até chegar ao mês de dezembro.

Com o planejamento periódico, você tem foco e consegue se sentir mais motivado para atingir os seus objetivos.

9. Cuidado com taxas de cartão de crédito

O cartão de crédito pode ser um grande vilão do planejamento financeiro. Se você não souber usar esse método de pagamento de forma adequada, corre grandes riscos de ficar no vermelho.

Por isso, para quem não tem facilidade de administrar o uso do cartão, a recomendação é não utilizá-lo.

E, mesmo que você use, lembre-se de evitar o parcelamento da fatura ao máximo. As taxas e juros desse tipo de movimentação são muito elevados e podem causar um rombo nas suas finanças.

Confira, a seguir, quais são as principais armadilhas do cartão de crédito!

Excesso de parcelamentos

A possibilidade de parcelar pode parecer uma grande ajuda — e, de fato, é. Entretanto, essa também pode ser uma armadilha, já que acaba prolongando as dívidas por períodos de tempo muito dilatados.

Falta de acompanhamento dos gastos

Quem usa o cartão de crédito, muitas vezes, não faz um acompanhamento eficiente dos gastos. Isso pode causar surpresas quando chega a fatura. A dica é usar uma ferramenta de controle, como um aplicativo específico para gestão de gastos e planejamento financeiro.

Função rotativa

Como destacamos, no vencimento da fatura, a pessoa tem a opção de pagar o valor total ou parcial. Optando pelo pagamento parcial, você vai ter que arcar com juros elevados, que podem representar uma quantia expressiva ao longo de muitos meses.

Anuidade

Outro ponto de atenção com relação ao uso do cartão de crédito são as anuidades cobradas pelas instituições bancárias para que você possa usar o cartão. Ela, geralmente, é cobrada em parcelas, mas alguns valores são realmente abusivos. 

Por isso, é importante sempre verificar quanto você está pagando e avaliar a possibilidade de conseguir valores mais baixos ou, até mesmo, anuidade gratuita.

10. Busque uma renda extra

Outra boa dica para quem quer guardar dinheiro é: busque formas de complementar a sua renda.

Você tem um trabalho bacana, mas com tempo livre para fazer algumas atividades de freelance? Talvez seja uma boa hora para começar a vender os seus serviços no mercado.

Assim, se você tem talento para a produção de doces e a turma de colegas de trabalho é numerosa, uma opção é começar a fazer doces e venda para eles. 

Logo, verá que pequenos movimentos já podem significar um aumento expressivo na sua renda, representando uma complementação que vai fazer toda a diferença no seu orçamento pessoal e familiar.

Busque algo que funciona para você e coloque todo o dinheiro da sua renda extra no seu projeto de começar a conquistar autonomia financeira.

11. Escolha uma boa forma para guardar esse dinheiro

Não basta juntar o dinheiro e deixá-lo dentro da gaveta ou, mesmo, na sua conta bancária. E essa afirmação vale tanto para a conta-corrente quanto para a poupança. 

Além do risco de você cair em tentação ao ver o dinheiro parado ali, ao colocá-lo no lugar certo, vai ter um rendimento que pode fazer toda a diferença para acelerar seus resultados

No caso da poupança, por exemplo, que, por muitos anos, foi o principal meio de “investimento” dos brasileiros, as desvantagens são muitas:

  • rentabilidade abaixo da inflação;
  • rendimento apenas uma vez ao mês;
  • entre os produtos financeiros disponíveis, é o que menos se destaca; 
  • não é a opção mais segura do mercado.

Algumas pessoas deixam o que têm na poupança porque acreditam que ela é a única opção para quem tem pouco dinheiro. Mas saiba que esse pensamento é equivocado. Existem opções de investimento bem interessantes até mesmo para aqueles que não têm tanto assim, mas já querem começar a montar uma carteira.

12. Invista o seu dinheiro

Como você já deve imaginar, a nossa última dica é: invista. Juntar dinheiro pressupõe fazer investimentos. Isso, porque eles é que vão ajudar a fazer seus recursos renderem.

Existem opções de produtos específicos recomendados para iniciantes, além de ativos direcionados a diferentes perfis.

Aprenda a avaliar o que funciona melhor para você e, sempre que possível, busque o suporte de uma consultoria especializada.

Outra dica importante é investir em educação financeira. Ela consiste em aprender a usar o seu dinheiro, independentemente da renda.

Com inteligência financeira, você passa a tomar decisões mais acertadas e entende o que fazer com o seu salário, usando-o de forma estratégica.

Por isso, você deve encontrar um investimento para fazer com que o seu dinheiro trabalhe por você. Assim, enquanto você está lutando para economizar mais, garante que a quantia que já juntou está rendendo.

A dica dos especialistas é que você encontre um tipo de investimento que combine com o seu planejamento, levando em consideração o tempo, a quantia e, também, os riscos que aceitaria correr. 

Para que essa busca seja ainda mais fácil, conte com uma consultoria de investimentos. Afinal, as chances de encontrar uma aplicação mais condizente com o seu perfil são maiores quando você tem ajuda de especialistas. 

Antes de contratar um profissional da área de consultoria, lembre-se de analisar com cuidado quais são os serviços oferecidos, a fim de identificar se eles se adaptam às suas necessidades.

Outro ponto de atenção são as taxas cobradas nas operações. Essa informação é fundamental para determinar se a escolha é realmente rentável. Afinal, como já destacamos, investir é organização e matemática.

Como você viu, antigamente, muita gente procurava a poupança como forma de juntar dinheiro rápido. No entanto, a rentabilidade da caderneta é pequena, o que prejudica a valorização do seu dinheiro. Por isso, é preciso fazer uma análise dos seus investimentos e ver as formas de aplicar melhor seu capital. Se, com esta leitura, você entendeu como juntar dinheiro rápido, aproveite para assinar a newsletter da Magnetis e receba todas as nossas produções em primeira mão!

Andressa Siqueira, CEA
Andressa Siqueira, CEA

Formada em Economia pela PUC-SP, é analista de conteúdo, especialista em investimentos na Magnetis desde 2019, possui certificação CEA pela ANBIMA e trabalha no mercado financeiro há mais de 8 anos.

leia mais desse autor