Juros da poupança: você sabe como são calculados? Entenda aqui!

por Malena Oliveira

Embora seja a aplicação mais conhecida entre os brasileiros, muitas pessoas ainda têm dúvidas sobre como os juros da poupança são calculados.

Não é de hoje que você deve ouvir falar que o rendimento da caderneta é ruim e que existem aplicações que rendem mais do que a caderneta. A partir de agora, você vai entender mais a fundo o porquê.

Neste texto, vamos explicar quais são as regras de cálculo dos juros da caderneta. Você vai entender também o que é o chamado aniversário da poupança e como ele influencia no rendimento da poupança. Vamos começar?

O que é a poupança?

A caderneta de poupança é a aplicação mais básica do mercado. Trata-se de uma conta bancária cujos depósitos são remunerados a cada 30 dias, de acordo com regras pré-determinadas.

A poupança é a primeira - e às vezes única - aplicação financeira com que a maioria dos brasileiros têm contato.

Uma de suas maiores vantagens é a simplicidade. Isso porque é possível abrir uma conta poupança em diversos banco, inclusive online.

Não é necessário muito esforço para aplicar dinheiro na caderneta: bastam alguns comandos e pronto! Os recursos serão transferidos em instantes.

Os saques da poupança também podem ser feitos a qualquer momento, sem nenhum prejuízo.

Além disso, outra grande vantagem é não ter de pagar Imposto de Renda (IR) na hora de sacar esse valor. Porém, como vamos ver mais adiante, existem investimentos tão seguros quanto a poupança e que rendem mais.

Não é à toa que há muitas pessoas acomodadas nessa aplicação, mesmo sabendo que o seu rendimento é ruim.

Como surgiu a poupança?

Além de muito simples, a poupança é bastante antiga: sua criação data do período em que o Brasil ainda era um Império.

O decreto que deu origem a ela foi assinada pelo então imperador Dom Pedro I, em 12 de janeiro de 1861 (ou seja, há quase 160 anos). Naquela época, o intuito era fornecer às classes menos favorecidas uma forma simples de acumular recursos.

O decreto imperial que criou a caderneta de poupança determinou que ela fosse remunerada pelo Tesouro Imperial a taxas de 6% ao ano (curiosamente, similares aos rendimentos atuais). No entanto, ao longo das décadas foram feitos ajustes para que a aplicação se adaptasse à realidade econômica do país.

Nos anos 1960, por exemplo, foi instituída a correção monetária, pela qual a poupança passou a pagar a correção da inflação mais a chamada “taxa real” de 0,5% ao mês. Já nos anos 1980, graças à inflação fora de controle, a correção passou a ser diária.

O que é aniversário da poupança?

Aniversário da poupança é a data em que a conta completa um ciclo de 30 dias, que começa a conta de sua abertura. Essa data geralmente vem escrita no seu extrato bancário ou no internet banking.

O aniversário da poupança é um dos motivos pelos quais o rendimento da caderneta é baixo. Segundo o Banco Central, a rentabilidade é calculada sobre o menor saldo de cada período de rendimento, contando a partir do aniversário.

Dessa forma, além de render somente a cada 30 dias, o dinheiro depositado na poupança é remunerado pelo menor saldo em conta em cada período. Esse mecanismo puxa o rendimento da caderneta ainda mais para baixo.

Como os juros da poupança são calculados?

Atualmente, o cálculo dos juros da poupança segue duas fórmulas diferentes: uma delas vale para os depósitos feitos a partir de 4 de maio de 2012, e a outra para as aplicações feitas antes dessa data.

Até 2012, os depósitos na poupança rendiam 0,5% ao mês, mais a taxa referencial (a famosa TR).

Com a nova regra de cálculo da poupança, o rendimento passou a considerar a taxa Selic, a taxa básica de juros da economia:

  • quando a Selic está acima de 8,5% ao ano, a poupança rende 0,5% + TR;

  • quando a Selic está abaixo de 8,5% ao ano, a poupança rende 70% da Selic + TR.

Simulador da poupança: faça seus cálculos!

A poupança acumulou rentabilidade de 4,68% em 2018, segundo o Portal Brasil.

Assim, como ficaria o investimento de alguém que depositou R$ 1 mil na caderneta em janeiro? Vamos aos cálculos:

Aplicação na poupança: R$ 1 mil

Rendimento acumulado em 2018: R$ 46,80

Valor final: R$ 1.046,80

Só para você ter uma ideia, o Tesouro Selic - um dos investimentos mais básicos depois da poupança - rendeu 6,28% no mesmo período.

Mesmo depois do desconto do IR e da taxa de custódia, o retorno foi de 4,91% para uma aplicação de um ano (17,5% de IR). Assim, uma aplicação de R$ 1 mil teria um retorno líquido de R$ 1.049,19. Parece uma diferença bem pequena, mas o segredo é o longo prazo.

Vamos ver outro exemplo, agora pensando mais adiante: suponha que você tenha R$ 1 mil para investir hoje e que vá fazer aplicações adicionais de R$ 100 todo mês durante 30 anos. Ao final desse período, você terá R$ 106.474,08 na poupança.

Mas ainda não acabamos! Uma carteira diversificada de baixo risco, um investimento com a mesma segurança, renderia R$ 115.897,41 nos mesmos parâmetros.

A diferença é de R$ 9.423,33 em 30 anos. São R$ 314,11 perdidos a cada ano que o dinheiro permanece investido na poupança (!).

Simulador de poupança: faça os seus cálculos

Simule o rendimento da poupança na Calculadora da Poupança Magnetis

Quais as perspectivas da poupança para 2019?

Como vimos nos tópicos anteriores, a rentabilidade da poupança depende diretamente do comportamento da Selic. É importante ter em mente que a rentabilidade da poupança é quase sempre a menor do mercado.

Embora seja um investimento seguro e simples de administrar, outras alternativas conseguem unir essas características e ainda oferecer retornos maiores. É o caso dos títulos do Tesouro Direto, do CDB, das Letras de Crédito ou mesmo da Nuconta.

Cada uma dessas formas de investimento conta com regras próprias, e é preciso estar atento a elas, mas a rentabilidade entregue quase sempre superará a poupança.

Ainda que existam essas opções que ofereçam rendimentos maiores do que os juros da poupança, ela pode ser uma boa opção para compor carteiras de perfil mais conservadoras ou de acordo com certos objetivos.

Quem, por exemplo, quer manter uma reserva de emergência, pode contar com essa aplicação, que permite saques a qualquer momento, sem qualquer burocracia.

Quer desmistificar de uma vez por todas a poupança e entender por que outras opções podem ser melhores? Baixe grátis o nosso ebook Desmistificando a Poupança: Por que outras aplicações são melhores? e tire suas dúvidas!

Luciano

Malena Oliveira é jornalista especializada em Finanças Pessoais e redatora na Magnetis.

Juros da poupança: você sabe como são calculados? Entenda aqui!
Avaliar o post