X
Magnetis Week

a black friday da

Magnetis Logo
Invista agora
a evolução na edução financeira, conheça a Magnetis.

O que são fundos de previdência e como escolher os melhores?

O fundo de previdência costuma chamar atenção de quem investe, pois há possibilidade de complementar a aposentadoria oficial recebida pelo INSS. Além disso, tem uma característica marcante: não possuem come-cotas e tem incentivos tributários interessantes.

Mas não dá para escolher qualquer fundo de previdência com a certeza de que se terá uma aposentadoria tranquila. É necessário saber como eles funcionam e quais são os mais adequados às suas necessidades e objetivos. 

Por isso, elaboramos este post. Continue a leitura e entenda o que é um fundo de previdência, os tipos disponíveis e como escolher o seu!

O que é um fundo de previdência?

Um fundo de previdência privada, em geral, funciona como qualquer outro fundo de investimento. Cada fundo tem um valor mínimo para aplicar, e é possível realizar aportes mensais. Quem investe é dono de uma cota do patrimônio total do investimento e recebe rendimentos proporcionais ao dinheiro depositado.

A cota de quem investe no fundo rende ao longo do tempo sob o efeito dos juros compostos. O fundo de previdência, como outros fundos no mercado, cobra uma taxa de administração, que remunera o trabalho de seu gestor.

Mas o fundo de previdência tem diversas particularidades quando comparado a um fundo tradicional. No fundo de previdência, há duas fases distintas: a de acumulação e a de usufruto. No período da aposentadoria, é possível receber um salário vitalício, possibilidade que não existe nos fundos tradicionais.

O fundo de previdência também oferece benefícios fiscais. Os do tipo Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL) possibilitam deduzir do Imposto de Renda até 12% da renda anual bruta. A alternativa vale para quem faz a declaração completa do imposto.

Outra característica dos fundos de previdência é a ausência de come-cotas. O mecanismo de antecipação do IR semestral, presente em multimercado, renda fixa e cambiais, interfere na rentabilidade dos fundos.

Além disso, em um fundo de previdência existem dois tipos de tabelas de tributação: regressiva ou progressiva. Na regressiva, a alíquota é reduzida ao longo do tempo até chegar a 10% para investimentos acima de 10 anos. 

na progressiva, a alíquota muda conforme o valor resgatado. Quanto maior o resgate, maior a alíquota do tributo. Ela varia de 0 (isento) a 27,5%.

Quais são os tipos de fundos de previdência?

Os fundos de previdência podem ser muito diferentes entre si. Eles podem investir até 70% de suas aplicações em ativos de renda variável, como ações. E, quanto maior o valor investido em renda variável, maior tende a ser a rentabilidade do fundo, mas também o seu risco.

Conheça abaixo os tipos de fundos de previdência oferecidos no mercado e como eles funcionam.

Previdência Renda Fixa

Esse fundo segue indicadores que acompanham a Selic, como o CDI. Aplica a maior parte dos recursos em títulos pós-fixados do Tesouro e de crédito privado (emitido por empresas ou bancos). Também pode aplicar em títulos prefixados e que seguem a inflação. São indicados para quem tem perfil conservador ou para quem está próximo de se aposentar e não pode correr muitos riscos.

Previdência Multimercado

Esses fundos se baseiam no cenário para a economia no médio e longo prazo. Têm liberdade para investir em diferentes classes de ativos, de renda fixa ou variável, como títulos do Tesouro, câmbio e ações. É indicado para pessoas com perfil moderado, ou para quem está mais ou menos perto de se aposentar.

Previdência Balanceados

Funcionam de forma semelhante aos fundos multimercado. Contudo, têm limites para investimentos em cada tipo de ativo, como ações e câmbio. Essa característica permite controlar mais o seu risco.

Previdência Ações

O fundo investe a maior parte de seus ativos em ações, até o limite de 70%. É indicado para quem tem perfil arrojado ou para jovens, que estão longe de se aposentar.

Previdência Data-Alvo

Buscam retorno em um prazo determinado. Como consequência, vão reduzindo o risco das aplicações conforme se aproximam da data determinada.

O que constitui bons fundos ao longo do tempo?

Previdências privadas possibilitam a escolha dos valores a serem investidos e suas periodicidades. Há aqueles que determinam um mínimo mensal, não havendo como reduzi-lo posteriormente.

Avalie, ainda, se existirão carências, caso você queira sair do seu investimento. Existem planos cujos prazos são anuais, outros tem carência de apenas dois meses.

Outro item importante a se analisar são as taxas administrativas cobradas pelos fundos de previdência. Avalie e compare mesmo os fundos oferecidos pela mesma instituição financeira, porque eles podem apresentar diferentes taxas dependendo da complexidade da gestão.

Comparemos a taxa de dois planos diferentes: uma em 0,6% e outra em 2%. A diferença pode parecer pouca, mas é muito relevante no longo prazo. Ou seja: taxas de administração poderão influenciar fortemente seu patrimônio futuro.

Consequentemente, para você não sair perdendo lá na frente, recomendamos um plano isento de taxa de saída e carregamento.

Como escolher um fundo de previdência?

Os fundos de previdência devem ser escolhidos de acordo com o perfil de risco de quem investe e de acordo com a distância que o investidor está da aposentadoria. Quanto mais próximo, é mais recomendado fundos de baixo risco e com mais ativos em renda fixa. Já quem está mais longe de se aposentadoria, pode correr alguns riscos visando uma rentabilidade mais elevada.

Em ambos os casos, vale analisar a estratégia utilizada, o rendimento histórico e a reputação da instituição financeira que gerencia o fundo. Além disso, é fundamental observar com atenção as taxas administrativas cobradas pelo fundo. Alguns podem ter um custo alto, retirando uma parte importante da sua rentabilidade.

Outro motivo para escolher um fundo de previdência de acordo com as necessidades de quem investe são as regras de tributação. Para isso, é necessário verificar o tipo de declaração feita no IR, perfil de renda, possibilidade de resgate dos valores e prazo do investimento.

É importante, contudo, que essa escolha seja feita com calma. Isso porque, apesar de ser possível realizar a portabilidade do plano de previdência, existem limitações. Por exemplo, não é possível transferir o valor de um PGBL para um VGBL.

Agora você já sabe o que é um fundo de previdência e como escolher um. Então, que tal entender como investir seu dinheiro de forma segura e com boa rentabilidade? Acesse a nossa Biblioteca Financeira, que reúne dicas sobre as melhores aplicações!

Julia Ayres

Julia é jornalista por formação, mas apaixonada por marketing digital, performance e educação financeira. Atualmente, lidera as estratégias de marketing para a área de empresas da Magnetis

leia mais desse autor