Invista agora
a evolução na edução financeira, conheça a Magnetis.

Saiba como mudar de vida em 10 passos simples

Existem algumas fases em que a gente sente que precisa mudar de vida. Por exemplo, ter novos objetivos (como conquistar a tão sonhada liberdade financeira), conhecer novos ares, entre outras questões que parecem dar aquele fôlego a mais. 

Entretanto, nenhuma mudança é simples. Existe uma grande tendência de nos mantermos na nossa zona de conforto — e não é à toa que ela tem esse nome. Mas, se houver um esforço extra e um pouquinho de disciplina, o jogo já vira. 

Foi pensando nisso que resolvemos elaborar este artigo. Nele, listamos 10 dicas que vão ajudar você a mudar de vida e a ter novas perspectivas. Continue conosco para saber quais são elas!

1. Desafie-se mais

Sair da zona de conforto pode ser um dos maiores obstáculos para quem busca mudar de vida. Afinal, existe sempre o medo do desconhecido e do que pode dar errado. Mas encarar novos desafios é o primeiro passo para quebrar essa barreira

Busque sempre se superar. Assim, além de conquistar seus objetivos, você adquire novas experiências, que servirão de aprendizado e evolução pessoal. 

desafio 52 semanas

2. Não busque atalhos

Sabe aquele jeitinho que a gente sempre quer dar para resolver tudo da maneira mais fácil possível? Aqui ele não funciona. Para ter uma verdadeira mudança de vida, é necessário que você viva todas as experiências em sua totalidade

É uma excelente maneira de absorver aprendizados e de promover o seu crescimento pessoal. Nesse sentido, não existe receita de bolo. Siga o caminho que você escolheu traçar, mas sem queimar etapas. 

3. Deixe o perfeccionismo de lado

Você já deve ter ouvido que nada (nem ninguém) é perfeito, certo? Essa frase é muito verdadeira. Cometer erros é normal, e todos estamos sujeitos a isso. Porém, você precisa ter disposição para repará-los e aprender com eles. 

Não foque na busca pela perfeição a todo o momento, porque isso pode levar a frustrações que prejudicam seu desenvolvimento. Mantenha sua identidade, buscando sempre uma melhora, mas sem se prender ao perfeccionismo

Essa é a hora ideal de esquecer aquele ditado que diz que “o bom é inimigo do ótimo” e preferir o “o ótimo é inimigo do bom”. Está tudo bem em fazer as coisas ao seu tempo e com o esforço que você consegue empregar no momento. 

4. Retome sonhos antigos

Lembra-se de quando era criança e você tinha tantos planos e sonhos, por exemplo, de ficar rico? Algumas condições impostas pelo mundo podem ter feito você se desviar desses desejos, mas nunca é tarde para retomar essas ideias. 

Mesmo que algumas mudanças tenham acontecido na sua vida, você sempre pode correr atrás do que você planejou realizar há um tempo. Passe suas ideias para o papel e veja o que é necessário para concretizá-las. 

Oportunidades estão sempre presentes. Mas você pode não conseguir vê-las, por ter um ponto de vista diferente ou simplesmente por acreditar que aquilo já não é mais para você. Mas, se ainda existe a vontade, por que não tentar? 

5. Reconheça as suas perdas

Lembre-se que o caminho para o sucesso não é feito só de vitórias. As falhas são normais, e o que diferencia os vencedores é a capacidade de não desistir diante dos reveses. Isso significa que você pode dar vários tropeços pelo caminho, mas o que faz a diferença é continuar tentando, apesar de tudo. 

Estabeleça suas metas, trace estratégias e tenha disposição para mudá-las caso as coisas não saiam como o planejado. 

Não pense na desistência como uma opção. Às vezes, uma simples mudança de planos é suficiente para contornar as dificuldades que vão surgindo. Assim, você evita o efeito avestruz, que pode tornar os problemas bem maiores do que são. 

6. Não tente agradar a todos

Quando você se preocupa em excesso com os outros, começa a deixar as suas vontades um pouco de lado. É aí que começa a viver mais para satisfazer as expectativas das pessoas, em vez de agir de acordo com as suas vontades e sonhos. Se esses dois pontos divergem, surgem os conflitos internos. 

É natural querer agradar as pessoas que você gosta. Mas trabalhe para que isso não esteja sempre acima dos seus objetivos. Achar um equilíbrio é sempre um bom caminho e ajuda a lidar com esses dois aspectos (suas necessidades × as dos outros). 

7. Elimine o desnecessário

Seja no âmbito pessoal ou no profissional, é importante ter em mente o que é mais importantes para você. Organize seus pensamentos, crie suas prioridades e elimine o restante

Assim, você consegue direcionar seu tempo e esforço ao que realmente terá relevância na sua vida, facilitando bastante o processo de mudança que tanto busca. Sem contar que isso ajuda a não acumular coisas demais, o que pode gerar uma bagunça em casa ou no trabalho. 

Com uma planilha de gastos, você consegue diminuir aqueles custos que já não fazem mais sentido, são supérfluos ou não agregam nada à sua vida. Isso vale para o pacote de TV a cabo que não é bem aproveitado e aquele plano caro de telefone celular.

8. Não compare demais

Um dos maiores motivos de frustração é a ideia de que a grama do vizinho é sempre mais verde. Esse tipo de comparação pode ser muito prejudicial para sua saúde mental. Ao se comparar, você se preocupa mais com os outros em vez de focar no que já tem. 

Ao vermos as outras pessoas rindo e demonstrando estarem felizes, imaginamos que suas vidas estão perfeitas. Mas já parou para pensar que parte disso pode ser uma ilusão? Todos enfrentam problemas, e o fato de alguém parecer estar melhor não significa que, no geral, realmente seja assim.

9. Tenha sempre uma reserva de emergência

A reserva de emergência (ou de imprevistos), como o nome sugere, serve para salvar você em momentos de imprevistos. Nessas horas, você precisa recorrer a uma grana extra e não quer se endividar com o cheque especial ou o cartão de crédito. 

reserva de emergência

Separe uma parte dos seus ganhos para esse fim e deixe em alguma conta ou investimento que ofereça liquidez imediata. Ou seja, que permita sacar ou utilizar o dinheiro a qualquer momento, não importa o dia, evitando problemas financeiros

Se você tem um emprego estável, sua reserva de emergência pode ser equivalente a 6 meses do seu custo de vida. Mas se trabalha de forma autônoma, o ideal é que esse valor suba para 12 meses. Assim, se você gasta R$ 2 mil por mês, ela deve ser de R$ 12 mil ou R$ 24 mil, respectivamente. 

Com isso, você consegue ter um pouco mais de tranquilidade nas suas finanças pessoais, evitando passar um sufoco ainda maior quando os imprevistos chegarem.

Investimentos em renda fixa e com liquidez diária são ótimas opções para deixar as suas economias protegidas. Eles rendem juros compostos e podem ser resgatados a qualquer momento. Então, nada de deixar a reserva de emergência na bolsa de valores, combinado?

10. Comece a investir

Geralmente, quando planejamos mudar de vida, pensamos em algo mais de curto e médio prazo. Porém, você também pode começar a pensar no seu futuro e se preparar para ele. Ter uma boa aposentadoria é um dos objetivos que podem entrar para essa lista. 

O ideal é começar a investir agora mesmo. Existe uma série de produtos financeiros no mercado que vão ajudar você a alcançar seus objetivos, fazendo o seu dinheiro render. É só escolher o que seja mais coerente com as suas necessidades e disposição para correr riscos.

Ao contrário do que muita gente pensa, o mercado financeiro não é só para quem é rico. Com alguns estudos e informações confiáveis, você já consegue começar a investir, mesmo que de forma mais conservadora.

como investir na bolsa de valores

Se você quer mesmo mudar de vida, precisa se arriscar, sair do lugar e dar o primeiro passo. Comece a perceber todas as boas possibilidades que estão fora da sua zona de conforto. Depois disso, fica muito mais fácil escolher os caminhos a serem seguidos e alcançar os objetivos que você tanto busca. Quer aproveitar para aprender um pouco mais sobre investimentos? Então, você não pode deixar de conferir o material que produzimos sobre os tipos de aplicações financeiras!

Mariana Congo

Mari Congo tem paixão por explicar coisas difíceis de forma fácil. É jornalista, educadora financeira, especialista em finanças pessoais e investimentos e gerente de comunicação na Magnetis.

leia mais desse autor