Orçamento familiar: aprenda a definir o seu!

por Mariana Congo | 08/03/2019

curso de investimento

Um orçamento familiar bem organizado é muito importante para quem quer cuidar melhor das finanças pessoais, especialmente para quem é responsável pela renda principal da casa.

Nesse sentido, elaboramos este post para que você possa se organizar melhor e ter acesso à informações relevantes quanto às ferramentas de gestão e procedimentos de controle mensal do orçamento doméstico.

Afinal, com uma visão ampla da sua renda e dos seus gastos, é possível ter mais controle e até investir mais. Quer saber mais? Acompanhe!

O que é o orçamento familiar?

Em poucas palavras, o orçamento familiar é o conjunto de todas as receitas e despesas do lar.

Por definição, todas as famílias têm um planejamento financeiro. O desafio delas é mantê-lo frequentemente equilibrado, de modo que as necessidades básicas do lar sejam tranquilamente supridas.

O objetivo é que sobre dinheiro para poupar, aplicar e desfrutar de momentos de lazer em conjunto.

Quando isso não acontece, é muito importante que você tenha uma quantia exclusiva para ser usada em períodos emergenciais. Falaremos disso mais adiante, ainda neste post.

Por que é importante controlar o orçamento familiar?

Não ter objetivos de médio e longo prazos definidos faz com que os recursos acabem sendo usados para suprir demandas imediatas da casa e se esgotem rapidamente, muitas vezes, sem que se perceba.

Dessa forma, o planejamento financeiro faz toda a diferença, independente de ser possível juntar bastante dinheiro ou não. Quer ver um exemplo?

O cartão de crédito é um dos vilões do endividamento no Brasil. Mas sabia que ele pode ser usado com uma ferramenta para planejar os seus gastos?

Quando você programa suas compras e não deixa as faturas atrasarem, o cartão pode ser um aliado no controle dos gastos.

Quais são os vilões do orçamento familiar?

Atrasar ou parcelar o pagamento da fatura do cartão nunca é uma boa ideia, já que isso pode gerar uma dívida que talvez não seja possível pagar. No último bimestre de 2018, por exemplo, os juros do rotativo do cartão de crédito chegaram a quase 300% (296,8%) ao ano.

De forma parecida, no mesmo período, os juros do cheque especial ultrapassaram os 305% ao ano. Ambas as taxas, há muito tempo, são as mais caras do mercado financeiro nacional.

Alguns comportamentos levam a uma situação de endividamento excessivo. Esses comportamentos são:

  • realizar compras sem necessidade;
  • não pesquisar os melhores preços;
  • não economizar nas contas de consumo (energia elétrica, água etc.);
  • esbanjar nos gastos com lazer;
  • gastar demais com refeições fora de casa.

É possível evitar essas situações com alguns hábitos simples. Vamos dar um exemplo que faz parte da vida da maioria das famílias: o supermercado. Ele é um local onde as pessoas costumam gastar bastante dinheiro, muitas vezes sem perceber.

Para evitar desperdícios, preparamos aqui algumas dicas práticas para serem adotadas durante as compras:

  • estabelecer um limite mensal de gastos;
  • ter sempre em mãos uma lista de compras;
  • aproveitar os dias de promoção;
  • comprar alimentos com base no cardápio de refeições da semana;
  • não adquirir produtos com prazo de validade curto;

Lembre-se: gastar dinheiro não é ruim; o problema é não planejar o uso dos recursos.

Orçamento familiar: como fazer?

Veja algumas orientações básicas de como preparar um orçamento familiar.

1. Separe seus gastos em categorias

Fazer a separação entre gastos fixos, variáveis e extras é uma boa ação para o acompanhamento do orçamento doméstico.

Os gastos fixos são aqueles regulares, cujo valor costuma mudar com pouca frequência entre um mês e outro, como aluguel ou prestação de imóvel, taxa de condomínio, convênio médico e odontológico, financiamento e seguro de veículo.

Já os gastos variáveis são representados pelas despesas comuns do cotidiano, que oscilam de acordo com os compromissos, valores ou intenções no respectivo mês, como por exemplo, refeições fora de casa, remédios e viagens

Os gastos extras, por sua vez, são aqueles que não estavam previstos no orçamento, como multas, contas de hospital ou uma manutenção de veículo não planejada. Para esses gastos emergenciais, é importante guardar uma reserva de emergência. Fizemos um vídeo sobre o assunto, veja a seguir:

2. Estabeleça metas que você pode cumprir

Com base na divisão de despesas fixas, variáveis e uma reserva de emergência para as despesas extras, crie metas de gastos e de investimentos que sejam melhores para a qualidade de vida de todos dentro da sua casa. Procure motivar os demais (sobretudo as crianças) a cumpri-las e lembre-se de comemorarem à medida que as metas forem sendo alcançadas.

3. Utilize ferramentas para acompanhamento

Para um planejamento financeiro, é essencial registrar os ganhos e gastos do lar. Pode ser em papel, em planilha ou em aplicativo, não importa; o que vale é que as principais fontes de renda e de despesa sejam mapeadas, divididas em categorias e avaliadas com frequência.

Como controlar o orçamento familiar no dia a dia?

Para que os objetivos estabelecidos sejam alcançados, é imprescindível ter meios de controlar as contas. Confira alguns insights nesse sentido:

4. Faça provisões para despesas futuras

Para não ter surpresas, principalmente no início de cada ano, é necessário fazer provisões de recursos para quitar todas as contas dentro do prazo — IPVA, IPTU, seguro veicular, matrícula em colégio particular, material escolar e todo gasto que você sabe que acontecerá em algum momento do ano (não necessariamente no início) precisam entrar nessa conta.

5. Fique longe de dívidas desnecessárias

Procure sempre gastar com cautela e investir de forma consciente. Isso significa ficar longe das compras por impulso e das que podem atrapalhar o bom andamento do planejamento financeiro ao longo dos meses.

6. Procure ter reservas e investimentos

Investir recursos, mesmo que em pequenas quantidades, pode fazer a diferença em um orçamento familiar. Para isso, é necessário conhecer os tipos de investimento disponíveis e aplicar conforme for mais conveniente para você.

Quais os principais apps de controle financeiro?

O monitoramento das finanças no orçamento familiar pode ser feito de várias maneiras, como citamos acima. Veja alguns aplicativos que podem te auxiliar nesse aspecto:

Organizze

Permite ao usuário categorizar gastos e ter acesso a gráficos detalhados. Já na versão paga, permite controle de metas de gastos e notifica o usuário sobre suas contas próximas do vencimento. O Organizze pode ser baixado tanto pelo sistema iOS quanto pelo Android.

Wally+

Nesse aplicativo, o nível de organização financeira dos usuários pode ser comparado com os demais. Além disso, conta com uma rede social financeira em que é possível postar fotos de compras e marcar amigos que também instalaram o app.

Ele também dispara notificações sobre contas a pagar e, em língua portuguesa, está disponível para sistemas Android; já em língua inglesa, para usuários de iOS.

Mobills

Realiza comparativos de gastos periódicos e sinaliza as categorias com gastos mais elevados.

Além de notificar o usuário sobre despesas próximas do vencimento, o app conta com recursos que identificam notificações recebidas via SMS das operadoras de cartão de crédito sobre novas compras. Esse app pode ser baixado para celulares iOS, Android e Windows Phone.

Para continuar aprimorando sua capacidade de gestão das finanças domésticas, você pode descobrir mais funcionalidades e novos aplicativos que vão ajudar você a organizar melhor o orçamento familiar.

E se você já sente que já está com o orçamento familiar em dia e pode começar a fazer aplicações financeiras, confira nosso post sobre o que avaliar antes de começar a investir.

Avaliar o post
curso de investimento