X
Magnetis Week

a black friday da

Magnetis Logo
Invista agora
a evolução na edução financeira, conheça a Magnetis.

Entenda o que é o PIX, como funciona e como fazer a transferência

Já pensou em fazer transferências bancárias rapidamente, sem esperar vários dias para que a operação seja efetuada? Agora, isso será possível graças ao Pix, o novo método de pagamento instantâneo criado pelo Banco Central. A novidade foi anunciada em fevereiro e começará a funcionar a partir de novembro de 2020.

O intuito do Pix é diminuir os custos com transferências realizadas via DOC ou TED. Ele também promete acelerar o pagamento de contas, que hoje é feito por meio de cartões, dinheiro, boletos e transações físicas.

Para tirar suas dúvidas sobre o que é o Pix, como funciona, quem poderá usar, entre outras informações, continue a leitura!

O que é Pix?

O Pix é um novo método para realizar transferências bancárias e outros pagamentos de maneira instantânea. Em até 10 segundos, você poderá receber dinheiro na sua conta de pagamento, por exemplo, em qualquer dia ou horário.

Atualmente, transferências de dinheiro são realizadas por DOC ou TED, opções que envolvem altos custos e limitações de horário. Se você quiser fazer uma TED, algumas taxas podem chegar a R$ 25 por operação. Além disso, ela deve ser feita até às 17 h, de segunda a sexta-feira.

Para Pessoas Físicas, o Pix será gratuito. Porém, para Pessoas Jurídicas, o custo será de R$ 0,01 a cada 10 operações, que poderão ser feitas a todo instante.

Será possível fazer uma transferência no domingo às 23 h, por exemplo, e o dinheiro cairá na conta de destino rapidamente.

desafio 52 semanas

Quais são os objetivos do Pix?

Os objetivos do Pix incluem:

  • reduzir os custos das operações de pagamentos e transferências;
  • facilitar os pagamentos de boletos e outras contas;
  • acelerar o tempo das transações, que serão feitas em segundos;
  • aperfeiçoar as transações financeiras no longo prazo;
  • simplificar o pagamento de impostos;
  • agilizar os pagamentos em estabelecimentos comerciais.

Esses são apenas alguns dos objetivos do Pix, cujo propósito é promover maior facilidade e flexibilidade na hora de efetuar negociações financeiras. Esses avanços devem ocasionar uma revolução no mercado financeiro.

Como funciona?

O Pix funcionará todos os dias da semana, 24 horas por dia. As operações poderão ser feitas:

  • entre pessoas;
  • entre estabelecimentos comerciais e pessoas;
  • entre estabelecimentos;
  • para entidades governamentais.

Será possível, inclusive, pagar taxas e impostos com esse novo método. Também, não há limite mínimo ou máximo para operações realizadas via Pix, ao contrário do que acontece hoje com DOC ou TED.

O Pix, ainda, funciona como um método mais seguro de transferência. Para transferir dinheiro, não será necessário informar todos os dados do recebedor, como nome completo, agência, conta e CPF. Basta inserir uma chave Pix e pronto!

Como fazer a transferência?

De acordo com a regulamentação do Banco Central, as transações do Pix poderão ser realizadas de maneiras diferentes. A seguir, veja quais são elas.

Informando os dados bancários

Com o Pix, será possível passar seus dados bancários para quem vai enviar o pagamento. Se você já tem costume de realizar operações dessa forma e pretende continuar assim, não há problema algum. Basta dizer qual é o seu nome completo, o CPF, o número da instituição e as informações de agência e conta.

A transação será realizada do mesmo jeito, porém com mais agilidade e eficiência.

Com a chave Pix

Existe também a opção de usar a chave Pix na hora de fazer a transferência. As chaves funcionam como uma espécie de apelido para identificar a sua conta.

Você poderá usar quatro chaves diferentes:

  • e-mail;
  • número do celular;
  • CNPJ ou CPF;
  • combinações numéricas aleatórias.

No entanto, é necessário escolher apenas uma das quatro opções. As chaves substituem os dados bancários, como agência e conta. Enviar ou receber um Pix funciona do mesmo modo: basta inserir a chave da outra pessoa ou empresa.

Pessoas Físicas podem registrar no máximo cinco chaves Pix por titularidade. Então, se você tem contas abertas em bancos diferentes, poderá cadastrar cinco chaves em cada um deles. Pessoas Jurídicas, contudo, terão acesso a 20 chaves por conta.

Vale ressaltar que não será possível acrescentar a mesma chave em mais de uma conta. Por exemplo, se você escolher seu e-mail como chave do Pix em uma conta digital, não poderá usá-lo como chave em outro banco. Cada chave, portanto, está vinculada a uma instituição financeira.

O início do processo de registro de chaves de endereçamento começará no dia cinco de outubro.

Por meio de QR code

Além das chaves e das informações bancárias, há uma terceira opção para usar o Pix: os QR codes.

O estabelecimento ou a pessoa que receberá o valor pode apresentar um QR code estático ou dinâmico. Nesse caso, você consegue fazer o pagamento usando somente o smartphone. No entanto, existem algumas diferenças entre os dois tipos de QR code.

O QR code dinâmico é indicado principalmente para pagar compras. Cada estabelecimento poderá incluir novas informações sobre a transação, além do valor a ser pago.

O QR code estático, contudo, pode ser usado para várias transações, mas é recomendado para transferências entre pessoas. Assim, é só definir o valor, gerar um QR code e enviar para o recebedor.

Todavia, ainda não foram divulgados muitos detalhes sobre as transações via QR code. Inicialmente, será mais fácil optar pelas chaves Pix.

Como vimos, a proposta do Pix é facilitar a vida de pessoas e estabelecimentos comerciais. Esse novo método de pagamento contribuirá, inclusive, para a realização de investimentos.

Ao abrir conta em uma corretora, você precisa transferir seu dinheiro para começar a investir. Atualmente, essa operação é feita por meio de DOC ou TED, que funcionam em dias e horários específicos. Com o Pix, a transferência será realizada em poucos segundos, a qualquer hora.

Quem aplica em ações, por exemplo, pode colher bons frutos com esse novo processo. Usando o Pix, você não precisa deixar nenhuma oportunidade boa passar por falta de agilidade nas transações.

Também é importante ressaltar que, para usar as vantagens do Pix, você deve abrir uma conta em uma instituição financeira de confiança. Várias fintechs, bancos tradicionais e demais organizações vão aderir ao novo método, que começará a funcionar em breve.

Agora que você conhece todos osbenefícios do Pix e como ele funciona na prática, confira nosso conteúdo sobre bancos digitais. Saiba quais são as principais instituições do mercado e veja quais serviços elas oferecem!

Tesouro Direto: como investir?
Mariana Congo

Mari Congo tem paixão por explicar coisas difíceis de forma fácil. É jornalista, educadora financeira, especialista em finanças pessoais e investimentos e gerente de comunicação na Magnetis.

leia mais desse autor