Planejamento financeiro para educação dos filhos: como fazer?

por Fernando Reis

Ter filhos é um dos grandes acontecimentos na vida de muitos casais. Contudo, quem pensa em aumentar a família deve considerar que não só momentos de felicidade surgirão. Criar filhos presume uma série de responsabilidades, não apenas afetivas, mas também financeiras.

Ao lado das despesas com saúde, as contas com educação são as que mais causam preocupação aos pais. É natural que seja assim, não só porque um pai ou uma mãe querem o melhor para seu filho mas também porque é muito difícil planejar o dinheiro que será gasto em um período tão longo de tempo.

Pensando nisso,  resolvemos criar este post com dicas básicas que ajudam no planejamento financeiro para educação dos filhos. Acompanhe!

Defina metas

Fazendo uma pesquisa, é possível estimar com um bom nível de certeza quantos anos serão necessários para que os filhos cumpram todos os ciclos de ensino até, pelo menos, o final do nível superior.

Porém, essa conta pode não ser suficiente para elaborar um planejamento financeiro eficiente. Para isso, é preciso estabelecer metas mais detalhadas a partir das inúmeras opções que surgem desde o momento em que a criança inicia sua trajetória escolar.

Por exemplo: o dinheiro será gasto em uma escola particular? Em cursos de idiomas? Aulas de músicas e atividades esportivas? Ou em um intercâmbio durante a graduação ou mesmo durante o ensino médio?

Obviamente algumas escolhas — como qual curso superior será feito —  não depende exclusivamente da vontade dos familiares, mas pensar em algumas hipóteses colabora nessa definição de metas. Isso servirá de apoio para imaginar qual será o montante e o tempo necessário de economia para suprir tais despesas.

Estime todos os gastos

Em alguns cenários, os gastos com mensalidades e material didático não são os únicos que entram na conta. Pelo contrário, inclusive. Por isso, uma estimativa realista deve ir além das despesas óbvias.

Se no futuro os filhos optarem por ingressar numa universidade pública, a natureza das despesas será totalmente diversa, por exemplo.

O dinheiro que deixará de ser gasto com matrículas e mensalidades pode ser direcionado para a mudança de cidade (caso a universidade não esteja onde a família reside) e pagamento de aluguel, da alimentação, do transporte e demais despesas necessárias para mantê-los enquanto cursam a graduação.

Poupe com disciplina

Com metas traçadas e uma estimativa de gastos feita, é hora de buscar entender o orçamento familiar e ver como o plano estabelecido se encaixa na renda da família. Nesse trajeto, certamente surgirá a necessidade de refazer determinadas escolhas.

Uma maneira simples de avaliar se a atual situação financeira comporta a meta de economia é calcular se os gastos mensais são maiores que a renda. Quando isso acontece de maneira recorrente, além de tornar complicada qualquer economia de recursos, encaminha a família para um endividamento difícil de se ser contornado, já que é quase sempre necessário recorrer ao cartão de crédito ou cheque especial para fechar o mês.

Se isso estiver ocorrendo, é essencial identificar quais despesas estão comprometendo as contas da casa e tomar medidas de educação financeira para cortá-las, ou pelo menos, diminuí-las. Essa é uma decisão que deve ser tomada em conjunto, com os membros da família. Além disso, tais restrições não devem comprometer a qualidade de vida de maneira drástica.

Quem já está com o orçamento organizado pode partir para a próxima etapa e definir uma fatia dos ganhos que será destinada para a formação da reserva financeira que será utilizado para os estudos dos filhos. Por se tratar de uma meta de longo prazo, os valores não precisam ser exorbitantes.

O importante nessa hora é a disciplina. Todos os meses o dinheiro deve ser reservado como se fosse um gasto fixo. Se por algum imprevisto não for possível honrar esse compromisso em determinado mês, organize-se para repor o dinheiro nos seguintes. Deve-se ter disciplina e organização.

Seja qual for a situação, o ideal é que a economia comece a ser feita o quanto antes. Dessa forma, não será preciso reunir grandes quantidades mensais para atingir o objetivo proposto.

Invista o dinheiro economizado

A partir do momento em que o dinheiro começar a ser economizado, deve-se procurar formas vantajosas de investi-lo para vê-lo render e não perder valor.

Nessa hora, as possibilidades disponíveis no mercado financeiro são várias. Mas como nessa situação o objetivo ainda está muito distante, o ideal é procurar por aplicações que combinem segurança e boa rentabilidade, principalmente para proteger o dinheiro investido da inflação. O que pode fazer a diferença quando pensamos em aplicações para o longo prazo.

Nesse sentido, a caderneta de poupança deve ser evitada. Ela pode até ser simples de administrar, ter alta liquidez, e ser segura por contar com a cobertura do Fundo Garantidor de Créditos (FGC). No entanto, o seu rendimento é ruim, fazendo com que o dinheiro aplicado não cresça da forma como poderia.

Existem opções de investimentos melhores, igualmente acessíveis e que podem ajudar a atingir seus objetivos de forma mais efetiva. Opções como títulos públicos, CDBs, LCAs e LCIs e alguns fundos de investimentos devem ser considerados após uma análise cuidadosa.

O ponto importante aqui é escolher investimentos que estejam alinhados aos seus planos. Fazer as decisões erradas, pode não só trazer prejuízos mas colocar todo o planejamento financeiro para educação dos filhos em risco.

Conte com a ajuda de especialistas

Aqueles menos familiarizados com o mercado financeiro e as alternativas de investimento disponíveis certamente se sentirão inseguros na hora de tomar decisões tão importantes.

Por isso, se você não sabe por onde começar, o ideal é não hesitar em procurar ajuda de uma consultoria de investimentos. Essas empresas são especializadas em compreender qual é o perfil e os objetivos do cliente, sendo capazes de elaborar estratégias para investir o dinheiro de forma mais inteligente.

Se antes esse era um serviço reservado para quem possuía grandes quantias, hoje ele é acessível a um número maior de pessoas, principalmente graças ao avanço de novas tecnologias.

Com esse auxílio, o planejamento financeiro para educação dos filhos será mais tranquilo, permitindo que os pais aproveitam o melhor do crescimento das crianças sabendo que o futuro delas está garantido!

Quem entender melhor como a Magnetis pode ajudar você a investir na educação dos seus filhos? Faça uma simulação gratuita para descobrir!

Fernando Reis é administrador e Analista de Marketing de Conteúdo da Magnetis.

Planejamento financeiro para educação dos filhos: como fazer?
5 (100%) 5 votes