Invista agora
a evolução na edução financeira, conheça a Magnetis.

Prepare-se já para colocar as finanças em ordem em 2015

Fim de ano é hora de balanço e planejamento financeiro. E isso não vale apenas para as empresas. As pessoas que adotam essa prática saem ganhando e muito, pois conseguem monitorar de perto seus recursos, tomar melhores decisões de gastos e se programar para investir, garantindo a realização de sonhos e um futuro tranquilo.

Infelizmente, esses benefícios ainda não são levados em conta por boa parte da população nacional. Entre 33% e 40% dos brasileiros de 16 a 54 anos admitem não manter a vida financeira sob controle, conforme pesquisa realizada pelo Ibope a pedido do Serasa Consumidor e divulgada neste final de outubro. Quanto menor a idade, mais baixo o nível de educação financeira, sendo comuns compras por impulso, inadimplência e endividamento. Para piorar, o comportamento dos jovens entre 16 e 25 anos se deteriorou em relação ao ano passado.

Se você se enxerga nessa estatística, que tal aproveitar o espírito de renovação que a mudança de ano traz para transformar a sua relação com o dinheiro? A gente tem 7 dicas que vão ajudá-lo a colocar as contas em ordem de uma vez por todas:

  • Identifique quanto você realmente ganha

Certamente, você tem na ponta da língual qual é o seu salário. Mas será que o valor que consta do seu holerite é de fato quanto você ganha?

Na verdade, não. Esse é o seu salário bruto. É preciso descontar dele impostos e contribuições. Se na empresa em que você trabalha a política for de coparticipação em custos de plano de saúde, ticket refeição e previdência privada, esse dinheiro também precisa ser deduzido. Só aí você terá o valor real que ganha.

Caso tenha mais de uma fonte de renda, some todas elas, considerando esse mesmo critério de deduções.

  • Mensure todos os seus gastos

Estime o valor das suas despesas mensais. Não se esqueça de nada: conta de luz, gás, moradia, telefone, transporte, alimentação, remédios, prestações de financiamentos… Inclua também aquelas comprinhas mínimas que, de tão baratas, parecem não merecer ser mencionadas. Merecem sim! Já parou para pensar quanto custam no final do mês os cafezinhos e pães de queijo consumidos diariamente? Não é pouco. Portanto, some tudo.

Como pode haver variações entre um mês e outro, o ideal é checar quanto você gastou nos últimos três para fazer uma média. Considere também que há pagamentos que são pontuais e precisam ser previstos. É o caso, por exemplo, de IPTU, IPVA, seguro de carro e até presentes em datas especiais, como aniversários de pessoas próximas.

Na sequência, classifique os seus gastos em essenciais ou supérfluos.

  • Calcule a diferença entre ganhos e gastos

Agora que você sabe tudo o que ganha e gasta, chegou a hora da verdade: você é superavitário (ganha mais do que gasta) ou deficitário (gasta mais do que ganha)?

Se é superavitário, parabéns! Esse é um grande passo. AInda assim, saiba que sempre há espaço para cuidar melhor das as finanças. Então, continue acompanhando as nossas dicas.

Se é deficitário, não se apavore. O primeiro movimento para reverter esse quadro você já está fazendo. Coragem!

  • Defina as suas metas

O que você quer para o futuro, seja no ano que vai começar, seja daqui a uma década? Quitar todas as dívidas? Comprar um imóvel ou carro, viajar, ter um filho ou pagar a faculdade dele, abrir um negócio, se aposentar? Elenque os seus sonhos e tente precificar cada um deles. Em seguida, priorize.

  • Planeje o seu orçamento anual

Você já tem plena ciência de se ganha mais do que gasta ou se gasta mais do que ganha. Já tem claro o que quer para o futuro. E já identificou quais das suas despesas são supérfluas. É hora de juntar tudo isso e elaborar seu orçamento para o próximo ano.

Seja qual for a sua meta, o caminho é o mesmo: ajustar as contas. Reduza ou corte os gastos supérfluos e veja se é possível aumentar as receitas e em quanto. Mude de comportamento e reúna toda a família no mesmo barco. Afinal, para o bem de todos, todos devem contribuir.

Nesta etapa, você pode montar uma planilha simples, no computador ou mesmo em papel, listando despesas e receitas. Em seguida, anote o valor esperado para cada uma. Outra alternativa é usar um dos muitos aplicativos disponíveis na internet. O princípio é exatamente o mesmo. Escolha o que mais lhe agradar e siga adiante.

  • Monitore seu orçamento mensalmente

Com o planejamento feito, o trabalho continua. Todos os meses, acompanhe e compare qual era a sua expectativa e o que de fato aconteceu.

Lembra daquela planilha que sugerimos? Acrescente ao lado da coluna do resultado esperado outra coluna, para preencher com o que foi realizado. Se tiver extrapolado em alguma parte, você descobrirá imediatamente e poderá aumentar os esforços para corrigir.

Caso sua opção seja usar um aplicativo de internet, faça o mesmo exercício.

  • Crie um plano de investimentos

Tão logo você consiga ter um orçamento superavitário, é fundamental se programar para investir, de olho nas suas grandes metas. É assim que você vai conseguir multiplicar o seu patrimônio, protegê-lo da inflação e realizar os seus sonhos.

Precisa colocar suas finanças em ordem de uma vez por todas? Não perca nosso Guia Definitivo sobre como economizar dinheiro.