Invista agora
a evolução na edução financeira, conheça a Magnetis.

Qual a diferença entre previdência aberta e fechada? Entenda!

Você sabe qual a diferença entre previdência aberta e fechada? Muitas pessoas não pensam sobre isso, mas o fato é que a aposentadoria vai ser o grande gasto das nossas vidas. A expectativa de vida do brasileiro já está perto de 77 anos. Se você se aposentar com 65 anos, precisará de recursos para viver pelo menos 12 anos, podendo chegar a bem mais.

A Previdência Social paga uma aposentadoria, mas os valores não são suficientes para manter a qualidade de vida. É por isso que existe a Previdência Complementar. Quem tiver interesse pode contribuir para um plano de previdência e juntar mais dinheiro para usufruir lá na frente.

Existem dois tipos de  Previdência Complementar:  previdência aberta e fechada. Neste artigo, vamos explicar como funcionam os dois tipos de previdência, para você poder fazer escolhas mais conscientes. Acompanhe!

O que é previdência aberta?

Os planos de previdência aberta são aqueles disponibilizados a qualquer um que esteja interessado em contratá-los. São oferecidos por bancos, entidades ou seguradoras e podem ser contratados por Pessoas Físicas ou Jurídicas, independentemente do vínculo profissional ou associativo.

A previdência aberta está sujeita à regulamentação e fiscalização da Superintendência de Seguros Privados (Susep), um órgão vinculado ao Ministério da Economia. Além disso, é normatizada pelo Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP).

Assim como em outros produtos financeiros,  a instituição que oferece o plano tem fins lucrativos. Ela é remunerada cobrando dos participantes algumas taxas, sendo que a principal delas é a de administração, que é um percentual sobre o saldo aplicado. Além dessa, pode haver taxas de carregamento na entrada ou na saída, mas atualmente já não são todos os planos que cobram essas tarifas.

Como funciona?

A pessoa interessada pode contratar o plano em um banco ou seguradora de investimento e fazer um aporte inicial, ou seja, aplicar um primeiro valor. Depois disso, podem ser feitos aportes regulares, como uma vez por mês, eventuais ou ainda apenas o inicial. Muitos planos preveem que o participante faça uma aplicação mensal para ajudar a criar uma disciplina de investimento.

Quando você coloca seu dinheiro no plano, ele é aplicado em um fundo de investimento atrelado àquele plano. Por isso, ao escolher sua previdência privada, é preciso observar também como é esse fundo. Assim, você entende o nível de risco ao qual está se expondo. Ele deve estar alinhado ao seu perfil de investidor naquele momento, e é indicado que se procure um especialista para ajudá-lo neste momento a fazer todas as escolhas e procedimentos corretos.

Na previdência aberta, são oferecidos dois tipos de plano: o PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre) e VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre). Embora os nomes não sejam muito intuitivos, é importante conhecer as diferenças. Elas são determinantes para decidir qual atende melhor às suas necessidades.

No PGBL, o Imposto de Renda incide sobre o valor total aplicado. Em compensação, ele dá direito de usar o valor investido para abater até 12% da renda bruta tributável. Assim, como a base tributável é menor, a pessoa paga menos imposto.

Por isso, o PGBL é indicado para pessoas com renda um pouco mais elevada e que fazem a declaração de Imposto de Renda no modelo completo.

Já no VGBL, o IR incide apenas sobre os rendimentos, não sobre o valor principal. Em contrapartida, não existe nenhum benefício fiscal. Assim, é indicado para quem faz a declaração no modelo simplificado ou para quem já aplica 12% da renda tributável em um PGBL.

Quais empresas podem aderir?

Os planos de previdência aberta não são especificamente voltados para empresas, mas para qualquer um que queira aderir. As empresas também podem contratar, mas não existe nenhum benefício particular para elas.

O que é previdência fechada?

Os planos de previdência fechada, como o nome sugere, não estão disponíveis para todo mundo. Também conhecidos como fundos de pensão, são planos que as empresas ou associações contratam e oferecem a seus colaboradores. Costumam constar no pacote de benefícios, assim como o plano de saúde, o vale-refeição e o seguro de vida.

Eles não têm fins lucrativos e, por isso, costumam ter taxas de administração mais baixas do que os planos de previdência aberta. O órgão fiscalizador que regulamenta a previdência fechada é a Previc (Superintendência Nacional de Previdência Complementar), também vinculada ao Ministério da Economia.

Como funciona?

Aqui, como mencionamos, o plano de previdência é oferecido ao colaborador da empresa que o contratou ou a associados de órgãos de classe como um benefício. Existem diversos fundos de pensão muito grandes e famosos, como o Petros, dos colaboradores da Petrobras, e a Previ, de colaboradores do Banco do Brasil.

Além de contar com uma taxa de administração mais baixa, a empresa contratante muitas vezes também entra com uma contrapartida. Assim, por exemplo, ela pode determinar que, a cada R$ 1 que o colaborador coloca no plano, ela aplica mais R$ 1. Essa contrapartida pode variar e ser maior ou menor do que o exemplo que demos, mas é uma enorme vantagem para o participante do plano.

Quando o colaborador se desliga da empresa, ele tem a opção de continuar contribuindo, mas a organização deixa de dar a contrapartida. Outra opção é deixar os valores no plano rendendo, sem fazer novas contribuições.

Também é possível fazer a portabilidade de previdência empresarial, migrando os valores investidos para um plano de previdência aberta. Aqui, é preciso ter cuidado, porque as empresas costumam colocar regras para ter acesso aos valores que ela depositou como contrapartida. Normalmente, existe um prazo mínimo de contribuição para poder levar esses recursos. Isso também vale para quem decide resgatar o saldo aplicado.

Quais empresas podem aderir?

Qualquer empresa pode contratar um plano de previdência fechada para oferecer a seus colaboradores. Trata-se de um benefício bastante valorizado no mercado.

Se sua empresa está em busca de melhorar a gestão de pessoas e aumentar a retenção de talentos, talvez essa seja uma boa opção.

Quais são as diferenças entre as duas?

Em comum, a previdência fechada e a aberta oferecem planos PGBL e VGBL, de acordo com os interesses de quem vai contratar.

Tanto a previdência aberta quanto a fechada permitem a portabilidade dos valores para outros planos. No caso da previdência fechada, é preciso observar o prazo para poder levar os recursos aportados pela empresa.

Na hora de contratar um plano de previdência para oferecer a seus colaboradores, é importante ser criterioso. A Magnetis tem uma parceria com a Icatu Seguros, uma das seguradoras mais renomadas do mercado. Assim, sua empresa tem acesso a produtos de previdência de qualidade com taxa de administração de apenas 0,6%, contra uma média de mercado de 2%.

Além de oferecer uma contratação rápida, seus colaboradores ainda terão acesso à plataforma educacional da Magnetis. Lembre-se de que cuidar da saúde financeira da sua equipe é tão importante quanto cuidar da saúde do corpo ou da mente. Agora que você já sabe a diferença entre previdência aberta e fechada, que tal entrar em contato conosco e conhecer melhor nossas soluções em Previdência?

Avatar
Andressa Siqueira, CEA

É economista e especialista de investimentos na Magnetis.

leia mais desse autor