Afinal, quais os primeiros passos para investir?

por Mariana Congo

Em alguns casos, a parte mais difícil de uma tarefa é justamente começá-la, não é verdade? E quando falamos em investir, muitas pessoas acabam perdendo grandes oportunidades devido a essa falta de iniciativa.

Seja por desconhecer as oportunidades do mercado financeiro, seja até mesmo por dificuldade de colocar as próprias finanças em ordem. Iniciar investimentos pode ser algo desafiador, nós sabemos disso. No entanto, com uma dose de esforço e planejamento, é possível.

Se você quer fazer o seu dinheiro render mas não sabe por onde começar, continue lendo este post. Vamos mostrar quais são os primeiros passos para investir!

Quais os primeiros passos para investir?

Dar o primeiro passo para começar a investir definitivamente não é fácil. Na verdade, é bastante comum nem saber o que fizer primeiro nessa jornada. Por isso, preparamos uma lista prática com os primeiros passos para investir:

  • Defina seus objetivos
  • Quite suas dívidas
  • Entenda alguns aspectos importantes sobre o mercado
  • Saiba como você lida com risco
  • Conheça as principais modalidades de investimento
  • Conte com a ajuda de uma consultoria de investimentos

Veja a seguir mais detalhes sobre cada uma dessas etapas.

Defina seus objetivos

Tudo o que fazemos na vida tem um objetivo, e isso não poderia ser diferente quando o assunto é investimento. Descobrir quais são as suas metas é essencial para desenvolver um planejamento eficaz e conseguir tirar os planos do papel.

Definir objetivos é uma tarefa que envolve pensar à frente, estabelecendo o que você espera da sua vida dentro de alguns anos. Afinal, quando investimos, estamos abrindo mão de parte de nossa renda no presente para que possamos utilizá-la no futuro.

Seu objetivo pode ser a compra de um bem de grande valor, como uma casa ou um carro, mas também pode ser garantir a sua tranquilidade financeira nos dias que virão. Seja qual for o seu perfil de investidor ou a sua tolerância a risco, o importante é que essa definição seja feita para que os próximos passos rumo aos investimentos possam ser dados com mais consciência.

Quite as suas dívidas

Poucas coisas são capazes de atrapalhar tanto os planos de quem quer começar a investir quanto as dívidas. Elas desequilibram qualquer orçamento e dificultam a missão de reservar uma quantia para ser aplicada mensalmente.

O melhor a fazer nesse caso é focar no pagamento das dívidas antes de começar a investir. Isso porque os juros praticados costumam ser bem maiores do que os rendimentos da maioria das aplicações. Portanto, o ideal é buscar o quanto antes uma negociação com os credores, o que põe fim ao crescimento da dívida e permite que ela seja paga com condições que cabem no bolso.

Um bom planejamento é fundamental nesse processo, pois permite conciliar de maneira realista as receitas e os gastos. Também poderá ser preciso adotar algumas medidas de controle financeiro, a fim de garantir o pagamento do novo acordo e de evitar novas dívidas.

Entenda alguns aspectos importantes sobre o mercado

Definitivamente, não é preciso ser um expert em mercado financeiro para fazer bons investimentos. No entanto, familiarizar-se com alguns conceitos que fazem parte desse universo pode ser de grande ajuda para que o investidor tome suas decisões com mais confiança.

Podemos citar, por exemplo, os termos renda fixa e renda variável, que se referem à rentabilidade de uma aplicação. Enquanto na primeira opção o investidor sabe exatamente quanto seu dinheiro vai render no final do prazo, nos papéis de rendimento variável a remuneração depende de fatores preestabelecidos em contrato, como o desempenho de indicadores econômicos.

Um dos principais indicadores é a taxa Selic, que serve como referência para as taxas de juros praticadas pelo mercado no país. Como o rendimento de diversas aplicações está intimamente ligado a esse índice, é importante acompanhá-lo de perto para decidir as melhores estratégias de investimento.

Avaliar a liquidez de um investimento também é fundamental para descobrir se ele se encaixa em seu perfil. Estamos falando da capacidade de convertê-lo efetivamente em dinheiro, característica que determina a facilidade com que o investidor terá acesso ao valor aplicado e seus rendimentos.

É claro que ainda existem outros conceitos importantes para quem quer ter um domínio maior sobre o mercado de investimentos. Por isso, quanto mais conhecimento adquirimos, maiores também são as chances de alcançarmos bons resultados com as aplicações financeiras.

Saiba como você lida com risco

Um passo importante para começar a investir é conhecer o próprio perfil de investidor. Isso é importante porque nem todas as modalidades de aplicações financeiras são adequadas para todos as pessoas: algumas tolerarão maior risco, outras não.

A determinação do perfil de investidor considera aspectos como a fase da vida, os objetivos, a tolerância a possíveis perdas e o montante de dinheiro disponível para aplicar. Para ajudá-lo a descobrir o seu, apresentamos a seguir as características dos perfis mais comuns:

  • conservador: prefere a segurança e evita aplicações em que possa ter retorno negativo;
  • moderado: tolera algum risco de perda para aumentar a possibilidade de um retorno maior;
  • arrojado ou agressivo: está mais disposto a aceitar perdas para maximizar a possibilidade de retorno.

Depois que você sabe qual o seu perfil de investidor e a forma como você lida com risco fica mais fácil escolher quais tipos de investimentos são mais adequados para você.

Conheça as principais modalidades de investimento

O próximo passo é escolher o tipo de investimento ideal para o seu perfil. Veja quais são os principais.

Poupança

Ofertada pela maioria dos bancos, a caderneta de poupança costuma ser o caminho mais fácil para quem quer começar a investir. Além do baixo risco, os recursos podem ser movimentados facilmente e não há cobrança de nenhum tipo de taxa.

Em contrapartida, seus rendimentos costumam ser menores quando comparados com as demais opções. Apesar disso, essa pode ser uma boa alternativa para quem quer iniciar os investimentos de maneira simples e segura.

Tesouro Direto

Também chamados de títulos públicos, esses papéis são emitidos pelo Tesouro Nacional, que utiliza os recursos para subsidiar atividades do Governo Federal. A aplicação também é muito segura, não exige altos aportes e tem rendimentos atrativos, fatos que fizeram essa opção se popularizar muito nos últimos anos.

Quem deseja manter o dinheiro aplicado por um médio e longo prazo certamente faz um bom negócio ao optar pelo Tesouro Direto, já que os rendimentos aumentam conforme o prazo do investimento. Também é uma excelente opção para quem quer diversificar a carteira de investimentos, já que títulos de diferentes características estão disponíveis aos interessados.

CDB

Funciona de maneira semelhante aos títulos públicos, mas, nesse caso, os recursos ficam à disposição de uma instituição financeira privada. A principal diferença é que essa modalidade exige um investimento inicial um pouco maior, que costuma partir de mil reais, dependendo da instituição financeira.

Para garantir a segurança, o CDB conta com a proteção do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que ressarce o investidor em até 250 mil reais caso a instituição quebre. O principal cuidado que deve ser tomado é analisar bem as taxas praticadas para que elas não comprometam os rendimentos da aplicação.

LCI e LCA

Boa opção para quem tem uma quantia maior para iniciar os investimentos, as Letras de Crédito Imobiliário (LCI) e do Agronegócio (LCA) são títulos seguros e que garantem bons retornos. No entanto, períodos maiores de aplicação podem ser necessários, o que torna um bom planejamento indispensável.

O investimento também conta com a garantia do FGC e não sofre tributação de Imposto de Renda, características ideais para quem tem um perfil mais conservador.

Conte com a ajuda de uma consultoria de investimentos

Quando você finalmente estiver pronto para dar início aos seus investimentos, basta abrir sua conta em uma corretora de valores. Para acertar na escolha da instituição, a dica é pesquisar sobre a sua reputação, verificando as taxas praticadas e o suporte que ela oferece.

E se você deseja ter o auxílio especializado de quem entende tudo sobre o mercado financeiro, que tal contar com uma consultoria de investimentos? Seus profissionais são capacitados para orientar os investidores de acordo com suas particularidades, como objetivos, renda, despesas e tolerância a riscos.

Essa é a melhor maneira de aplicar seu dinheiro com segurança, mesmo sem conhecer todos os detalhes de cada operação. Com a tarefa de selecionar as melhores oportunidades ficando por conta da consultoria, o investidor pode ficar tranquilo e ter a certeza de que seus investimentos terão excelentes resultados.

Agora que você já conhece os primeiros passos para investir, é hora de escolher a consultoria certa. Então, entre em contato conosco e descubra como a Magnetis pode ajudá-lo a fazer os melhores negócios no mercado financeiro!

Mariana Congo, da Magnetis

Mariana Congo é Gerente de Comunicação da Magnetis e jornalista especializada em finanças pessoais.

Afinal, quais os primeiros passos para investir?
Avaliar o post