Fundos de investimento: quais são os riscos envolvidos?

por Mariana Congo

Risco? Ele está presente em qualquer tipo de investimento. Neste texto, vou falar mais detalhadamente dos riscos envolvidos na aplicação em fundos de investimento.

Existem milhares de fundos de investimento no mercado brasileiro, com variadas políticas de investimento. Alguns são puramente renda fixa, enquanto outros de ações ou câmbio. E há aqueles com estratégia híbrida, como os multimercado.

Enquanto para os fundos de renda fixa os retornos são mais previsíveis, para os fundos de ações ou multimercados a volatilidade é mais presente.

Você vai conhecer agora quais são os principais riscos dos fundos de investimento e o que você deve saber para lidar com eles da melhor forma possível.

Leia também: Quais são as vantagens dos fundos de investimento?

Risco de crédito

O risco de crédito é representado pela possibilidade do emissor de um investimento não pagar seus investidores (credores). Nesse tipo de situação, o investidor não receberia de volta o que foi combinado.

Fundos de investimentos que têm em sua composição aplicações em renda fixa, como Tesouro Direto, CDB, LCI, LCA, LC​ e debêntures correm risco de crédito.

A cobertura do Fundo Garantidor de Créditos (FGC) - de até R$ 250 mil por CPF e instituição no caso de falência do emissor de um título - não vale para fundos de investimento.

Por que?

Isso ocorre pois ao aplicar em um fundo de investimento, o investidor está comprando uma cota que representa uma parcela da cesta de aplicações que compõe o fundo. É diferente de quando o investidor compra um título de renda fixa diretamente do emissor.

Cada fundo de investimento tem um CNPJ próprio. A garantia do FGC vale para o CNPJ do fundo no limite da cobertura de R$ 250 mil - e não para os cotistas, por CPF.

Em geral, os fundos lidam com esse risco de crédito ao diversificar os investimentos dentre diversos emissores e também analisando e avaliando a situação financeira da instituição que emitiu aquele título, como a nota de crédito (rating).

E o que acontece se o fundo de investimento falir?

Se o responsável pela administração e gestão do fundo de investimento quebrar - como um banco ou gestora de investimentos - o patrimônio do fundo continua intacto.

Isso acontece pois, como disse acima, cada fundo de investimentos tem um CNPJ próprio e independente. Ou seja, em caso de falência do banco ou gestora responsáveis por aquele fundo, o patrimônio do fundo fica intacto e a gestão e administração do fundo é transferida para outra instituição, sem prejuízo aos cotistas. Os fundos de investimentos são supervisionados pelo Banco Central e pela Comissão de Valores (CVM).

Risco de mercado

O mercado financeiro está sujeito a vários fatores que podem afetar o desempenho das aplicações financeiras. Por exemplo: acontecimentos do mundo político ou econômico, ou mesmo questões particulares envolvendo determinada empresa e seus principais sócios.

O risco que envolve a volatilidade dos preços dos ativos por causa de aspectos externos que influenciam o mercado financeiro é chamado de risco de mercado. ​

Todo investimento está sujeito ao risco de mercado, inclusive os fundos. No caso de fundos de ações, cambiais ou multimercados, há o risco de mercado decorrente da variação dos preços desses ativos de renda variável. Já para os fundos de renda fixa, o risco de mercado está relacionado à volatilidade dos juros futuros.

A melhor forma de lidar com o risco de mercado é diversificar as aplicações em diferentes classes de investimentos. Ao diversificar, deve-se buscar aplicações que têm características diferentes e que se comportam de maneira distinta diante de mudanças do mercado.

Risco de liquidez

A liquidez está relacionada à facilidade ou dificuldade de vender um ativo da sua carteira de investimentos para transformá-lo em dinheiro. Exemplo clássico de ativo com baixa liquidez são os imóveis, pois a venda de um imóvel pode demorar dias, meses ou anos, e há bastante burocracia envolvida até você ter o dinheiro em mãos. Por outro lado, aplicações como a poupança têm alta liquidez, pois para ter o dinheiro basta fazer um saque.

No caso dos fundos de investimento, há diferentes regras de liquidez, de acordo com a política do fundo. Enquanto um fundo DI pode ter liquidez diária (ou seja, você pode transformar o valor das suas cotas em dinheiro a qualquer momento), um fundo de ações pode ter prazos específicos para resgate.

É importante sempre pesquisar a política do fundo antes da aplicação. Enquanto um fundo DI pode ser útil para você aplicar o dinheiro da sua reserva de emergência, um fundo de ações pode ser uma aplicação para um prazo maior, como para aposentadoria.

Risco operacional

Problemas operacionais são muito comuns em qualquer setor da economia. Por exemplo: uma falha na montagem de automóveis pode gerar transtornos e exigir um recall que irá envolver milhares de pessoas.

Fundos de investimento também estão sujeitos a riscos operacionais. Neste caso, o risco operacional representa a possibilidade de perdas por causa de fraudes, desrespeito ao código de ética e conduta, demandas trabalhistas, problemas administrativos e falhas causadas por fatores internos ou externos, etc.

Para minimizar os riscos operacionais, existe o chamado "tripé gestor/ administrador/ custodiante". Cada uma dessas três áreas é responsável por uma parte do trabalho.

  • Gestor: coloca em prática a política de investimentos do fundo, escolhendo os investimentos.
  • Administrador: é quem administra o funcionamento do fundo e a relação com os cotistas. Faz prestação de contas e lida com jurídico.
  • Custodiante: registra e guarda as ordens de compra e venda de ativos, é responsável pelo envio de informações sobre os ativos para o administrador e gestor do fundo.

O ideal é que você investigue a reputação da administradora e da gestora dos fundos que está contratando, para minimizar o risco operacional.

Risco legal

Infelizmente, quem investe não está imune a fraudadores. E eles existem nesse mercado, seja administrando fundos com promessas de rendimentos milagrosos ou mesmo distribuindo fundos que não existem.

Essa situação é comum entre agentes não autorizados para administrar fundos de investimento e, por isso, o risco legal pode causar muitos prejuízos a quem contrata.

Para evitar este problema, é preciso ficar de olho nas instituições e fazer uma pesquisa junto à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para conhecer o registro da administradora com quem você está negociando. No site da CVM, busque pelo CNPJ do fundo de investimento.

Em resumo, vale dizer que riscos estão presentes em todos os investimentos. Para ser um investidor de sucesso, o importante é conhecer esses riscos para lidar com eles da melhor maneira. Ainda ficou alguma dúvida? Deixe seu comentário!​

Luciano

Mariana Congo é Gerente de Conteúdo da Magnetis e jornalista especializada em finanças pessoais.

Assine a Newsletter Magnetis e saiba tudo sobre finanças pessoais

Avaliar o post