Invista agora
a evolução na edução financeira, conheça a Magnetis.

Você pode investir de um jeito melhor, e nós podemos provar.

Baixe o app!

Quanto Rende 1 Milhão na Poupança? Descubra opções práticas e mais vantajosas

Se você está se perguntando quanto rende 1 milhão na poupança, é importante destacar que, apesar de ser a aplicação mais popular no Brasil, a poupança não oferece uma rentabilidade satisfatória mesmo para valores significativos.

A popularidade da poupança se deve à sua facilidade de acesso e ao baixo risco associado. Qualquer pessoa com uma conta bancária pode abrir uma poupança e começar a depositar seu dinheiro imediatamente, sem necessidade de conhecimentos em investimentos.

No entanto, considerar outras opções de investimentos para o seu dinheiro, pode fazer uma grande diferença na sua vida financeira e no alcance de seus objetivos, pois existem diversas alternativas práticas e mais vantajosas disponíveis no mercado financeiro, mesmo para quem não tem tempo para dedicar às finanças.

Então, vamos te mostrar quanto rende 1 milhão na poupança e te trazer informações bônus para conquistar uma rentabilidade superior à da caderneta com um risco adequado. 

Contents

Rentabilidade da Poupança:

Para descobrir quanto rende 1 milhão na poupança primeiro você deve saber que atualmente a poupança possui duas regras de remuneração.

A primeira regra é aplicada quando a taxa Selic (taxa básica de juros da economia) está acima de 8,5% ao ano. Nesse caso, a poupança rende 0,5% ao mês mais a Taxa Referencial (TR), que é determinada pelo Banco Central.

A segunda é aplicada quando a taxa Selic está abaixo de 8,5% ao ano, nessa ocasião a poupança rende 70% da taxa Selic + TR.

Considerando que a taxa Selic atualmente está em 13,75%, o rendimento da poupança é de 0,5% ao mês, enquanto a taxa referencial (TR), que varia diariamente, costuma ficar próxima de 0%. Fizemos uma simulação de retornos de aplicação de 1 milhão na poupança em alguns períodos distintos para você, acompanhe abaixo:

Poupança antiga (0,5% mês + TR)
Prazo6 meses12 meses18 meses24 meses
Dias corridos180360540721
Dias úteis126252378504
Taxa anual6,16%6,16%6,16%6,16%
Total final$1.030.339,75$1.061.600,00$1.093.808,68$1.126.994,56
Simulação de rentabilidade da poupança, elaborado pela autora.

Ao final de 1 ano, por exemplo, o patrimônio teria aumentado em R$61.600,00. Parece um bom rendimento, mas não se deixe levar pela aparência, porque mesmo um investimento mais seguro que a poupança (Tesouro Selic) poderia ter rendido no mesmo período cerca de R$108.192,89 de forma líquida. Por isso, conhecer as vantagens e desvantagens da poupança é essencial para saber quando deixar seu dinheiro na poupança e quando não deixar.

Vantagens e desvantagens da poupança

A poupança é, sem dúvida, uma forma prática de guardar dinheiro. No entanto, você já tinha parado para pensar que existem outras opções igualmente práticas e ainda mais vantajosas?

Ao analisarmos as vantagens e desvantagens da poupança, percebemos que ela oferece segurança, facilidade de aplicação, rapidez no resgate e isenção de impostos. No entanto, sua rentabilidade acaba ficando abaixo da inflação a longo prazo, e os juros só são contabilizados no aniversário.

Portanto, investir na poupança pode ser uma escolha razoável como reserva de emergência ou para pequenos valores. Mas, se o objetivo é buscar rentabilidade, proteger o dinheiro da inflação (garantindo seu poder de compra) ou construir um patrimônio sólido, certamente a poupança se mostrará uma opção de investimento insatisfatória.

Com 1 milhão de reais ou qualquer outra quantia que você considere relevante, torna-se crucial conhecer as opções disponíveis no mercado financeiro, tais como renda fixa, multimercado, renda variável, entre outras. 

Bônus: Como reconhecer os melhores investimentos para 1 milhão

Como você já descobriu, aplicar recursos na poupança não proporcionará uma alta rentabilidade. E mesmo que você fique confortável com isso, será que você gostaria de desperdiçar a chance de alcançar rendimentos superiores à poupança com igual ou maior segurança? Ou mesmo de alcançar rendimentos bem superiores à poupança a longo prazo com um risco adequado ao seu perfil e objetivos?

Acompanhe a seguir quais são essas opções e acredite você pode se surpreender.

Contas remuneradas

Contas remuneradas são contas oferecidas por instituições do mercado financeiro, de forma que o dinheiro depositado na conta gera algum tipo de remuneração ao cliente. Ao contrário das contas correntes tradicionais, que geralmente não rendem juros sobre os saldos depositados. 

Essas contas permitem que o cliente tenha acesso a uma remuneração sobre o valor mantido na conta, sem a necessidade de assumir riscos maiores, como ocorre em investimentos de renda variável. As taxas de remuneração podem ser definidas pela instituição financeira e estão sujeitas às regras e condições do mercado.

As contas remuneradas se popularizaram muito nos últimos anos e elas costumam render mais do que a poupança justamente para conseguir atrair um público que quer ter mais retorno com facilidade. Mas, é preciso pensar bem antes de colocar valores altos nessa modalidade, isso porque existe um risco de crédito associado a esse tipo de investimento.

O risco de crédito é a possibilidade de uma instituição financeira ou emissor de títulos não honrar seus compromissos de pagamento. Por isso, ao considerar opções de investimento, é importante avaliar a solidez e a reputação da instituição ou emissor envolvido.

Para ilustrar o risco de crédito das contas remuneradas, podemos recorrer à metáfora do peru de Ação de Graças proposta por Nassim Nicholas Taleb em seu livro “A Lógica do Cisne Negro”. Nessa história, o peru leva uma vida tranquila e feliz, sendo alimentado e cuidado diariamente por seu criador.

No entanto, chega o dia do feriado de Ação de Graças, e o peru é surpreendido e sacrificado. Essa história nos mostra que, mesmo que o patrimônio não oscile no dia a dia, não significa necessariamente que o investidor esteja protegido. Ou seja, a ausência de volatilidade (sobe e desce de mercado) não implica na ausência de risco.

Portanto, é crucial levar em consideração o risco de crédito para mitigar possíveis perdas e diversificar os investimentos

Título de Renda fixa: 

Renda fixa pode ser uma opção interessante para investidores em busca de maior previsibilidade de rendimentos e menor volatilidade em comparação à renda variável. Ao escolher investir em renda fixa, o investidor empresta seu dinheiro para instituições, como governo, bancos ou empresas, em troca de uma remuneração. 

Uma das principais vantagens da renda fixa é a previsibilidade dos rendimentos. Ao investir nesse tipo de ativo, o investidor tem uma ideia mais clara de quanto receberá ao final do período de investimento, de acordo com as taxas de juros e prazos estabelecidos.

Essa estabilidade e segurança podem ser atraentes para investidores que desejam proteger seu capital e obter um retorno consistente.

Além disso, a renda fixa oferece uma variedade de opções de investimento, CDBs (Certificados de Depósito Bancário), LCIs (Letras de Crédito Imobiliário), LCAs (Letras de Crédito do Agronegócio), debêntures e títulos privados. Cada um desses instrumentos possui características específicas, o que permite ao investidor ter aqueles que melhor se adequem às suas necessidades e objetivos financeiros.

No entanto, é importante considerar também algumas desvantagens da renda fixa. Em primeiro lugar, no longo prazo, os rendimentos desse tipo de investimento tendem a ser mais baixos em comparação à renda variável, principalmente em períodos de baixas taxas de juros. Isso pode limitar o potencial de ganhos do investidor, especialmente quando se busca retornos mais expressivos.

Além disso, embora a renda fixa ofereça menor volatilidade, ainda existe o risco de crédito associado às instituições emissoras dos títulos. Em casos de falência ou inadimplência, o investidor corre o risco de não receber o valor total investido ou ter dificuldades em reaver seu dinheiro.

Diante disso, ao considerar investir em renda fixa, é fundamental avaliar cuidadosamente as taxas de retorno, prazos, riscos envolvidos e diversificar a carteira de investimentos, buscando uma combinação adequada entre renda fixa e renda variável, de acordo com o perfil do investidor e seus objetivos financeiros.

Fundos Multimercados:

Os fundos multimercado apresentam tanto vantagens quanto desvantagens quando se trata de diversificação de investimentos. 

Por um lado, eles oferecem uma ampla gama de opções de investimento, permitindo a alocação em diversos ativos, como ações, títulos públicos, moedas estrangeiras e commodities. Isso possibilita uma maior diversificação e potencial de rentabilidade acima da média do mercado.

Além disso, os fundos multimercado são geridos por profissionais especializados, que têm o conhecimento e a experiência necessários para tomar decisões estratégicas de investimento. Isso pode trazer uma maior segurança e tranquilidade para o investidor, especialmente aqueles com menos conhecimento ou tempo disponível para acompanhar o mercado financeiro de perto.

Porém, eles apresentam algumas desvantagens. Em primeiro lugar, estão sujeitos a volatilidade e riscos de mercado, já que os diferentes ativos nos quais investem variam de valor de acordo com as condições econômicas e políticas.

Além disso, a gestão profissional e especializada dos fundos multimercado geralmente envolve taxas de administração mais elevadas em comparação com outras opções de investimento, o que pode reduzir a rentabilidade líquida obtida pelo investidor.

Assim, é importante que o investidor avalie cuidadosamente os prós e contras dos fundos multimercado, considerando seu perfil de risco, objetivos financeiros e horizonte de investimento. É recomendado buscar informações detalhadas sobre o histórico do fundo, seus gestores e estratégias de investimento antes de tomar uma decisão de investir nessa modalidade.

Renda Variável:

Investimentos em renda variável possuem vantagens e desvantagens a serem consideradas. Por um lado, esses investimentos envolvem ativos cujo retorno não pode ser previamente determinado, é o caso das ações, fundos imobiliários, ETFs, derivativos e outros. Essa característica traz consigo uma maior volatilidade e risco, exigindo uma abordagem cuidadosa.

No entanto, investir em renda variável também oferece a oportunidade de obter retornos expressivos. Ao contrário de investimentos de renda fixa, onde a rentabilidade é geralmente previsível e limitada, a renda variável pode proporcionar ganhos significativos. Por exemplo, a valorização de uma ação pode ser substancial ao longo do tempo, resultando em um aumento considerável do patrimônio do investidor.

Além disso, investir em renda variável permite participar da economia real e de setores específicos do mercado. Isso significa que os investidores podem se beneficiar do crescimento de empresas e indústrias em expansão, contribuindo para o desenvolvimento econômico.

No entanto, é fundamental adquirir conhecimento e realizar análises detalhadas antes de investir nessa modalidade ou ter acesso a um profissional que faça isso por você. A compreensão dos princípios básicos do mercado de ações, a análise de empresas e a gestão de riscos são aspectos essenciais para investir com segurança em renda variável.

Além disso, é importante ter em mente que a volatilidade pode resultar em perdas significativas, caso os investimentos sejam mal escolhidos ou o mercado se torne desfavorável.

Portanto, investir em renda variável pode ser uma estratégia atraente para aqueles que estão dispostos a assumir riscos e possuem uma abordagem de longo prazo. No entanto, é preciso estar ciente dos riscos envolvidos e estar preparado para enfrentar a volatilidade do mercado.

Tudo se completa na diversificação de Portfólio

Uma estratégia recomendada é a diversificação do portfólio, distribuindo os recursos em diferentes classes de ativos, como ações, títulos e fundos de investimento. Essa estratégia ajuda a reduzir riscos específicos, aproveitar oportunidades de mercado e proteger contra eventos imprevisíveis. No entanto, é importante destacar que a diversificação não garante lucro ou elimina completamente os riscos, mas aumenta a probabilidade de um rendimento mais estável ao longo do tempo.

Acesse aqui para descobrir como ter uma carteira ideal com maior rentabilidade e igual facilidade.

Conclusão

Embora a caderneta seja uma opção popular e acessível, ao invés de colocar 1 milhão na poupança é importante considerar outras alternativas de investimento para obter uma rentabilidade mais atrativa e alinhada aos objetivos financeiros. 

A diversificação do portfólio, explorando diferentes modalidades como renda fixa, multimercado e renda variável, pode proporcionar maior segurança, potencial de crescimento e proteção contra oscilações do mercado.

Cada investidor deve avaliar seu perfil, metas e tolerância ao risco para escolher as opções mais adequadas e buscar o equilíbrio entre segurança e rentabilidade. Ter acesso a uma equipe que cuidará disso para você pode fazer total diferença.

Andressa Siqueira, CFP®

Formada em Economia pela PUC-SP, é especialista em investimentos na Magnetis desde 2019. Possui as certificações CEA pela ANBIMA e de planejadora financeira CFP®, trabalha no mercado financeiro há mais de 8 anos.

leia mais desse autor