Magnetis Update 2020
dia 21/10 às 18h online e gratuito
X inscreva-se e garanta a sua vaga
Invista agora
a evolução na edução financeira, conheça a Magnetis.

Recessão econômica: o que é e quais são as causas e consequências?

Períodos de recessão econômica podem representar grandes desafios à vida financeira de muitas pessoas. Afinal, esse fenômeno cria um ambiente repleto de incertezas, que afetam a rentabilidade de investimentos até questões mais básicas, como a manutenção do próprio emprego.

A verdade é que as consequências de uma crise profunda na economia são muito amplas, o que faz com que praticamente todos sintam seus efeitos. Por isso, a melhor forma de lidar com essa situação é entender suas razões e construir um planejamento financeiro sólido.

Ao longo deste post, explicaremos melhor o que é uma recessão econômica e como você pode estar preparado para enfrentá-la. Confira!

O que é recessão econômica?

Recessão, crise, depressão — essas palavras tendem a ser ouvidas quando falamos sobre momentos de turbulência econômica. Seja qual for o termo escolhido, seus efeitos podem ser devastadores para quem for pego de surpresa por essa situação.

A definição do estado de recessão econômica está diretamente ligada aos resultados do Produto Interno Bruto (PIB) de um país, calculado a cada três meses.

Dessa forma, quando esse indicador apresenta resultados de queda por dois períodos consecutivos, o sinal de alerta já é ligado. Isso porque, nesses casos, considera-se que há um estado de recessão técnica, resultado das quedas nas atividades econômicas.

Quando essa situação negativa se prolonga e suas consequências se tornam mais severas, a definição de recessão econômica passa a ser uma realidade. De 1980 para cá, o Brasil já enfrentou diferentes períodos como esses, que sempre deixaram marcas na economia e, claro, na vida de muitas pessoas.

Vale lembrar que o PIB é um indicador que representa o conjunto de bens e serviços produzidos em determinado local. Ele é composto pelos resultados de diversos setores produtivos, que podem ter diferentes relevâncias para cada região.

Por isso, essas particularidades também precisam ser consideradas na hora de analisar se uma economia realmente entrou em recessão.

desafio 52 semanas

Quais são as principais causas da recessão econômica?

Como vimos, a queda do PIB é um grande indício de que uma recessão econômica pode estar se aproximando. Mas você sabe quais são os fatores que podem levar a esse grave quadro? Conheça agora os principais.

Políticas econômicas inadequadas

As diretrizes adotadas na condução de uma economia representam um fator preponderante para entendermos os fenômenos que a afetam. Para o ambiente econômico se manter saudável e próspero, é fundamental que elas estejam alinhadas às condições do mercado e, sobretudo, à sua própria realidade.

Por isso, quando as políticas seguidas se mostram inadequadas, é praticamente inevitável que a economia logo sinta as consequências dessas decisões. Muitas vezes, isso acontece quando ideais e convicções são priorizados na atuação dos agentes políticos em detrimento dos fatos que realmente deveriam nortear esse processo.

Então, estar atento à forma como a economia é conduzida é uma forma de se manter alerta quanto às possibilidades de uma crise no mercado.

Instabilidades políticas

Não é novidade para ninguém que o ambiente político costuma ser bastante conturbado em alguns momentos. O problema é que as instabilidades que ocorrem nesse meio podem ser tão ou mais prejudiciais para a economia do que decisões equivocadas.

Quando os representantes eleitos pela população não prezam pela manutenção de um cenário político favorável, os riscos de insegurança econômica também são grandes. Basta estar atento aos noticiários para perceber quando situações assim ameaçam comprometer o andamento da economia.

Catástrofes ambientais

Nem sempre as razões para uma recessão econômica estão ligadas a questões estritamente políticas. São vários os exemplos de crises assim que tiveram início a partir de catástrofes ambientais, como terremotos, ciclones, maremotos e pandemias.

Há ainda aquelas que acabam contando com a participação do homem, como rompimentos de barragens, vazamentos de óleo no mar e acidentes em usinas nucleares.

O fato é que esses eventos costumam deixar para trás um grande rastro de destruição que causa impactos profundos na atividade econômica da região afetada. Quando isso acontece, é natural que os esforços voltados à reconstrução dos locais atingidos afastem qualquer possibilidade de crescimento e dificultem a retomada produtiva.

Quais são as consequências de uma recessão econômica?

Existem diferentes consequências que podem ser esperadas em um período de recessão econômica. Vamos falar um pouco sobre as mais comuns.

Aumento do desemprego

Com a queda na atividade econômica, a demanda de várias empresas diminui consideravelmente em tempos de crise. E o pior é que a retomada costuma ser lenta, já que os empregadores precisam recuperar a confiança no mercado para voltarem a fazer contratações.

Esse efeito é mais sentido por pequenos e médios negócios, que são os que empregam a maior parcela dos trabalhadores no Brasil. Muitas dessas empresas também não resistem a esses períodos, encerrando suas atividades e reduzindo as opções de trabalho para quem procura.

Redução da renda familiar

Essa é uma consequência que está diretamente associada ao aumento nos índices de desemprego. Sem sua principal e, muitas vezes, única fonte de renda, as famílias sofrem um duro golpe no orçamento em períodos de recessão.

Isso faz com que elas percam poder de compra, podendo até mesmo comprometer sua capacidade de adquirir os itens básicos para subsistência. É evidente como essa situação é preocupante e expõe uma das faces mais perversas de uma crise econômica.

Retração dos investimentos

Uma economia que vive maus momentos definitivamente se torna menos atrativa para receber novos investimentos. A falta de garantias e de estabilidade que caracterizam esse cenário faz com que os detentores de capital busquem alternativas melhores em outros mercados.

Por isso, quem investe precisa estar sempre ligado nas notícias sobre economia e nas previsões para o futuro. Assim, fica mais fácil identificar os momentos em que uma mudança na estratégia de aplicação é necessária para evitar as adversidades de uma crise.

Outro cuidado importante, seja você uma pessoa que investe ou que está desenvolvendo seu planejamento financeiro, é manter uma reserva de emergência.

Esses recursos são fundamentais para atravessar momentos de recessão econômica sem grandes problemas. Além do PIB, que citamos no início do conteúdo, existem outros indicadores que nos ajudam a traçar um panorama da situação da economia. Confira nosso post sobre os principais indexadores econômicos e saiba como isso acontece!

Tesouro Direto: como investir?
Mariana Congo

Mari Congo tem paixão por explicar coisas difíceis de forma fácil. É jornalista, educadora financeira, especialista em finanças pessoais e investimentos e gerente de comunicação na Magnetis.

leia mais desse autor