Conheça os tipos de investimento para quem quer ter uma renda mensal

por Malena Oliveira | 22/03/2019

Renda mensal: conheça os investimentos para quem deseja viver de renda

Ter uma renda mensal e conquistar a tão desejada independência financeira é algo que está ao alcance de qualquer pessoa. Com um planejamento financeiro adequado, é possível juntar dinheiro e fazer investimentos para viver de renda no futuro.

A partir de agora, vamos mostrar como chegar lá. Neste post, você vai entender como ter uma renda mensal e quais são os investimentos mais adequados para esse objetivo. Acompanhe nossas dicas!

Veja mais: Sabia que a Magnetis pode ajudar você a viver de renda? Monte grátis o seu plano de investimentos!

Se você está sem tempo para ler, que tal ouvir este conteúdo? Aperte o play ou faça o download do áudio:

O que é renda mensal?

Renda mensal é um valor que você recebe todo mês. Essa quantia pode ser o pagamento do seu salário, bônus, comissões, recebimento de aluguéis ou juros de aplicações financeiras.

Ela se enquadra em uma das categorias a seguir:

  • renda ativa: você precisa trabalhar para receber. É o caso do salário, dos bônus e das comissões;
  • renda passiva: aquela pela qual você não precisa trabalhar. É o caso dos aluguéis e dos rendimentos de aplicações financeiras.

No caso das aplicações, existem alguns investimentos que pagam rendimentos periódicos, permitindo completar uma receita já existente. Em alguns casos, eles podem até virar uma fonte de renda principal.   

Guardar dinheiro para o futuro é o primeiro passo para quem pretende viver de renda, ou seja, ter a renda passiva como principal fonte de recursos.

Depois, é necessário investir bem esse dinheiro. O objetivo é acumular patrimônio suficiente para bancar o seu estilo de vida quando você deixar de ter renda ativa.

Com uma carteira de investimentos adequada, você consegue chegar lá. Vamos ver mais detalhes a seguir.

Como ter uma renda mensal?

Como mencionamos, é possível ter uma renda mensal com disciplina e um planejamento financeiro adequado.

Para isso, você precisa manter o foco em construir o seu patrimônio financeiro durante um determinado período.

Ao mesmo tempo, também precisa fazer bons investimentos, para que o dinheiro guardado possa se multiplicar.

Após essa fase, o valor acumulado pode ser sacado para bancar os seus gastos ou pode continuar rendendo pelo tempo que você achar necessário.

Outra possibilidade é fazer investimentos que, desde já, paguem algum rendimento. Falaremos mais sobre eles nos próximos tópicos. Mas saiba desde já que quanto mais tempo você deixar o dinheiro rendendo, maior será o valor final que você poderá sacar.

Cada pessoa tem um perfil e objetivos diferentes na hora de investir. Cabe a você entender o que é importante e manter a disciplina para alcançar aquilo que planejou.

A seguir, vamos ver quais são os tipos de investimento para quem deseja ter uma renda mensal.

Quais os principais tipos de investimentos para quem quer ter uma renda mensal?

São vários os tipos de investimentos que proporcionam uma renda mensal. A diferença é que alguns fazem pagamentos periódicos, enquanto outros podem ser sacados apenas no vencimento.

É possível associar as possibilidades de acordo com o valor que você quer receber, ou com o nível de risco que o seu perfil tolera.

Vamos ver quais são os principais tipos de investimentos para quem quer ter uma renda mensal e como cada um funciona:

1. Investimentos que pagam rendimento mensal

Na família da renda fixa, o investimento mais conhecido para quem busca renda mensal é o plano de previdência privada.

Trata-se de uma aplicação focada no longo prazo. Ela envolve um período de acumulação, no qual a pessoa aplica o dinheiro que será destinado à sua renda futura.

Depois desse período, é possível resgatar o valor total ou recebê-lo como se fosse um salário. O investimento em previdência privada vale a pena para quem pode investir por pelo menos dez anos.

Na renda variável, os principais investimentos que pagam rendimento mensal são os fundos de investimento imobiliários (FIIs).

Fundos imobiliários funcionam como os fundos de investimento tradicionais. No entanto, suas cotas são negociadas na bolsa de valores. Ou seja, o preço muda com mais frequência.

Os ativos que compõem os fundos imobiliários são prédios corporativos ou residenciais, shopping centers, galpões logísticos, hospitais, escolas e agências bancárias. Também há fundos que investem em recebíveis imobiliários (CRIs) e cotas de outros fundos.

O rendimento dessas cotas é baseado em aluguéis e é depositado mensalmente na conta de quem investe. Esse rendimento é isento de Imposto de Renda. No entanto, os fundos imobiliários exigem uma análise de risco mais minuciosa e não são indicados para quem prefere aplicações mais seguras.

2. Investimentos de renda fixa que pagam juros semestrais

Aplicações que fazem pagamentos semestrais, como o nome já diz, depositam uma pequena parte dos juros a cada seis meses na conta da pessoa.

Dependendo do valor investido, é possível usar os rendimentos para complementar o seu salário ou usá-los como fonte principal de recursos, gerenciando os valores para ter dinheiro todo mês.

Entre as modalidades mais conhecidas, estão os títulos do Tesouro Direto que pagam juros semestrais. São eles:

  • Tesouro Prefixado com juros semestrais (a antiga NTN-F);
  • Tesouro IPCA+ com juros semestrais (a antiga NTN-B).

Além desses títulos, também existem algumas debêntures que fazem pagamentos de juros semestrais, as chamadas amortizações.

Existem alguns CDBs, Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI) e do Agronegócio (CRA) que pagam juros semestrais, mas são aplicações mais raras.

Além disso, esses investimentos costumam ter prazos de vencimento mais longos e valores mínimos mais altos para começar a investir.

Todos os exemplos acima fazem parte da família da renda fixa. Eles permitem a retirada de uma pequena parte dos juros do investimento a cada seis meses e, quando há Imposto de Renda, ele é descontado na fonte (de forma automática).

3. Investimentos que pagam dividendos

Os dividendos de ações são o tipo mais conhecido de rendimento trimestral. Para ter direito, basta ter uma conta em uma corretora e investir nessas ações. Os valores são isentos de Imposto de Renda.

Porém, nem todas as empresas da bolsa distribuem dividendos trimestrais. Para saber quais empresas fazem pagamentos regulares, basta consultar o Índice de Dividendos (IDIV) da bolsa de valores.

Novamente, vale a lógica de gerenciar os valores recebidos para ter uma renda mensal.

4. Investimentos que pagam juros sobre capital próprio

Os investimentos que pagam juros sobre capital próprio (JCP ou JSCP) são as ações.

O mecanismo é semelhante ao dos dividendos: para ter direito, basta comprar esses papéis por meio de uma corretora.

A diferença entre dividendo e JCP e que este último está sujeito ao Imposto de Renda. A tributação acontece de forma automática (na fonte), no momento do pagamento.

Existem algumas ações na bolsa de valores que pagam JCP mensal. Outras pagam a cada três meses ou de forma não recorrente. A forma de distribuição é determinada pela empresa que emite a ação.

Tanto o JCP quanto os dividendos vêm a partir de investimentos de renda variável. Portanto, é preciso fazer uma análise criteriosa para obter bons resultados em relação ao recebimento desses proventos.

Inicialmente, é fundamental conhecer muito bem o histórico da empresa e entender o seu desempenho. Por mais que o passado não traga garantias definitivas sobre o futuro, negócios com consistência oferecem um nível maior de segurança.

Também é válido conhecer o estatuto do empreendimento e acompanhar a aprovação para o pagamento de dividendos ou JCP. Pondere riscos e oportunidades para, só então, definir quais papéis podem ajudar você a viver desses ganhos.

Invista com a Magnetis a partir de 1 mil

Qual é o melhor investimento para ter renda mensal?

O melhor investimento para ter renda mensal depende do seu perfil e dos seus objetivos.

Há pessoas que toleram melhor as oscilações do mercado, enquanto outras preferem aplicações mais conservadoras.

Assim, as aplicações de renda fixa são opções para quem deseja mais estabilidade em seus investimentos (títulos do Tesouro Direto, CDBs e planos de previdência que investem nesses ativos).

Já quem está disposto a mais oscilações por rendimentos maiores, pode escolher alguns investimentos de renda variável (ações, fundos multimercado e até fundos imobiliários).

De qualquer forma, cada pessoa terá uma carteira de investimentos diferente, dependo de onde deseja chegar.

Fazer um bom investimento para renda mensal é um jeito de ter mais segurança e estabilidade no futuro. Mas, como vimos, escolher a melhor alternativa depende de critérios muito particulares.

Não sabe por onde começar? Baixe gratuitamente o nosso e-book Consultoria de Investimentos: Guia Completo sobre o Serviço e saiba como investir nas melhores aplicações para você!


Luciano

Malena Oliveira é jornalista especializada em Finanças Pessoais e redatora na Magnetis.

Avaliar o post