Como resgatar investimentos sem perder dinheiro

por Malena Oliveira | 04/03/2019

resgatar investimentos

Para ter sucesso em qualquer investimento, é preciso saber como as aplicações financeiras funcionam. Isso evita enganos e surpresas que podem trazer prejuízos. Um dos pontos que mais merecem atenção - além do seu perfil e dos seus objetivos - é saber como resgatar investimentos sem perder dinheiro.

As regras de resgate de cada investimento variam de acordo com a modalidade da aplicação. Assim, cada investimento terá características diferentes nesse sentido e nem sempre as aplicações serão totalmente comparáveis.

Para ajudar você a escolher as melhores alternativas, explicamos neste post como acontece o resgate dos principais tipos de investimentos. Confira!

Como acontece o resgate de um investimento?

Muitas pessoas que fazem uma aplicação financeira se esquecem de checar as condições de resgate desse investimento. Assim, na hora de sacar o dinheiro, acabam sendo surpreendidas pelo tempo que o resgate pode levar ou, em alguns, pelas taxas cobradas por esse saque.

Isso acontece porque a maioria dos brasileiros só conhece a poupança como investimento. Na caderneta, o saque é processado de forma imediata e não há nenhum prejuízo. Porém, não funciona assim para outros tipos de investimento.

Para entender como funciona o resgate de uma aplicação financeira, primeiro é preciso saber mais sobre a liquidez desse investimento. Liquidez, aliás, é o tempo que um ativo leva para ser transformado em dinheiro.

Em alguns investimentos de renda fixa com prazo de vencimento mais longo, é até possível resgatar o dinheiro antes do prazo. Porém, geralmente há um pedágio para esse resgate que pode comprometer o valor investido. A pessoa que sacar antes da hora pode até perder dinheiro, sem falar que a sua rentabilidade será prejudicada.

Imagine, por exemplo, alguém cujo principal objetivo é formar uma reserva financeira para os momentos de emergência. Pensando nisso, não faz sentido manter o dinheiro aplicado em investimentos com baixa liquidez, uma vez que eles levarão mais tempo para ser resgatados.

Por outro lado, quem investir em uma aplicação com liquidez diária (como um CDB, fundo de investimento ou a própria NuConta) poderá movimentar esses recursos quando quiser, sem prejuízo.

Quais investimentos podem ser resgatados a qualquer momento?

A poupança costuma ser o principal exemplo de aplicação que pode ser resgatada a qualquer momento. No entanto, apesar dessa vantagem, a sua rentabilidade é baixa, o que faz dela uma opção menos interessante, mesmo para quem está começando no mercado.

Para essas pessoas, uma alternativa interessante é o Tesouro Selic, um investimento com rentabilidade ligada à taxa básica de juros da economia nacional.

Eles têm liquidez diária e servem muito bem para quem está formando uma reserva de emergência ou ainda para quem está aprendendo sobre investimentos.

Alguns CDBs (Certificados de Depósito Bancário) também oferecem liquidez diária. Com uma boa pesquisa, é possível encontrar opções com rentabilidades interessantes, principalmente em bancos de pequeno e médio porte.

Existem também fundos de investimento de renda fixa que oferecem a possibilidade de saque a qualquer momento. No entanto, vale prestar atenção à taxa de administração desses fundos. Se ela for superior a 1% ao ano, a rentabilidade da aplicação pode ser comprometida.

Por fim, outra opção de investimento com liquidez diária é a NuConta, a conta digital do Nubank. Ela pode ser obtida por meio de um cadastro no site da instituição e não depende do cartão de crédito para ser utilizada.

Quanto custa para resgatar um investimento?

Podem existir alguns custos na hora do resgate de um investimento. Ter uma boa noção sobre esses encargos é essencial, já que eles costumam impactar no valor depositado na sua conta quando o resgate for efetuado.

Vamos tomar o Tesouro Selic como exemplo. Sobre ele, incidem encargos como a taxa de custódia, impostos e, eventualmente, uma taxa de administração.

A taxa de custódia remunera a bolsa de valores, responsável pelo registro e guarda dos títulos no nome do comprador. Em janeiro de 2019, essa taxa foi reduzida de 0,30% para 0,25% ao ano, o que torna o Tesouro Direto mais competitivo diante de outros investimentos.

Pode haver também uma taxa de administração, que é cobrada pelo banco ou corretora que administra esses investimentos. No entanto, a maioria dos bancos e corretoras oferece taxa zero no Tesouro Direto.

Por fim, temos os impostos. Nesse caso, a dica é usar o tempo a seu favor, uma vez que quanto maior o período da aplicação, menores as alíquotas cobradas.

No caso do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), por exemplo, a alíquota é zerada após 30 dias da aplicação.

O Imposto de Renda, por sua vez, tem uma alíquota que começa em 22,5% sobre o lucro para aplicações de até 6 meses, mas pode chegar a 15% no caso de investimentos acima de dois anos.

Regras similares são estendidas a outras formas de investimento, embora existam aquelas isentas de Imposto de Renda (como as Letras de Crédito Imobiliário e do Agronegócio, as famosas LCI e LCA).

Como escolher o melhor investimento?

Para escolher o melhor investimento para você, é preciso analisar as possibilidades disponíveis e conhecer o funcionamento dessas aplicações. Sem isso, você pode se assustar com a oscilação negativa de uma aplicação e sacar o investimento antes do prazo ideal.

Essa oscilação é algo que pode ocorrer, por exemplo, com investimentos no Tesouro Direto. Porém, um gráfico negativo não quer dizer que você esteja perdendo dinheiro, apenas que o preço negociado está menor. Nesse caso, vale a pena esperar a valorização do preço para resgatar com lucro.

Por isso, uma boa decisão de investimento passa pela identificação do seu perfil e da definição de objetivos claros. O perfil vai orientar sobretudo a tolerância dessa pessoa aos riscos, inerentes a toda forma de investimento. Quanto maior esse nível de exposição, mais arrojado o perfil. Por outro lado, quanto menos tolerado, mais conservadoras serão as aplicações.

Quem tem um perfil mais conservador e está investindo para formar uma reserva financeira ou para adquirir um bem cujo valor já é conhecido deve focar nas opções de renda fixa, cuja rentabilidade é mais previsível.

Além disso, com objetivos claro, você tem um controle maior sobre os seus investimentos e saberá qual é o momento ideal para fazer o resgate.

Assim, para obter sucesso na hora de investir, é indispensável combinar conhecimento e estudo sobre o mercado com um bom planejamento financeiro. 

Tal combinação permite aproveitar melhor as opções disponíveis e resgatar investimentos sem perder dinheiro. Agora que você entende melhor sobre esse assunto, que tal compreender mais a fundo a relação entre liquidez e rentabilidade um investimento? Confira a explicação e faça as melhores aplicações para você.

Luciano

Malena Oliveira é jornalista especializada em Finanças Pessoais e redatora na Magnetis.

Avaliar o post