Precisamos falar sobre a sua aposentadoria

por Mariana Congo

Eu sei que você não quer falar sobre aposentadoria, mas precisamos falar desse assunto. 

Estou preocupada. 

Não é algo que já tire o meu sono, mas fico pensando... Será que daqui a alguns anos as mulheres irão se aposentar aos 60 anos? 

Devo confiar meu futuro na Previdência Social? Ou investir por conta própria? 

Essas são algumas ideias que ficam martelando na minha cabeça. 

A Previdência Social dará conta de, no máximo, um terço da renda desejada pelo brasileiro

A boa notícia é que não estou sozinha nesses pensamentos.

A maioria dos brasileiros (82%) tem o mesmo tipo de receio. Vamos viver com conforto quando nos aposentarmos?

Esse dado é da pesquisa Investor Pulse 2015, realizada pela BlackRock - a maior gestora de ativos do mundo. Foram ouvidas as opiniões de 1.000 brasileiros. No mundo, 31 mil pessoas de 20 países participaram.

A seguir, selecionamos para você os insights mais interessantes da pesquisa. A conclusão é importante: a tecnologia financeira pode te ajudar a aposentar melhor. Não adie o planejamento do seu futuro! (Veja o infográfico da pesquisa). 

Sobre aposentadoria: vai faltar dinheiro?

Tem um número da Investor Pulse que chamou minha atenção: 65% dos brasileiros têm medo de viver mais tempo do que o dinheiro guardado para aposentadoria suportaria.

Não me parece uma preocupação tola.

A cada dia que passa aumenta a expectativa de vida.

A esperança de vida ao nascer está hoje em 75 anos e 2 meses e 12 dias (esse é o dado mais atual do IBGE). Em 1940, a expectativa era de 45 anos e 5 meses. São quase trinta anos a mais para viver!

Que salto daremos até 2050?

Precisamos nos preparar para o futuro.

A pesquisa mostra que os homens esperam se aposentar aos 60 anos, antes da idade oficial

Os participantes da pesquisa acreditam que a aposentadoria provida pela Previdência Social dará conta de, no máximo, um terço da renda desejada para essa fase da vida. 

Fica cada vez mais claro que é imprescindível economizar e investir seu dinheiro por conta própria.

A pesquisa da BlackRock também mostra que em toda América Latina as pessoas esperam se aposentar aos 60 anos de idade. Os homens têm o mesmo desejo, apesar da idade oficial da Previdência Social brasileira ser de 65 anos.

Um consultor pra chamar de seu​

Alguns pensamentos dos brasileiros sobre a aposentadoria são contraditórios e isso fica evidente na pesquisa. Afirmamos saber o quanto precisamos economizar até nos aposentarmos. Mas, ao mesmo tempo, só 42% dizem que estão bem preparados financeiramente para essa fase da vida.

O lado bom é que, na comparação com 2014, em 2015 mais pessoas afirmaram que estão guardando dinheiro para aposentar. Mas será que estamos fazendo isso da melhor maneira?

Metade dos brasileiros nunca contratou uma consultoria da investimentos. E dentre os que já tiveram contato com o serviço, a consultoria foi em uma agência bancária.

Como investir para a aposentadoria? Simule seu plano agora

Os bancos ainda são a nossa principal fonte de informação para investimentos de longo prazo. Jovens mostram menos disposição a ir a agências bancárias e preferem pesquisas online: em sites (incluindo os dos próprios bancos), portais de notícias, buscadores e redes sociais.

Dependentes dos bancos, mas interessados em mudança

Precisamos falar sobre a sua aposentadoria

O que o brasileiro pensa sobre aposentadoria? Veja o infográfico

Apesar das pessoas serem dependentes das instituições bancárias, a pesquisa Investor Pulse mostra que também estão abertas a novidades nos serviços financeiros.

Outros dados indicam que os brasileiros estão em um relacionamento sério com os bancos, mas a relação está desgastada - é de amor e ódio:

  • O amor monogâmico: 78% têm conta bancária em apenas uma instituição.

  • Pular a cerca: 73% dos brasileiros estão interessados em que o seu banco ofereça opções de investimentos de outros emissores.

  • O amor romântico: afirmamos que 67% do nosso dinheiro está em poupança e conta corrente.

  • Menos romance: acreditamos que o ideal seria ter somente 32% do dinheiro "vivo" em poupança e conta corrente. Temos consciência de que o ideal é investir mais.

​Diversificação já!

Com todo esse dinheiro "vivo", há muito espaço para diversificar investimentos.

Tem gente que ainda acredita que manter o dinheiro em conta corrente e poupança não é um problema, pois ele nunca perderia valor (15% dos brasileiros e 12% dos latino-americanos pensam assim). Mas é fato que a inflação corrói o valor do dinheiro ao longo do tempo. Por isso é tão importante investir para proteger seu patrimônio.

Falando sobre diversificação, pouca gente já ouviu falar dos ETFs - os fundos de ações que seguem a rentabilidade de índices (como o Ibovespa).

15% dos brasileiros acreditam que o dinheiro nunca perde valor. Mas e a inflação, faz o quê?

Dentre as pessoas que já conhecem o produto, há o reconhecimento de que ETFs são uma boa opção de investimento de longo prazo. Ou seja, eles poderiam entrar no portfólio de quem quer investir para a aposentadoria.

Um estudo feito pela Magnetis, inclusive, mostrou que para quem tem até R$ 100 mil para aplicar em ações, os ETFs são a melhor opção. Tanto em termos de rentabilidade quanto de risco, pois cada índice contém dezenas ou centenas de ações de empresas.

'Ninguém vai me empurrar investimentos que eu não preciso'

Em 2015, a Investor Pulse coletou, pela primeira vez, a opinião das pessoas sobre o uso de tecnologia nas finanças pessoais. Os serviços digitais de investimento automatizado - das empresas chamadas fintech (do inglês financial technology) - são um exemplo.

A Magnetis se enquadra nessa descrição, pois usamos algoritmos para construir planos de investimento adequados ao perfil de cada cliente.

Acreditamos que a revolução dos serviços financeiros pode ajudar os brasileiros a atingir seus objetivos para a aposentadoria.

Invista para a aposentadoria sem complicação. Simule grátis seu plano!

A pesquisa Investor Pulse mostra que no Brasil há um grande interesse no serviço de investimentos automatizados online (74% têm algum nível de interesse, contra 62% na média da América Latina). São os consultores-robôs.

Na faixa de brasileiros entre 25 e 34 anos o interesse é grande: chega a 80%. 

O brasileiro valoriza a conveniência, a simplicidade e acredita que o serviço da consultoria automatizada teria custo menor.

Em mais um sinal de ódio aos bancos, os participantes da pesquisa dizem que com os serviços de tecnologia financeira "ninguém vai me empurrar produtos que eu não preciso".

Reputação e experiência são os motivos principais para alguém considerar usar uma consultoria de investimentos. Os custos aparecem depois.

Vale lembrar que os custos têm uma relação forte com o tópico conflito de interesses: será que o banco oferece os melhores produtos para você ou aqueles que dão maior retorno para a instituição? Já fizemos um post explicando o conceito de rentabilidade líquida e o peso das taxas de administração nos investimentos de longo prazo.

Quais são as soluções possíveis?​

Eu continuo com algumas ideias fixas na cabeça. A maior parte dos brasileiros sabe que precisa planejar melhor sua aposentadoria. Mas pouca gente está, de fato, fazendo algo a respeito. Como resolver essa equação?

Dentre os mais jovens, de 25 a 34 anos, a pesquisa mostra que há maior confiança em atingir a renda desejada para a aposentadoria em comparação com as faixas entre 45 e 54 anos. Também são os jovens que estão mais interessados em serviços online de consultoria financeira automatizada.

Minha aposta é: a tecnologia financeira nos ajudará a aposentar com mais qualidade de vida. E isso é especialmente mais importante para os jovens, que estão liderando a mudança de comportamento.

E você?

Já parou para pensar na sua aposentadoria? 

Luciano

Mariana Congo é Content Manager da Magnetis e jornalista especializada em finanças pessoais.

Veja também:

Infográfico - O que o brasileiro pensa sobre aposentadoria

Precisamos falar sobre a sua aposentadoria
Avaliar o post