Invista agora
a evolução na edução financeira, conheça a Magnetis.

Taxa de carregamento da Previdência: o que é e como funciona?

Você já ouviu falar em taxa de carregamento da Previdência? Esse item dentro das taxas cobradas pela Previdência Privada é visto como um encargo administrativo ao realizar a sua gestão de recurso. Mas cuidado! Não são todas as instituições financeiras que o cobram. E ele pode fazer muita diferente no valor final do seu investimento.

Conhecer as taxas básicas cobradas é fundamental para garantir uma boa aplicação no seu plano de previdência. E deixar você mais perto de alcançar os resultados desejados em longo prazo.

Neste artigo, você vai conferir o que é a taxa de carregamento, como ela é cobrada e qual é o seu impacto nos investimentos, entre outros aspectos. 

O que é taxa de carregamento da Previdência?

A taxa de carregamento é um desconto feito de acordo com os aportes ou resgates do seu plano de previdência para cobrir os custos da transação.

Esse tipo de taxa é cobrado em cima de cada quantia investida. Isso significa que o valor final da sua previdência vai sofrer uma diminuição por causa do desconto de algumas tributações. 

De modo geral, o valor das taxas de carregamento é em torno de 2% do valor depositado ou retirado do plano. No entanto, ele pode chegar a 5% dependendo da instituição ou não existir.

A taxa de carregamento é diferente da taxa de administração, que é cobrada por todas as instituições financeiras para custear a administração geral do plano. Ou seja, se você não cuidar bem pode ter duas taxas corroendo a rentabilidade da sua previdência privada.

Como a taxa de carregamento é cobrada na Previdência?

A taxa de carregamento na Previdência Privada pode ser cobrada de três maneiras diferentes. Veja a seguir!

Cobrança na entrada ou antecipada

Na cobrança antecipada, ou Taxa de Entrada, a arrecadação já acontece no momento da contribuição, incidindo sobre o dinheiro depositado. Se você dispor de R$ 10.000, por exemplo, com taxa de 5%, somente R$ 9.500 será aplicado. O banco ou instituição fica com R$ 500 para eventuais despesas.

Cobrança na saída ou postecipada

Também chamada de Taxa de Saída, a cobrança é feita só no momento do resgate do valor contribuído — ou da portabilidade. Ou seja, quando o dinheiro for retirado. 

Um detalhe dessa modalidade é que a instituição costuma diminuir a porcentagem das taxas de carregamento, de acordo com o tempo de permanência no plano. Assim, quanto maior o tempo da aplicação, menor a taxa a ser paga.

A taxa de carregamento de saída é estipulada no regulamento dos planos de Previdência Privada. Até 12 meses, a cobrança em geral é de 10% ao ano. De 13 a 24 meses, a taxa diminui para 8% ao ano. Entre 25 a 36 meses, o valor chega a 6%. Por isso, não é recomendado fazer muitos resgates e movimentações nesse dinheiro.

Cobrança dupla ou híbrida

Aqui a taxa é cobrada duplamente, tanto no momento da contribuição quanto na hora da retirada ou portabilidade. Nesse contexto, a porcentagem é aplicada de forma a manter a média geral da taxa de carregamento, assim como nas modalidades anteriores.

Qual é o impacto dessa taxa na rentabilidade da Previdência?

A taxa de carregamento da Previdência pode ter um impacto significativo sobre o rendimento líquido do investimento. Apesar de parecer uma cobrança simples em um primeiro momento, quanto maior a taxa, menor a rentabilidade da Previdência Privada. E, quanto menor a rentabilidade, menor também será o benefício mensal disponível para uso.

Embora a taxa de carregamento da Previdência seja legal e cobrada pela maioria dos bancos, existem gestores que não realizam esse recolhimento. Procurar uma instituição financeira que não cobre altas taxas também é uma boa opção ao ampliar os seus rendimentos. O ideal é sempre conferir as cláusulas e regras do plano no momento da contratação.

Vamos dar um exemplo: você faz um investimento inicial de R$ 1 mil em um plano de previdência privada com taxa de carregamento de entrada de 2% e aportes mensais de R$ 500. Ao final de um ano você terá aplicado R$ 7 mil, mas apenas R$ 6.860 efetivamente serão investidos.

Ao final de 20 anos, você terá investido R$ 121 mil, mas R$ 2.420 ficarão pelo caminho apenas para pagar esta taxa.

Lembre-se sempre: caso a taxa cobrada pelo seu plano atual esteja muito alta, é possível pedir a mudança do plano escolhido ou até a portabilidade da Previdência Privada.

Agora você já conhece a taxa de carregamento da Previdência e sabe como ela funciona. Então, está na hora de conhecer a Previdência Magnetis, que não cobra taxa de carregamento nenhuma. Simule agora como seu plano de previdência renderia mais com a Magnetis.

Julia Ayres

Julia é jornalista por formação, mas apaixonada por marketing digital, performance e educação financeira. Atualmente, lidera as estratégias de marketing para a área de empresas da Magnetis

leia mais desse autor