Como a taxa de custódia afeta os seus investimentos? Entenda aqui!

por Mariana Congo | 28/06/2019

Taxa de custódia: o que é? Como funciona?

Se você já fez algum investimento no Tesouro Direto, deve ter percebido que o resultado final da sua aplicação tem alguns descontos. Além dos impostos, há também a taxa de custódia. Mas o que é essa taxa e sobre qual valor ela é cobrada?

A taxa de custódia é um valor pago para a instituição que registra as aplicações financeiras no CPF das pessoas. Ela pode incidir sobre diversos tipos de investimento, mas é mais comum ouvirmos falar da taxa de custódia do Tesouro Direto.

Neste post, você vai entender melhor o que é essa taxa, para que ela serve e qual é o seu impacto sobre o dinheiro investido. Vamos começar?

O que é taxa de custódia?

A taxa de custódia, como mencionamos, é uma tarifa paga a uma instituição para fazer o registro de um investimento em nome de quem aplicou o dinheiro.

Esse valor pode ser cobrado sobre diversos tipos de investimento. No entanto, é mais comum vermos essa cobrança sobre ações e títulos públicos, como é o caso do Tesouro Direto.

A taxa de custódia pode ser mensal ou anual e é calculada sobre o valor total da aplicação. Ela pode ser cobrada no momento da aplicação inicial, do resgate ou pode ser provisionada durante o período da aplicação.

Antigamente, quando ainda não era possível fazer investimentos online, o registro de uma aplicação financeira era feito em certidões em papel. Não é à toa que, até hoje, as ações de uma empresa também são chamadas de papéis.

A taxa de custódia, portanto, era a remuneração pelo serviço de confecção e guarda desses documentos.

Com as transações eletrônicas, não há mais a necessidade de documentos físicos que provem que uma pessoa fez determinada aplicação. No entanto, ainda há o registro eletrônico de todas as operações de compra e venda de ações e títulos que acontecem no mercado.

Hoje, a principal instituição que faz a custódia de investimentos no Brasil é a bolsa de valores (a B3). Há também bancos especializados que fazem esse serviço.

Como funciona a taxa de custódia do Tesouro Direto?

A taxa de custódia do Tesouro Direto hoje é de 0,25% ao ano sobre o valor total do investimento (capital + rendimentos).

A tarifa é recolhida uma vez por semestre de forma proporcional. É por isso que quem investe em títulos públicos sofre uma cobrança a cada seis meses, mesmo que não tenha feito nenhum resgate.

Assim, essa taxa remunera a bolsa de valores pela responsabilidade de registrar os títulos comprados, pela manutenção do sistema e pela emissão e envio de extratos às pessoas que investiram.

O cálculo é feito da seguinte maneira: imagine que você investiu R$ 1 mil no Tesouro Direto. Ao final de um ano, o valor total da taxa de custódia será de R$ 2,50.

Esse total, porém será dividido em duas cobranças de R$ 1,25 por semestre, cobrados no primeiro dia útil dos meses de janeiro e de julho.

A cobrança também pode ser proporcional ao prazo decorrido desde a data do investimento em situações específicas, como:

  • resgate antecipado (antes de se encerrar o período total do investimento);
  • recebimento dos juros semestrais;
  • vencimento do título.

Portanto, ainda que a sua corretora ofereça taxa zero no Tesouro Direto, a taxa de custódia continuará sendo cobrada.

Como funciona a taxa de custódia sobre ações?

Em relação às ações, a taxa de custódia é um valor cobrado a cada mês pelas corretoras para a manutenção do cadastro e das operações feitas pelo home broker da instituição ou pela mesa de operações.

Esse valor tem como objetivo cobrir despesas operacionais da corretora perante a Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia (CBLC).

Ela não é uma cobrança obrigatória e boa parte das corretoras hoje têm uma política de taxa zero sobre ações.

Como escolher a melhor corretora?

Para escolher uma corretora, é importante analisar os valores cobrados nas taxas de custódia e de corretagem.

Mas a decisão requer reflexão, já que os serviços oferecidos por determinada corretora podem ser de melhor qualidade que os serviços ofertados por outra.

Verifique vantagens como: os tipos de investimento que são oferecidos, as ferramentas e os recursos que tornam as transações mais práticas, os aplicativos e suas funcionalidades e outros critérios.

É importante comparar valores de taxas, bem como serviços oferecidos e a reputação da corretora. O investidor pode conversar com clientes antigos e novos da instituição para coletar informações.

Não tome decisões precipitadas: compare, avalie e somente depois escolha.

Se você quiser, também pode contar com a ajuda de profissionais especializados para escolher os melhores investimentos para você. Nesse sentido, uma consultoria de investimentos pode ajudar na sua busca.

Agora que você entende o que é e como funciona a taxa de custódia, que tal saber mais sobre a consultoria de investimentos? Baixe grátis o nosso Guia Completo sobre a Consultoria de Investimentos e tire suas dúvidas!

Avaliar o post