Taxa zero nas corretoras: benefício real ou ‘metade do dobro’?

por Mariana Congo | 19/04/2019

Taxa zero nas corretoras: vale a pena investir?
consultoria de investimento

Se você já fez ou pensa em fazer algum investimento em uma corretora de valores, deve ter notado que algumas delas adotaram a estratégia de zerar algumas cobranças. É o caso de XP Investimentos, Rico e Easynvest, por exemplo. Mas o que será que está por trás da taxa zero nas corretoras?

Se você estiver sem tempo para ler, sem problemas! Basta dar o play a seguir para ouvir este post na íntegra.

Primeiro, foi o Tesouro Direto. Depois, em 2016, foi a vez dos títulos de renda fixa (como CDB, LCI e LCA) entrarem nessa “promoção”. Hoje, há até fundo imobiliário sendo oferecido nessas condições.

Essas mudanças já geraram muito burburinho na imprensa e no mercado. Porém, muita gente começou a ter dúvidas.

Veja mais: Que tal fazer uma análise completa da sua carteira de investimentos? Clique e peça grátis o seu diagnóstico!

Se você está sem tempo para ler, que tal ouvir este artigo? Aperte o play ou baixe grátis o áudio deste post!

Algumas das principais dúvidas que surgiram foram:

  • O que significa taxa zero?
  • Se a taxa agora é zero, quanto era antes?
  • Essa mudança é uma inovação ou as corretoras apenas seguiram o que outras já vinham fazendo?

Resolvemos tirar a limpo essa história e esclarecer tudo para você. Neste post, vamos comparar as taxas para investir no Tesouro Direto em 10 corretoras de investimentos. Vamos também explicar o que é o spread, um custo invisível das aplicações em renda fixa.

Ficar atento a esses custos é muito importante, pois eles podem ter um impacto direto na rentabilidade líquida dos seus investimentos (ou seja, podem reduzir os seus ganhos!).

Confira as informações neste e post e tire todas as suas dúvidas sobre o tema.

Taxa zero nas corretoras de investimentos: veja a comparação

Para fazer a nossa análise, listamos 10 grandes corretoras de valores brasileiras. Apuramos os custos para investir em títulos de renda fixa (como CDB, LCI e LCA) e também no Tesouro Direto.

Os quadros abaixo mostram as corretoras em ordem alfabética e, por meio dele, fica fácil perceber que a maioria delas já não cobrava taxa de administração.

Taxas de administração para títulos de renda fixa (CDB, LCI, LCA)

Corretora Como era  Como está agora 
Ativa Sem taxa de custódia ou custo explícito de intermediação Sem taxa de custódia ou custo explícito de intermediação
Clear Sem taxa de custódia ou custo explícito de intermediação Sem taxa de custódia ou custo explícito de intermediação
Easynvest Sem taxa de custódia ou custo explícito de intermediação Sem taxa de custódia ou custo explícito de intermediação
Geração Futuro Sem taxa de custódia ou custo explícito de intermediação Sem taxa de custódia ou custo explícito de intermediação
Guide Taxa de custódia de 0,2% ao ano sobre o valor do título Sem taxa de custódia ou custo explícito de intermediação
Modalmais Sem taxa de custódia ou custo explícito de intermediação Sem taxa de custódia ou custo explícito de intermediação
Órama Sem taxa de custódia ou custo explícito de intermediação Sem taxa de custódia ou custo explícito de intermediação
RicoCusto variava de acordo com o prazo de vencimento do título: 0,10% sobre títulos com vencimento de até 94 dias, indo até 0,80% para prazos maiores que 546 dias Sem taxa de custódia ou custo explícito de intermediação
XP Investimentos Taxa de custódia fixa de R$ 9,90 ao mês – independentemente do volume de títulos Sem taxa de custódia ou custo explícito de intermediação

Taxas de administração para Tesouro Direto nas corretoras

Corretora Como era  Como está agora 
Agora Investimentos Não cobra Não cobra
Ativa 0,20% ao ano 0,20% ao ano
Clear Não cobra Não cobra
Easynvest Não cobra Não cobra
Geração Futuro 0,30% ao ano Não cobra
Guide Entre 0,10% e 0,39% ao ano Não cobra
Modalmais Não cobra Não cobra
Órama A corretora não trabalha com Tesouro Direto
Rico 0,10% ao ano Não cobra
XP Investimentos 0,10% ao ano Não cobra

(Veja lista completa de taxas de administração no site do Tesouro Direto)

Importante: lembre-se de que existe um custo fixo para investir no Tesouro Direto, independente da corretora. Trata-se da taxa de custódia, que é paga à bolsa de valores para guardar os títulos em nome do investidor. Essa taxa é de 0,3% ao ano sobre o valor total dos títulos (valor investido + rendimento). 

Observando as tabelas, fica fácil perceber que as mudanças nas políticas de custos da Rico e da XP não são exatamente uma inovação: várias corretoras já praticavam taxa zero.

Ou seja, apesar do barulho, as corretoras que alteraram sua política de custos apenas se igualaram a grande parte das concorrentes. É mais marketing do que qualquer outra coisa.

Veja mais: Sabia que na Magnetis você pode começar investindo R$ 1 mil? Monte seu plano grátis!

Não existe almoço grátis: entenda o que é o spread

Do ponto de vista dos clientes, a preocupação das corretoras com a taxa zero é uma evolução.

Também fica claro que empresas como a Magnetis, com políticas claras de custos e preços reduzidos, estão incentivando o mercado a se mexer (aliás, entenda por que investir com a Magnetis é mais barato).

É importante que o investidor saiba que, mesmo com taxa zero, as corretoras de investimentos continuam a ganhar dinheiro – não existe almoço grátis, não é mesmo?

consultoria de investimento

Aqui entra o conceito de spread.

Spread é uma palavra estranha, mas tem um significado simples: diferença entre taxas. Dentro do spread estão contidos os custos e lucros da corretora.

Veja mais: Assessoria sem custo? Veja o que está por trás dessa estratégia

É a lógica do atacado e varejo: no supermercado, você paga um pouco mais caro nos produtos do que se comprasse direto do fornecedor. Porém, fornecedores só vendem em grandes quantidades.

No mercado financeiro acontece a mesma coisa. 

Exemplo sobre o spread:

Um banco faz uma emissão de um CDB. Para vender esses títulos aos investidores de varejo, o banco entra em acordo com uma corretora e combina a distribuição de R$ 10 milhões em um CDB que rende 108% do CDI.

Ao vender para o cliente final, por sua vez, a corretora divide esse montante em lotes de R$ 10 mil e rendimento de 106% do CDI.

Essa diferença entre taxas é o spread – fazendo os cálculos, equivale a 0,28% ao ano de spread. Esse valor é bem próximo ao custo de intermediação que a Rico cobrava explicitamente antes de adotar a taxa zero.

Vale deixar claro que se o investidor fosse tentar comprar diretamente no banco emissor, dificilmente conseguiria aplicar R$ 10 mil à taxa de 108% do CDI. Isso só seria possível se ele tivesse muito dinheiro para comprar no atacado.

Qual é o problema da corretora com taxa zero? O que fazer?

O spread não é errado, é a remuneração de uma corretora para disponibilizar um produto para seus clientes. Mas é importante que o investidor saiba que ele existe e entenda como ele funciona.

A Rico, por exemplo, tinha uma taxa explícita de administração dos títulos de seus clientes – que ela chamava de custo de intermediação. Agora, ela passou a ter o spread (custo implícito) embutido nas taxas dos títulos.

Trocando em miúdos, é difícil saber qual é o real benefício da taxa zero para o investidor…

Veja mais: Veja as corretoras com a menor taxa de corretagem

A boa notícia é que não é necessário tentar descobrir o spread para encontrar os melhores investimentos em renda fixa. 

Basta você comparar a rentabilidade oferecida e selecionar os títulos com o maior retorno líquido, considerando o custo total e os impostos. 

E não se esqueça de manter o investimento dentro do limite de garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC).

Para quem não tem tempo de fazer essas contas, saiba que o algoritmo da Magnetis já faz esses cálculos automaticamente para os clientes: selecionamos os melhores títulos disponíveis para seu perfil de risco. 

Além disso, também fazemos o cálculo para os valores investidos, inclusive seus rendimentos, ficarem dentro do limite de R$ 250 mil por emissor e R$ 1 milhão por CPF. Monte grátis o seu plano de investimentos e veja como é fácil!

(Post originalmente publicado em outubro de 2016)

Taxa zero nas corretoras: benefício real ou ‘metade do dobro’?
4.5 (89.6%) 25 vote[s]