Invista agora
a evolução na edução financeira, conheça a Magnetis.

Fundo DI do seu banco: como as taxas corroem uma fatia dos rendimentos

Os fundos de investimento que acompanham a taxa de juros, os chamados fundos DI, estão entre as aplicações mais básicas para quem quer ver seu dinheiro render ou deseja fazer uma reserva de emergência. Alguns bancos até os colocam como opção de aplicação automática para seus clientes.

Porém, as taxas cobradas pelos bancos para administrar esses fundos podem comprometer (e muito!) os ganhos do investidor. No caso de alguns deles, valeria até mais a pena deixar o dinheiro aplicado na poupança.

Resolvemos estudar, na prática, o quanto essas taxas de administração comprometem os rendimentos de quem tem dinheiro em fundos DI de grandes bancos.

Para isso, a Magnetis analisou o comportamento de 24 fundos DI dos maiores bancos brasileiros, que concentram 1,2 milhão de cotistas e R$ 82,9 bilhões em aplicações, segundo dados da Anbima do fim de julho.

Bancos analisados:
Itaú

  • Bradesco
  • Santander
  • Banco do Brasil
  • Caixa Econômica Federal

Você vai notar que somente um dos fundos analisados conseguiu superar o CDI em 12 meses. Em seis meses, dois deles conseguiram bater a marca. Isso acontece por duas razões:
Esses fundos compram títulos públicos que acompanham a taxa básica de juros, a Selic. Por isso, raramente terão desempenho acima do CDI;

  • Mesmo que as carteiras tenham um rendimento igual ao CDI, as taxas cobradas pelo fundo afetam essa rentabilidade. Assim, quanto menores forem as taxas, maior será a rentabilidade de um fundo DI.

ALERTA: Existem fundos que cobram, além da taxa de administração, uma porcentagem sobre cada aplicação feita. Essa cobrança é chamada de taxa de carregamento no jargão do mercado financeiro e compromete ainda mais o rendimento do fundo.

Outro ponto que merece atenção é o fato de que os bancos geralmente cobram taxas maiores de quem aplica menos dinheiro. Você pode perceber isso ao comparar a aplicação mínima versus a taxa de administração do fundo. 

Entre os fundos DI dos grandes bancos, aqueles que possuem taxa de administração abaixo de 1% exigem aplicação mínima a partir de R$ 10 mil. Veja na tabela a seguir. 

Assim, nos bancos seria necessário ter muito dinheiro para ter acesso a um fundo do tipo mais básico que tenha uma boa performance.

​Alternativas para seu dinheiro render mais

Se já ficou claro que é difícil encontrar fundos DI de qualidade nos grandes bancos, você já deve estar procurando formas de melhorar seus investimentos.

O Tesouro Direto, por exemplo, possui um título chamado Tesouro Selic, que tem um rendimento bem próximo da taxa de juros. O custo é de 0,3% ao ano em corretoras com política de taxa zero para esse investimento.

Assim, quem investiu em um Tesouro Selic 2023 em 31 de julho do ano passado e resgatou na mesma data esse ano, teve um rendimento de 10,04%, já considerando o IR e a taxa de custódia de 0,30% ao ano sobre o valor investido. Quem, por exemplo, investiu R$ 1 mil naquela data, resgatou R$ 1.099,57.

Além disso, outros fundos com taxas de administração menores, que podem ser encontrados em corretoras, também são uma saída. E aqui vai uma boa notícia: há fundos DI que superam o CDI (!!!), mas isso é assunto para um próximo post.

Um exemplo desse perfil de fundo é o Brasil Plural Yield, um dos indicados pela Magnetis. Ele cobra taxa de administração de 0,3% ao ano.​

Outra boa notícia é que a Carteira Magnetis Risco 1, a mais conservadora, superou a rentabilidade de TODOS os fundos DI dos maiores bancos brasileiros.

De janeiro a julho de 2017, o rendimento foi de 6,75%. Em 12 meses, acumulou ganho de 12,85%. A comparação foi feita nos mesmos termos: sem considerar o Imposto de Renda, mas já descontando a taxa de consultoria de 0,4% da Magnetis, mais as taxas cobradas pelos produtos dessa carteira.

Vale lembrar que, como todas as carteiras Magnetis são diversificadas, a Carteira Risco 1 aplica metade dos recursos em um fundo DI, mas tem na cesta outros investimentos em renda fixa, como CDBs de bancos médios, igualmente seguros. Essa diversificação aumenta as chances de a carteira render mais.

Quer ver como melhorar seus rendimentos a partir de hoje? Monte grátis o seu plano de investimentos com a Magnetis. E lembre-se: se ficar com alguma dúvida, não deixe de entrar em contato com nosso time.

Malena Oliveira

Especialista em Finanças Pessoais e membro do Grupo Consultivo de Educação Financeira da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima).

leia mais desse autor