Uma dívida, depois outra… e ela entrou numa bola de neve

por Mariana Congo | 30/10/2018

Histórias de horror - Crédito fácil

Quem nunca viu de perto ou viveu uma história complicada, que provocou perdas ou sofrimento na vida financeira? É para compartilhar essas experiências que publicamos aqui no blog a série "Histórias de Horror", uma sequência de posts para conscientizar você sobre as armadilhas que podem comprometer o seu dinheiro.

Os casos que publicamos aqui são relatos dos leitores do nosso blog, cuja identidade foi preservada com nomes fictícios. No final, essas histórias trazem um grande aprendizado e servem de alerta para que você não passe pela mesma situação. Aproveite a leitura!

Veja mais: Sabia que na Magnetis você pode investir com R$ 1 mil? Monte grátis o seu plano de investimentos!

A história 

Era 2007. Fernanda havia acabado de se formar em Direito e foi aprovada para um cargo de confiança no setor público.

Como os salários eram pagos apenas por meio de um determinado banco, ela foi a uma agência e solicitou a abertura de uma conta corrente.

No momento de entrega de seus documentos, ela recebeu uma sugestão do profissional que a atendeu:

“A senhora sabia que tem à sua disposição um crédito
pré-aprovado no valor de R$ 60 mil? Em vez de pagar 
o valor mínimo no cartão de crédito e deixar incidir juros,
que tal fazer um CDC (Crédito Direto ao Consumidor)?”

Aquela proposta parecia tentadora e ficou na cabeça de Fernanda. Ela tinha uma dívida de R$ 700 no cartão de crédito e resolveu aceitar. E como foi simples! Bastou contratar a operação no caixa eletrônico e quase imediatamente o dinheiro do empréstimo estava na sua conta.

Fernanda ainda não sabia que o barato pode sair caro, e assim começou uma verdadeira bola de neve.

No começo, a dívida do cartão era pequena e o uso do cheque especial, apesar de frequente, era sempre coberto. Pouco depois, a rotina mudou: sempre que se apertava para quitar as contas, fazia um CDC. Afinal, era rápido e fácil. Parecia até que o dinheiro era dela, pois surgia em sua conta como em um passe de mágica.

Um financiamento se somou a outro, depois a outro e outro… Depois de um ano, Fernanda percebeu que tinha dívidas no cartão, no cheque especial e em operações de CDC que chegavam a R$ 30 mil. Ela não dava mais conta de pagar e, para piorar, foi demitida.

Somente dois anos mais tarde, com a ajuda do pai, é que ela conseguiu pagar o que devia. “Foi penoso. Descobri só depois que demissão é motivo para rever contratos bancários. Essa poderia ter sido outra solução”, diz.

Veja mais: Quer conhecer outras lições de quem viveu histórias de horror na vida financeira? Clique aqui

As lições

Já vimos aqui no blog uma história semelhante: a do Maurício, o fotógrafo que se enforcou no cheque especial

A recorrência não é por acaso. O endividamento via cheque especial, cartão de crédito e outras modalidades é muito comum no Brasil, pois essas são as maneiras mais fáceis de tomar dinheiro emprestado.

O problema é que nas dívidas, assim como nos investimentos, entra em cena o efeito poderoso dos juros compostos

Se no caso das aplicações financeiras essa ferramenta age a nosso favor, nas dívidas acontece o oposto: ela joga contra nós e de forma bastante agressiva, uma vez que os juros do crédito bancário são bem maiores que os dos investimentos.

O ideal é sempre evitar esse tipo de dívida. Como? Prevenindo-se. Se você montar uma reserva de emergência, terá condições de atravessar eventuais períodos difíceis com seus próprios recursos. O recomendado é manter um fundo de reserva equivalente a pelo menos seis salários mensais.

E se não houver modo de evitar um empréstimo, tente alternativas como negociar com seus credores, pedir desconto por pagamento adiantado ou à vista, ou ainda pedir ajuda a amigos e familiares.

Se nada disso funcionar, negocie a modalidade de crédito com os menores juros. Se você tiver um imóvel ou veículo, pode colocá-los como garantia de um empréstimo para pagar juros menores, por exemplo.

Essas lições ficaram bem claras para a Fernanda. “Parei definitivamente de usar o cheque especial e só após alguns anos voltei a usar cartão de crédito”, diz. 

Ela também percebeu algo bastante importante para mudar a sua situação: “outra lição que aprendi é que devo viver com o que ganho. Se quero viver com mais, devo ‘correr atrás’ para aumentar a minha remuneração mensal. Acredito que grande parte das pessoas, principalmente funcionários públicos, acaba gastando mais do que ganha diante da facilidade de pegar dinheiro emprestado”.

magnetis invista no que importa simule gratis

Conte sua história

Gostou da série “Histórias de Horror”? Estamos ouvindo muitas pessoas e queremos escutar você também. Mande um breve relato para o e-mail contato@magnetis.com.br e compartilhe conosco a sua experiência.

E se você quiser ficar por dentro de todas as novidades do mundo dos investimentos, assine a nossa newsletter! Você vai receber semanalmente por e-mail os conteúdos mais relevantes para investir no que realmente importa!

Mariana Congo, da Magnetis

Mariana Congo é Gerente de Comunicação da Magnetis e jornalista especializada em finanças pessoais.

(Post originalmente publicado em outubro de 2014)

Avaliar o post