Invista agora
a evolução na edução financeira, conheça a Magnetis.

Você pode investir de um jeito melhor, e nós podemos provar.

Baixe o app!

Vale a pena considerar a rentabilidade nominal para avaliar um investimento?

A rentabilidade nominal é um dos elementos mais importantes na hora de analisar um investimento. Afinal, ela representa o percentual de ganhos (ou perdas) que você pode obter, em relação ao valor que foi aplicado inicialmente. 

No entanto, apesar desse elemento ser relevante, a rentabilidade nominal não é a única forma de avaliar o retorno de um investimento. Por isso, é importante entender o que você deve estudar antes de aportar seu dinheiro em um novo investimento ou na hora de avaliar os ganhos da sua carteira.

Neste artigo, você descobrirá se vale a pena considerar a rentabilidade nominal para avaliar um investimento e quais outros aspectos podem ser analisados nesse processo.

Confira!

Como a rentabilidade nominal se apresenta? 

Como você já sabe, a rentabilidade nominal de um investimento está relacionada ao desempenho que ele apresenta ao longo do tempo. Por isso, o mais comum é que ela seja apresentada na forma de taxa. 

Ademais, esse número costuma ser associado a um tempo específico. A rentabilidade nominal anual, por exemplo, indica a performance de um ativo ou aplicação financeira em 12 meses. Já a rentabilidade mensal mede o resultado ao longo de 30 dias.

Em qualquer que seja o período, o cálculo de rentabilidade de investimento sempre ocorre de modo parecido. A ideia é a seguinte:

Rentabilidade nominal = [(Valor final / Valor investido) – 1] x 100

Se a rentabilidade for positiva, significa que o investimento gerou ganhos. É o caso de quando se investe R$ 1000 e, ao final, recebe R$ 1100. Nesse cenário, a rentabilidade nominal do investimento é de 10%, sendo esse um resultado positivo.

Já uma rentabilidade nominal negativa significa que o principal investimento, na verdade, diminuiu. É o que acontece se você investir R$ 1000 e, ao resgatar o investimento, obtiver R$ 950. Logo, a rentabilidade nominal foi de -5%.

Além disso, a rentabilidade nominal pode ser igual a 0. Quando ela se apresenta dessa forma, significa que o investimento não gerou perdas e nem ganhos. Logo, o valor final obtido com a aplicação foi o mesmo que a alocação inicial.

Vale usar apenas a rentabilidade nominal para avaliar um investimento? 

Agora que você sabe o que é a rentabilidade nominal de um investimento, fica mais fácil entender por que ela é importante. Afinal, esse resultado serve para demonstrar como um investimento pode fazer o seu patrimônio evoluir em determinado período.

Logo, ter uma rentabilidade nominal maior significa que o valor final do investimento também será mais elevado. Então seria possível obter um desempenho mais sólido para a evolução dos seus recursos.

No entanto, é essencial saber que não basta usar a rentabilidade nominal para avaliar um investimento. Afinal, embora esse seja um critério relevante, ele não é o único que pode interferir nos seus resultados.

Entender essa questão é fundamental para evitar cometer o erro de escolher apenas investimentos com chances de entregar uma maior rentabilidade nominal e se expor a riscos maiores e desalinhados às suas necessidades e ao seu perfil de investidor, por exemplo.

Além disso, a rentabilidade nominal é um resultado bruto, que ainda pode sofrer a influência de outros elementos — que você conhecerá adiante. Portanto, ela oferece apenas uma visão parcial da performance de um investimento.

Como consequência, basear as decisões apenas no desempenho nominal de uma alternativa do mercado aumenta a probabilidade de erro ao investir. Assim, você pode sofrer perdas indesejadas ou se frustrar com os resultados da sua carteira.

O que mais avaliar em um investimento? 

Como você acompanhou, a rentabilidade nominal não é suficiente para analisar um investimento de forma completa. Por isso, é preciso ponderar outros aspectos que também podem ajudá-lo a tomar uma decisão mais fundamentada.

Ao incluir um novo investimento no portfólio ou rebalancear a carteira, veja quais critérios considerar além da rentabilidade nominal!

Rentabilidade real

Um dos motivos que fazem com que a rentabilidade nominal não seja o ponto mais relevante a analisar no processo de construção da carteira é o efeito da inflação nos seus ganhos. Em muitos casos, mesmo diante de uma rentabilidade nominal positiva, você pode não ter ganhos reais.

Isso acontece quando a inflação é mais alta do que o desempenho nominal de um investimento. Por isso, é preciso considerar a rentabilidade real. Ela coloca o retorno obtido com um investimento em perspectiva com a inflação.

Para saber como calcular a rentabilidade real de um investimento, use a seguinte equação:

Rentabilidade real = [(1 + rentabilidade nominal) / (1 + inflação)] x 100

Assim, quanto maior for a inflação, maior terá que ser a rentabilidade nominal para que o resultado seja positivo. Se a rentabilidade real for negativa, é sinal que o avanço do patrimônio não foi suficiente para superar a perda de poder de compra promovida pela inflação.

Rentabilidade líquida

Outro elemento para avaliar nos investimentos é a rentabilidade líquida. Nesse caso, é preciso descontar os custos — como taxas e alíquota do Imposto de Renda (IR).

O retorno líquido é calculado da seguinte forma:

Rentabilidade líquida = [(Valor final líquido / Valor inicial) – 1] x 100

Para entender o impacto, considere dois investimentos que têm a mesma rentabilidade nominal. Porém, um deles tem menos taxas e impostos. Logo, a rentabilidade líquida dele será maior, gerando ganhos mais efetivos.

Risco x retorno

Por fim, é preciso analisar a rentabilidade nominal pela ótica da relação entre risco e retorno. A ideia é considerar que um potencial de retorno mais elevado costuma estar associado a um risco maior.

Ao refletir sobre esse aspecto, você tende a não se basear apenas nos ganhos que um investimento pode oferecer. Afinal, se você fizer escolhas somente com base na rentabilidade nominal, há o risco de decidir apenas pelos investimentos mais arriscados — desconsiderando outros critérios importantes.

Para evitar problemas, é preciso ponderar a relação entre risco e retorno e considerar seu perfil de investidor e seus objetivos. Com base na sua tolerância ao risco e nos resultados que você espera alcançar, é possível definir quais são os investimentos mais interessantes para o seu portfólio.

Ainda, vale pensar na diversificação. Com ela, você faz investimentos com riscos distintos e evita a concentração financeira na sua carteira. Então será viável combinar investimentos com maior potencial de rentabilidade e mais riscos, e outros mais seguros, e com menor retorno.

Agora você sabe o que é a rentabilidade nominal de um investimento e as informações que ela apresenta. Para tomar decisões no mercado financeiro, entretanto, é preciso considerar outros aspectos — os quais o ajudarão a avaliar melhor as oportunidades e a construir uma carteira mais sólida!

Gostou dessas informações? Para ter ajuda na hora de analisar e escolher os investimentos de modo estratégico, fale gratuitamente com um de nossos especialistas e conte com as nossas soluções de gestão digital!

Andressa Siqueira, CFP®
Andressa Siqueira, CFP®

Formada em Economia pela PUC-SP, é especialista em investimentos na Magnetis desde 2019. Possui as certificações CEA pela ANBIMA e de planejadora financeira CFP®, trabalha no mercado financeiro há mais de 8 anos.

leia mais desse autor