Invista agora
a evolução na edução financeira, conheça a Magnetis.

Entenda o que é vesting em planos de previdência empresarial

Você já ouviu falar em vesting de planos de previdência? Neste post, vamos explicar para você tudo sobre ele e as vantagens de construir uma boa estratégia com ele!

Mas antes, vamos relembrar alguns conceitos! Um fundo de previdência privada tem como objetivo recolher contribuições mensais das pessoas que estão se planejando para a aposentadoria. Esse dinheiro é investido em um fundo ou em ativos, a fim de formar renda para o futuro.

A empresa também pode contribuir para esse plano, complementando a formação de poupança de longo prazo do colaborador. Além disso, a companhia pode auxiliar o profissional a encontrar a melhor forma de guardar dinheiro por meio de um programa de educação financeira empresarial.

Quais são os benefícios da previdência privada nas empresas?

Há dois tipos de previdência privada empresarial no Brasil, a aberta e a fechada. Qualquer pessoa pode adquirir um plano de previdência aberto, por meio de instituições financeiras ou seguradoras. Já um plano de previdência fechado aceita apenas pessoas que estão vinculadas a uma determinada empresa. São chamados fundos de pensão.

As empresas que oferecem um plano de previdência privada à equipe acabam tendo um diferencial no mercado de trabalho. Isso porque ele promove maior engajamento dos colaboradores e até a atração de talentos. Entenda mais!

Motivação dos colaboradores

Os profissionais veem esse benefício corporativo como um motivador para entrar em uma empresa. Uma vez contratados, eles diminuem suas preocupações em relação às finanças e conseguem se focar mais em suas tarefas e, consequentemente, aumentam a qualidade e a velocidade das suas entregas.

Para se ter uma ideia, um estudo desenvolvido no Reino Unido, e publicado em 2019, mostrou que a produtividade dos profissionais que estavam endividados ou preocupados de alguma forma com dinheiro chega a ser 15% menor do que seus pares.

Diminuição do turnover

Outro benefício importante é a diminuição do turnover. Segundo um estudo da PwC, 76% dos colaboradores financeiramente estressados disseram que seriam atraídos por outra empresa que se preocupasse com seu bem-estar financeiro.

E com regras bem definidas de vesting, é possível aumentar ainda mais o tempo de permanência médio dos colaboradores nas empresas. Afinal, eles só terão acesso a totalidade do benefício depois de um período pré-determinado.

Fortalecimento da marca empregadora

Com a concorrência por talentos cada vez maior, possuir um pacote de benefícios diversificado pode ser um grande diferencial durante os processos seletivos.

E ter uma previdência privada é uma excelente maneira de se destacar, uma vez que ele é um dos benefícios mais pedidos pelos colaboradores hoje. Especialmente após a aprovação da Reforma da Previdência.

Oferecer este benefício também é uma forma de mostrar que a empresa tem uma preocupação genuína com o bem-estar financeiro dos colaboradores.

Banner da Planilha de Simulação de Previdência B2B

Mas afinal, o que é vesting em planos de previdência privada?

Agora que entendemos melhor os planos de previdência empresarial, podemos agregar valor a essa oferta por meio do vesting. Trata-se de um modelo de contrato entre uma empresa e seus sócios e colaboradores

Originalmente, ele diz respeito à participação societária de um profissional na empresa, que ocorre de maneira progressiva. Ou seja, um colaborador pode ampliar sua participação como sócio da companhia de acordo com o tempo em que permanece nela. A posição que ele ocupa nos negócios também influencia nessa participação. 

Na previdência privada, o vesting funciona de maneira similar. Nesse contrato, estipulam-se cláusulas caso o colaborador queira ter direito ao benefício proveniente das contribuições pagas pela empresa ao plano de previdência. 

Assim, o colaborador precisa aceitar um conjunto de regras que normalmente são baseadas em:

  • Tempo de permanência na empresa: Esta é o critério mais utilizado nas estratégias de vesting. Ele basicamente quer dizer que o tempo que o colaborador passou na empresa é diretamente relacionado ao quanto ele terá acesso do valor investido pela empresa. E esse percentual cresce a cada novo período completo.
  • Nível hierárquico que o colaborador possui: Algumas empresas criam regras de vesting diferenciadas para níveis de liderança diferentes. Por exemplo, níveis de gerência e C-level podem acessar mais rapidamente o benefício para tornar a ida deles para a empresa mais atrativa.
  • Forma de demissão: Várias empresas também diretrizes baseadas na forma pela qual o contrato de vínculo com a empresa foi finalizado. Nos casos de pedidos de demissão, eles estão regidos pelo vesting padrão. Já me casos de demissão, podem acessar ou fazer portabilidade de toda a contribuição feita pela empresa.

O vesting também é conhecido como benefício proporcional diferido na previdência fechada. Nesse caso, ele determina que o trabalhador tem o direito de continuar no plano até o momento da aposentadoria, mesmo depois do desligamento da empresa. 

Como fazer o cálculo para escolher o melhor modelo para a empresa?

Há alguns tipos de cálculos já preestabelecidos para a empresa se basear na hora de escolher o modelo de contrato de vesting que quer aplicar. É interessante fazer isso da maneira que melhor se encaixa no perfil da companhia e do colaborador

Um exemplo é calcular da seguinte forma: se o colaborador ficar até 2 anos na empresa, ele recebe um percentual menor sobre as contribuições feitas pela companhia, por exemplo, 20%. 

Esse valor vai aumentando gradativamente até o momento em que o colaborador chega ao percentual máximo, de 100%. Isso pode ocorrer após 5 anos de trabalho na empresa, por exemplo.

Vesting alinhado aos objetivos da empresa

Independente da forma como ele for construído, o importante é que o vesting esteja alinhado com com os objetivos estratégicos da empresa.

Por exemplo, a intenção é reter os talentos por mais tempo? Talvez faça mais sentido um vesting agressivo em que o colaborador só tem acesso total ao valor depois de 5 ou 10 anos.

Já se a ideia é gerar mais produtividade, reduzindo a ansiedade do colaborador com problemas financeiros, a solução pode ser um vesting com carência mais curta.

Agora que você entendeu o que é vesting em planos de previdência privada, conheça a Previdência para Empresas Magnetis. Trata-se de um plano estruturado pela Magnetis em parceria com a Icatu Seguros. Por meio dele, são oferecidos planos PGBL e VGBL de rápida contratação. Entre em contato conosco para saber mais!

Julia Ayres

Julia é jornalista por formação, mas apaixonada por marketing digital, performance e educação financeira. Atualmente, lidera as estratégias de marketing para a área de empresas da Magnetis

leia mais desse autor